Relações gerais Vietnã-Brasil no caminho certo: Embaixador

Embaixador do Brasil no Vietnã Marco Varani. — imagem VNA/VNS

Desde que o Vietname e o Brasil estabeleceram as suas relações diplomáticas em 8 de Maio de 1989, os dois lados têm desfrutado de uma expansão vigorosa da parceria bilateral em todas as áreas, desde a política, diplomacia e defesa até à economia, cultura e intercâmbios interpessoais.

Por ocasião do 35º aniversário das relações diplomáticas entre o Vietnã e o Brasil, o Embaixador do Brasil no Vietnã, Marco Varani, falou à Agência de Notícias Vietnamita sobre o desenvolvimento e as perspectivas futuras do relacionamento entre os dois países.

O Vietnã e o Brasil comemoram este ano o 35º aniversário das relações diplomáticas bilaterais. Como avalia o desenvolvimento de uma cooperação abrangente entre os dois países?

O 35º aniversário das relações diplomáticas bilaterais chega em um momento muito auspicioso, enquanto o Brasil e o Vietnã trabalham para fortalecer e aprofundar nossas relações de amizade e cooperação. O Presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu que uma das características definidoras do seu terceiro mandato, que começou no ano passado, será o compromisso renovado do Brasil com a nossa posição tradicional de política externa – uma posição que, tal como a do Vietname, promove a independência e a autonomia. – Confiança e amizade com todas as nações do mundo, a fim de ajudar a construir a paz e a prosperidade globais.

A visita do Primeiro Ministro Pham Minh Minh ao Brasil em setembro passado foi imediatamente seguida pela visita do nosso Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, a Ha Noi em abril deste ano. Esta sequência demonstra o novo impulso que as relações bilaterais estão a ganhar. Em novembro, o primeiro-ministro Pham Minh Chinh deverá retornar ao Brasil, desta vez para participar da Cúpula de Chefes de Governo do G20, para a qual o próprio Presidente Lula o convidou. Além disso, o presidente Lula pretende vir ao Vietnã o mais rápido possível, talvez ainda este ano – se sua agenda lotada permitir, já que realizaremos eleições municipais no Brasil em outubro. No ano passado, o Brasil sediou a nona sessão da nossa tradicional Comissão Mista bilateral de Assuntos Políticos.

Permitam-me sublinhar que a retoma das trocas ao mais alto nível não é um fim em si mesmo: é a base sobre a qual pretendemos alcançar benefícios muito tangíveis para os nossos dois países, seja no comércio, na coordenação política ou em outras áreas. cooperação.

O 35º aniversário das relações diplomáticas entre o Vietnã e o Brasil é um novo marco no desenvolvimento da parceria bilateral. Quais são as principais áreas em que os dois países devem focar para fortalecer as relações bilaterais no futuro?

READ  DP World investe US$ 16,2 milhões para eletrificar o porto brasileiro de Santos

A primeira área em que gostaria de me concentrar é a agricultura. No ano passado, por ocasião da visita do primeiro-ministro vietnamita a Brasília, assinamos um memorando de entendimento sobre agricultura. Com base neste memorando de entendimento, foi desenvolvido um plano de ação que permite o estabelecimento de um mecanismo permanente de consultas técnicas. O objetivo comum é facilitar a abertura de mercados e identificar novas oportunidades de negócios para ambos os países. O vice-ministro da Agricultura do Brasil, Roberto Perosa, visitou Ha Noi em março passado. Estamos trabalhando em estreita colaboração com o MARD (Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural do Vietnã) e esperamos poder anunciar medidas mutuamente benéficas, e esperamos que mercados para novos produtos brasileiros e vietnamitas sejam abertos muito em breve.

A segunda área promissora é a defesa. Também durante a visita do Primeiro-Ministro Chiné a Brasília, assinamos um acordo-quadro bilateral sobre este tema. Os nossos Ministérios da Defesa estão a negociar um plano de acção de três anos e a discutir potenciais áreas de cooperação. Tanto o Brasil como o Vietname estão interessados ​​em diversificar as suas cadeias de abastecimento e desenvolver indústrias locais para produtos de defesa. Acho que teremos muito o que conversar nesta área. Nesse sentido, a Associação Brasileira das Indústrias de Defesa – ABIND estará presente na Vietnam International Defense Expo 2024. A EMBRAER, indústria aeroespacial brasileira que é a terceira maior do mundo, também estará presente na exposição. Como este evento celebrará o 80º aniversário da fundação do Exército Popular Vietnamita, esperamos trazer alguns altos funcionários brasileiros para a exposição.

A terceira área será ciência e tecnologia. A ministra da Ciência e Tecnologia, Luciana Santos, visitou o Vietnã no ano passado. Ela é a presidente do PC do B, o Partido Comunista Brasileiro, que faz parte da coalizão governista do presidente Lula. O PC do B tem um relacionamento político de longa data com o Partido Comunista do Vietnã. Esperamos explorar esta aproximação e a gestão da Ministra Luciana Santos como Chefe da Carteira de Ciência e Tecnologia para fortalecer a cooperação entre Brasil e Vietnã nesta área. Até o final de maio, uma delegação técnica do Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil chegará a Ha Noi para identificar áreas de cooperação de interesse mútuo.

A quarta área que gostaria de destacar é a das energias renováveis. O Brasil e o Vietnã estão fortemente comprometidos com a agenda ambiental e ambos são líderes em nossa região na transição energética. O Brasil tem a matriz energética mais limpa do planeta: 80% da energia que consumimos vem de fontes renováveis, como hídrica, eólica, solar e biomassa. No mês passado, durante a visita do chanceler Mauro Vieira a Ha Noi, a embaixada organizou um simpósio sobre biocombustíveis, chamado Ethanol Talks. O Brasil tem uma experiência muito bem-sucedida em biocombustíveis, experiência que pode ser compartilhada e replicada no Vietnã. As associações privadas do setor de etanol do Brasil, UNICA e APLA, falaram no simpósio e estão prontas para explorar oportunidades com seus homólogos vietnamitas.

READ  Uma nova oportunidade para o setor joalheiro na América Latina

Pessoalmente, vejo um grande potencial de cooperação no domínio do desporto. O Brasil, como todos sabem, tem muito a oferecer nessa área, principalmente no que diz respeito ao futebol, que é a paixão do povo brasileiro e vietnamita. Já que estamos falando de cooperação, permitam-me esclarecer que um acordo-quadro de cooperação técnica bilateral está prestes a ser finalizado; Uma vez assinado este acordo, inúmeras possibilidades se abrirão.

Eu poderia também falar sobre os aspectos culturais e educacionais da nossa amizade e cooperação, mas a resposta seria muito longa. Gostaria apenas de destacar três próximos eventos que a Embaixada do Brasil promoverá este ano: uma exposição da famosa pintora brasileira Marianita Luzzatti; Concerto do famoso pianista brasileiro Cristian Bodo, ao lado da Orquestra Grupo Sun; Apresentamos Diego Figueiredo, o famoso violonista, durante as comemorações do Dia da Independência do Brasil, em setembro próximo.

O Brasil é o maior parceiro comercial do Vietname na América Latina, com o comércio bilateral atingindo mais de 7 mil milhões de dólares em 2023. O que os dois países devem fazer para melhorar ainda mais a sua parceria económica sólida para corresponder ao potencial e aos pontos fortes de ambos os lados?

O Presidente Lula e o Primeiro Ministro Chené discutiram longamente as perspectivas para a nossa relação comercial. Nosso entendimento mútuo é que existe um grande potencial para maior crescimento. Os dois líderes concordaram em trabalhar para aumentar o comércio bilateral para 10 mil milhões de dólares até 2030. A nossa parceria comercial é muito equilibrada: ambos os países vendem quase tanto quanto compram. Não há excedentes significativos para nenhum dos parceiros – por isso é claramente mutuamente benéfico melhorar o fluxo comercial entre os nossos países.

Com esse objetivo em mente, em meados de março, a Embaixada do Brasil e a Agência Brasileira de Promoção Comercial – APEx organizaram uma missão comercial multissetorial a Hà Nội. Empresários brasileiros de diversas áreas, da agricultura à farmacêutica, vieram a Ha Noi, realizaram reuniões com seus homólogos e participaram de um seminário de negócios organizado pela embaixada. Através de iniciativas como estas, pretendemos facilitar as comunicações entre o sector privado e permitir o aumento do volume comercial.

Além disso, o bom relacionamento entre os nossos dois países a nível político e a ausência de qualquer tipo de problemas incômodos ou pendentes nas nossas relações bilaterais é um factor que contribui para o aumento constante do comércio.

READ  Ganhos de câmbio do mercado emergentes são modestos em meio ao aperto do Fed e da China, riscos da Omicron: pesquisa da Reuters

Como o senhor avalia a coordenação entre Vietnã e Brasil nos fóruns multilaterais, especialmente porque o Brasil ocupa a presidência do G20 para 2024?

As políticas externas seguidas pelo Brasil e pelo Vietnã compartilham os mesmos princípios. Ambos estamos empenhados no multilateralismo, na promoção da paz, na resolução pacífica de diferenças e na defesa do direito internacional. À luz deste quadro, acredito que a cooperação entre os dois países em fóruns multilaterais ocorre quase naturalmente. Não é por acaso que o Brasil e o Vietname apoiam mutuamente as nomeações para membros de muitos órgãos multilaterais e trabalham juntos em muitas questões importantes.

O Brasil ocupa a presidência do G20 este ano num contexto muito feliz: a presidência do G20 passou de uma grande economia em desenvolvimento para outra. Primeiro a Indonésia, depois a Índia, agora o Brasil e, em Dezembro, entregaremos o testemunho à África do Sul. Sempre com base no trabalho das presidências anteriores, juntos destacamos as questões que mais importam para o Sul Global, fazendo ouvir a voz – e a situação – dos países em desenvolvimento. O governo brasileiro escolheu três temas para focar a nossa presidência do G20: erradicação da pobreza e da fome; Das Alterações Climáticas; e reforma das instituições multilaterais. A Presidência Brasileira convidou o Vietnã a participar das discussões ao mais alto nível: uma delegação vietnamita já está participando das reuniões de acompanhamento agrícola e nosso Ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, entregou pessoalmente o convite do Presidente Lula ao Primeiro Ministro Pham Minh Chinh. Participar na Cimeira de Chefes de Estado do G20, em Novembro próximo.

Em 2025, o Brasil sediará a cúpula do BRICS e a 30ª sessão da Conferência das Partes. Como signatário da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, o Vietname juntar-se-á às discussões neste fórum mais importante sobre questões ambientais. A cúpula COP 30 está programada para ser realizada na cidade de Belém, no coração da Amazônia brasileira. O Brasil está realmente interessado em coordenar esforços com países que possuem grandes florestas tropicais na Ásia e na África, como o Vietnã. Tal como outros países em desenvolvimento, o Vietname e o Brasil estão interessados ​​em promover melhores fontes de financiamento para a transição energética, a mitigação das alterações climáticas e a adaptação. Somos parceiros naturais também nas discussões ambientais. – Vicente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *