Espanha e Portugal batem recordes de temperatura em abril

A onda de calor incomumente precoce foi impulsionada por uma massa de ar muito quente e seco da África

A Espanha continental e Portugal bateram recordes de temperatura em abril, disseram autoridades na sexta-feira, quando os dois países começaram a murchar em uma onda de calor incomum que aumentou o risco de incêndios florestais.

O Escritório Meteorológico Nacional disse que o mercúrio atingiu 38,8 graus Celsius (101,8 graus Fahrenheit) em um aeroporto na cidade de Córdoba, no sul da Espanha, na quinta-feira, superando o recorde anterior de 38,6 graus Celsius na cidade de Elche, no leste.

Um porta-voz da agência disse à AFP que esses “dados provisórios” ainda precisam ser confirmados, um processo que pode levar vários dias.

No entanto, a temperatura mais alta para toda a Espanha no mês de abril foi registrada em 2013 nas Ilhas Canárias, na costa noroeste da África, quando o mercúrio atingiu 40,2°C.

No vizinho Portugal, as temperaturas na vila central de Mora atingiram os 36,9ºC na quinta-feira, quebrando o recorde de 36ºC registado em abril de 1945 na vila do Pinhão, no nordeste do país, informou a agência meteorológica IPMA.

Enquanto as temperaturas começaram a cair em Portugal na sexta-feira, o calor escaldante continuou em grande parte da Espanha, com a temperatura chegando a 36°C em Córdoba.

A onda de calor incomumente precoce foi impulsionada por uma massa de ar muito quente e seco da África.

As temperaturas escaldantes geraram alertas sobre o risco crescente de incêndios florestais e o agravamento das condições de seca que já levaram alguns agricultores da Espanha a não semear este ano.

O governo espanhol disse que lançaria sua campanha de monitoramento de incêndios florestais na sexta-feira, um mês e meio antes do habitual devido à chegada antecipada de temperaturas escaldantes.

READ  Aston Martin usado no filme de James Bond é agora o 'orgulho e alegria' do homem de Melbourne

Isso incluirá a adição de reforços às equipes locais de combate a incêndios e “monitoramento constante de incêndios florestais” em todo o país, informou o Ministério do Interior em comunicado.

Os incêndios destruíram cerca de 54.000 hectares (133.400 acres) de terra até agora este ano na Espanha, em comparação com pouco mais de 17.000 hectares durante o mesmo período em 2022, de acordo com o Sistema Europeu de Informações sobre Incêndios Florestais.

No ano passado, a Espanha teve seu ano mais quente desde o início dos registros, com dados das Nações Unidas indicando que quase 75% de seu território está em risco de desertificação devido às mudanças climáticas.

Os reservatórios de água estão com metade da capacidade em todo o país e o Sindicato dos Agricultores do Comitê de Agricultura diz que 60% das terras agrícolas estão “sufocando” por falta de chuva.

A Espanha é o maior exportador de azeite do mundo e um dos principais exportadores de frutas e vegetais da Europa.

Especialistas dizem que a mudança climática induzida pelo homem está aumentando a intensidade e a frequência de eventos climáticos extremos, como ondas de calor, secas e incêndios florestais.

mg/ds/imm

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *