Veja o “Bebedouro Ecológico” que vem ganhando popularidade no Brasil

Você tem coragem de beber a mesma água boa para seus animais? Esta é uma pergunta que o veterinário Fernando Lorero sempre fazia durante suas visitas a propriedades e dias de campo. Ele separa um copo transparente, enche-o com água ou um balde e ameaça beber.

“É verdade!” Levo até essas canecas transparentes para mostrar ao fazendeiro a importância do gado beber água limpa, que não tenhamos medo, não tenhamos nojo de beber. Em entrevista a Giro Du Puy, em março deste ano, Lorero disse que a água de que o touro precisa, E a vaca, e o bezerro que precisa beber, é a mesma água que bebemos, então não tem problema.

O veterinário alertou sobre as doenças que o líquido contaminado da mãe ou mãe pode causar ao rebanho. “Essa é a fonte de todos os ‘utensílios’: eimeriose, salmonela, coccidiose. Tudo isso se traduz em perda de rendimento e diarreia nos animais, principalmente bezerros ao nascer, o que é um problema grave no Brasil”, alertou Lorero.

Ele acrescentou essa leptospirose a essa lista de riscos à saúde do rebanho. Também é possível que as bactérias causadoras de intoxicações alimentares estivessem presentes em ambientes como os listados acima, que poderiam estar contaminados com carcaças de pequenos animais, como peixes e pássaros que se tornaram alimento para outros predadores, como crocodilos. A proliferação de algas também pode levar a um certo nível de toxicidade e ocorre quando os animais ingerem sobras de grama e se alimentam de bebedouros.

No post sobre o Giro do Boi, o veterinário citou estudos que demonstram o efeito do consumo de água limpa no ganho de peso do rebanho. O primeiro desses experimentos que ele encontrou foi realizado por uma universidade em Alberta, Canadá, e comparou o desempenho de três classes de animais (novilhas, novilhas desmamadas e bezerros de dois anos de idade), o que prova o ganho de peso diário em bovinos que beberam. A água média no bebedouro foi de 225 gramas. Mais do que as pessoas que consumiram a mesma água, mas na barragem. Mesmo sendo a mesma água usada, simplesmente bombear o líquido no bebedouro, disse Lorero, na verdade evitou que diferentes tipos de resíduos aparecessem no fundo da barragem por meio do pisoteio do gado.

READ  A França segurou o desperdício de casa, e a França segurou

Laurero disse ainda ter encontrado referências em estudo de 2006 publicado pela Sociedade Brasileira de Ciências da Pecuária (SBZ) que também concluiu que o ganho de peso de animais que consumiram água no bebedouro foi 110g maior do que aqueles que beberam na barragem da barragem. Sistema de produção com pastagens originais e sal mineral no Rio Grande do Sul.

Fonte de água potável ecológica

O veterinário lembrou que intensificou suas pesquisas sobre os efeitos do consumo de água poluída pela pecuária desde 2012, quando passou a representar a Rubber Tank Company no Brasil. A empresa encontrou uma solução para problemas como os mencionados acima e aplicou no gado da América do Norte, enquanto o veterinário vislumbrou a oportunidade de importar equipamentos que também trouxessem tais benefícios para a pecuária tropical.

A resposta está no uso de tanques de borracha feitos de pneus gigantes usados ​​em máquinas de mineração, que são fatiados e transformados em bebedouros duráveis, fáceis de instalar e limpar e também considerados sustentáveis. “É ambiental porque não agride o meio ambiente. Pelo contrário, é benéfico porque estamos removendo resíduos ambientais do meio ambiente, que são pneus pós-uso”.

Foto: Giro Du Boy / Reprodução

A resistência é um dos produtos de maior destaque, podendo durar várias gerações em uma fazenda de gado – até 600 anos, a critério do veterinário, segundo estimativas do setor. “Isso é uma piada que eu disse no primeiro evento aqui em São Paulo, a extinta capital da Feicorte. Lançamos a empresa e falamos para os funcionários: ‘Vou dar garantia por 300 anos, mas se vocês querem que eu estenda a garantia, procurem até lá, eu assino’, disse com um sorriso.

READ  Banco do Brasil nega renúncia de CEO após nova rodada de boatos

Na verdade, desde sua invenção, há mais de 100 anos, nenhum pneu se degradou naturalmente no meio ambiente. Assim, ao ser convertido em bebedouro, acaba cumprindo papéis importantes para as indústrias que o utilizam em grande quantidade, como as do setor de mineração, bem como para as vacas de corte.

“A grande vantagem disso, aliás, está na mineração porque reciclamos o lixo ambiental deles, que são os pneus após o uso. Após o descarte, nós encontramos uma solução e eu chamo isso Reciclando Gado. É quando você pega um produto já existente e o converte para um novo uso sem retornar ao seu original, sem voltar ao látex e aos óleos derivados do petróleo e do aço. Estou transformando-o em uso ilimitado, sem gerar resíduos da natureza ”, acrescentou.

Para as fazendas, além da durabilidade, mobilidade e facilidade de manuseio o equipamento é diferente. “Tenho um vídeo de uma escavadeira passando por cima do pneu (veja no player abaixo) e nada aconteceu. É perigoso estragar o calçado no tapete, mas não estragar o bebedouro. Então a vantagem é grande. Outro ponto: o touro, os animais brigam, bate no bebedouro, não Tem um animal que está mancando, não se machuca nem danifica o bebedouro porque ele (os pneus) pressurizam novamente. A instalação é muito simples, é feita apenas de cimento, areia e pedra, que é concreto que é feito ali no local de uso para cobrir o fundo do pneu. “

Este diferencial do bebedouro traz concorrência às fazendas do setor, como vem promovendo o Loureiro. “Essa é uma grande vantagem porque o agricultor teve uma redução muito grande na margem. Hoje o agricultor precisa ser muito produtivo e uma das formas é aumentar seu nível de produtividade e também reduzir custos. Você vai reduzir custos com um produto que proporcionará menos manutenção e menos necessidade de reposição”, disse.

READ  Zé bate rápido, Corinthians vence transferência de Goiás no ringue - 21/12/2020

O produto também pode melhorar o conforto térmico dos animais, já que sua fórmula de borracha atua como isolante térmico. No frio, como faz parte do ano nos Estados Unidos, sede da Rubber Tank Company, ajuda a proteger a água do congelamento e atrasa seu resfriamento. Nos trópicos, acontece o contrário. “Aqui no Brasil isso se traduz em uma vantagem no calor porque a borracha mais grossa é um isolante térmico e demora mais para a água ficar muito quente”, disse ele.

Lorero disse que o refrigerador de água custa 90 centavos por litro de capacidade. Ou seja, um tanque de 1000 litros custa cerca de R $ 900. São nove tamanhos diferentes, que vão de 600 litros, que são recomendados para o transporte de água até o celeiro, a uma mangueira para ações mais rápidas ou para bandos menores, como vacas de tropa ou leiteiras, até os maiores 5.400 litros indicados para até 250 animais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *