Acordos energéticos com Brasil, Japão e Jordânia foram assinados pelo Conselho de Ministros Saudita

NOVA IORQUE (Reuters) – Os preços do petróleo caíram nas negociações asiáticas na quarta-feira, com dados da indústria mostrando que os estoques de petróleo bruto e combustíveis estão aumentando nos Estados Unidos, um sinal de demanda fraca, e uma perspectiva cautelosa de oferta emergiu antes de uma reunião de política da Opep+ no próximo mês, de acordo com a Reuters. .

Os futuros do petróleo Brent caíram 57 centavos, ou 0,69 por cento, para US$ 82,59 o barril às 9h45, horário da Arábia Saudita. Os futuros do petróleo bruto West Texas Intermediate caíram 53 centavos, ou 0,68 por cento, para US$ 77,85 por barril.

Os dois índices de referência caíram ligeiramente na sessão anterior devido a sinais de diminuição da escassez de oferta e à fraca procura global por petróleo no relatório de previsão da Administração de Informação de Energia divulgado na terça-feira.

Fontes do mercado, citando números do American Petroleum Institute, disseram que os estoques de petróleo bruto dos EUA aumentaram em 509 mil barris na semana encerrada em 3 de maio. Eles acrescentaram que os estoques de gasolina e destilados também subiram.

Analistas do ING disseram em um relatório: “Os números do American Petroleum Institute divulgados durante a noite foram um tanto pessimistas devido ao aumento nos estoques de petróleo bruto e de produtos… As preocupações sobre a demanda mais fraca do que o normal por gasolina nos Estados Unidos e este aumento nos estoques influenciaram a rápida colapso.” Para a gasolina. Nota do cliente.

Os dados oficiais do governo dos EUA sobre os estoques estão programados para serem divulgados às 17h30, horário da Arábia Saudita. Analistas consultados pela Reuters esperam que os estoques de petróleo bruto dos EUA diminuam em cerca de 1,1 milhão de barris na semana passada.

As expectativas duvidosas sobre cortes de oferta por parte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e dos seus aliados antes de uma reunião política em 1 de Junho também pesaram sobre os mercados.

“Os preços do petróleo ficaram ainda mais pressionados à medida que aumenta o ruído em torno da política de produção da OPEP+”, disseram analistas do ING. “A expectativa é que os membros estendam suas reduções voluntárias adicionais na oferta para além do segundo trimestre deste ano.”

Entretanto, as esperanças de um cessar-fogo em Gaza também exerceram pressão sobre os preços do petróleo nas últimas sessões, com alguns analistas a afirmarem que o prémio de risco do petróleo caiu paralelamente.

“O declínio nos preços do petróleo desde os ataques retaliatórios entre o Irão e Israel sugere que parte do prémio de risco nos preços diminuiu agora”, disse o economista Bill Withburn da Capital Economics numa nota aos clientes.

Ele acrescentou: “Os preços ainda são apoiados pelos cortes de produção da OPEP+, mas acreditamos que os membros irão aliviar gradualmente esses cortes a partir de julho, empurrando os preços do petróleo para baixo”.

Os Estados Unidos acreditam que as negociações sobre um cessar-fogo em Gaza deverão ser capazes de colmatar as lacunas entre Israel e o Hamas. Uma fonte bem informada disse à Reuters que o diretor da CIA, Bill Burns, viajará a Israel na quarta-feira para conversações com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, e outros altos funcionários.

Alguns analistas esperam que a procura a curto prazo permaneça bem apoiada, limitando as descidas globais dos preços.

“Grande parte da conversa sobre rebaixamentos no desempenho econômico nas últimas semanas é exagerada em nossa opinião, já que as margens ainda são boas o suficiente, o que significa que a demanda asiática pode aumentar quando as mudanças atingirem o pico e diminuirem”, disse Neil Crosby, analista da Sparta Commodities.

READ  Sotreq representará os consumíveis da Robit Drilling no Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *