Rússia acusa os Estados Unidos de um papel direto na guerra da Ucrânia, navios de grãos atracados na costa turca

  • Autoridade diz que a Ucrânia está consultando os EUA sobre o uso de bombardeiros HIMARS
  • A suspensão leva o Kremlin a acusar os Estados Unidos de envolvimento direto
  • O primeiro navio de exportação de grãos em tempo de guerra da Ucrânia chega ao Bósforo
  • Sanções dos EUA atingem ex-ginasta olímpica vista como próxima de Putin

ISTAMBUL/LONDRES (Reuters) – A Rússia acusou nesta terça-feira os Estados Unidos de envolvimento direto na guerra da Ucrânia como o primeiro navio que transporta grãos ucranianos para os mercados globais desde a conquista de Moscou atracou com segurança na costa turca após uma viagem sem problemas.

A Rússia disse que estava respondendo aos comentários de Vadim Skipetsky, vice-chefe da inteligência militar da Ucrânia, sobre a maneira como Kyiv usou os lançadores do Sistema de Artilharia de Alta Mobilidade (HIMARS) fabricados nos EUA, fornecidos a ele com base no que ele descreveu como excelentes imagens de satélite em tempo real. . Em formação.

Skipetsky disse ao jornal britânico Telegraph que houve consultas entre autoridades de inteligência dos EUA e da Ucrânia antes dos ataques e que Washington tinha poder de veto efetivo sobre os alvos pretendidos, embora tenha dito que as autoridades americanas não forneceram informações diretas sobre os alvos.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

O Ministério da Defesa russo, chefiado por um aliado próximo do presidente Vladimir Putin, disse que a entrevista mostra que Washington está envolvido no conflito, apesar das repetidas garantias de que está limitando seu papel ao fornecimento de armas porque não quer um confronto direto com Moscou. Consulte Mais informação

“Tudo isso prova inegavelmente que Washington, ao contrário das alegações da Casa Branca e do Pentágono, está diretamente envolvido no conflito na Ucrânia”, disse o Ministério da Defesa russo em comunicado.

READ  Blinken e Lavrov pisaram com cautela cara a cara sob Biden

“O governo Biden é diretamente responsável por todos os ataques de mísseis aprovados por Kyiv em áreas residenciais e infraestrutura civil em áreas povoadas de Donbass e outras áreas, que resultaram em baixas civis significativas”.

Não houve reação imediata da Casa Branca ou do Pentágono às afirmações do departamento.

O Pentágono, no entanto, negou as alegações de Moscou de que a Rússia havia destruído seis sistemas Hemars fabricados nos EUA desde que a guerra na Ucrânia começou em 24 de fevereiro. A Rússia afirma regularmente ter atingido o HIMARS, mas ainda não forneceu evidências. Consulte Mais informação

A Ucrânia e o Ocidente acusam a Rússia de realizar ataques devastadores com mísseis contra alvos civis quase diariamente. Ambos os lados negam atacar deliberadamente civis.

A precisão e o longo alcance dos sistemas de mísseis fornecidos pelo Ocidente destinavam-se a reduzir a vantagem da artilharia da Rússia, mas o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse na terça-feira à noite que, apesar desses suprimentos, as forças de seu país ainda não conseguiram superar as vantagens da Rússia em armas pesadas e mão de obra.

“Isso é muito palpável em combate, especialmente no Donbass… É um inferno lá fora. As palavras não podem descrevê-lo”, disse ele.

Um diplomata russo nas Nações Unidas disse que o conflito na Ucrânia não justifica o uso de armas nucleares pela Rússia, mas que Moscou pode decidir usar seu arsenal nuclear em resposta à “agressão direta” dos países da Otan pela invasão. Consulte Mais informação

O diplomata Alexander Trofimov disse na Conferência sobre a Não Proliferação de Armas Nucleares que Moscou usaria armas nucleares apenas em resposta a armas de destruição em massa ou a um ataque com armas convencionais que ameacem a existência do Estado russo.

READ  Estudo diz que economia da Rússia está entrando em colapso em meio a sanções sufocantes

“Nenhum desses dois cenários hipotéticos é relevante para a situação na Ucrânia”, disse Trofimov, diplomata sênior do Departamento de Não-Proliferação e Controle de Armas do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, na Conferência das Nações Unidas para Revisão do Tratado de Não-Proliferação de Armas nucleares. braços.

passagem segura

Enquanto isso, um acordo mediado pela ONU em 22 de julho para revogar a proibição de exportação de grãos da Ucrânia teve sucesso inicial. A Turquia disse que seu primeiro navio carregado desde a invasão russa há mais de cinco meses estava ancorado com segurança na costa turca. Consulte Mais informação

A embarcação, com bandeira da Serra Leoa, estava na entrada do Estreito de Bósforo, que liga o Mar Negro aos mercados mundiais, por volta das 18h00 GMT de terça-feira, cerca de 36 horas depois de deixar o porto ucraniano de Odessa.

O Ministério da Defesa turco disse que uma delegação do Centro de Coordenação Conjunta em Istambul, onde funcionários da Rússia, Ucrânia, turcos e das Nações Unidas trabalham, deve inspecionar o navio às 07:00 GMT de quarta-feira.

Foi carregado com 26.527 toneladas de milho.

“Esperamos que haja mais movimento amanhã”, disse o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, a repórteres em Nova York.

Dujarric disse que há cerca de 27 navios nos três portos ucranianos abrangidos pelo acordo de exportação, prontos para serem lançados.

READ  A pequena Amal, uma boneca refugiada, procura um lar

As exportações de um dos maiores produtores de grãos do mundo visam ajudar a aliviar a crise global de alimentos.

“Nosso objetivo agora é ter um cronograma ordenado, para que quando um dos navios saia do porto, tenha que haver outros navios – tanto os que estão carregando quanto os que estão se aproximando do porto”, disse Zelensky.

Para que o Acordo de Passagem Segura se mantenha, há outros obstáculos a serem superados, incluindo a limpeza de minas navais e a criação de uma estrutura para que os navios entrem com segurança na zona de guerra e peguem carga. Consulte Mais informação

A Ucrânia, conhecida como o celeiro da Europa, espera exportar 20 milhões de toneladas de grãos mantidos em silos e 40 milhões de toneladas da safra em andamento, inicialmente de Odessa, Pivdennyi e da vizinha Chornomorsk.

A Rússia descreveu a saída de Razouni como uma notícia “muito positiva”. Ele negou a responsabilidade pela crise alimentar, dizendo que as sanções ocidentais desaceleraram suas exportações.

Além dessas sanções, os Estados Unidos atacaram na terça-feira a ex-ginasta olímpica Alina Kabaeva, que o Departamento do Tesouro descreveu como tendo um relacionamento próximo com Putin. Putin negou que eles tivessem um relacionamento romântico.

O ministério disse em comunicado que Kabaeva lidera o National Media Group, um grupo pró-Kremlin que inclui organizações de televisão, rádio e imprensa.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Andrew Osborne. Mark Heinrich e Alistair Bell; Edição por Nick McPhee, Grant McCall, Howard Guler e Cynthia Osterman

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.