Um novo estudo revelou os genes que sustentam o famoso cão de trenó de Balto

  • Por Madeline Halpert
  • BBC News, Nova York

fonte de imagem, Getty Images

legenda da foto,

Uma estátua no Central Park de Nova York homenageia o cão de trenó Balto

Um novo estudo dos restos mumificados de um famoso Husky Siberiano revelou o DNA especial que ajudou o cão de trenó a ganhar fama mundial.

Em 1925, Balto lidera uma equipe de cães de trenó em uma tempestade de neve para entregar remédios que salvam vidas em uma cidade do Alasca.

Seus esforços heróicos são reconhecidos na estátua de um cachorro sentado no Central Park de Nova York.

Mas, ao contrário do que sugere o filme de animação de 1995, Balto, não foi um lobisomem que dificultou tanto.

Ao comparar o DNA do Balto com o de outros cães e mamíferos, os pesquisadores descobriram que os genes mais diversos do Husky Siberiano o ajudaram a sobreviver à jornada cansativa melhor do que seus descendentes.

Eles descobriram que Balto e seus “contemporâneos cães de trenó eram mais geneticamente diversos do que as raças modernas e podem ter carregado variantes que os ajudaram a sobreviver às duras condições do Alasca na década de 1920”.

vídeo explicativo,

Conheça os cães que competem nesta maratona de neve de 3 dias

Os autores do estudo coletaram uma amostra de DNA – fornecida pelo Museu de História Natural de Cleveland, que contém os restos mumificados de Balto – da barriga do cachorro para reconstruir seus genes. Eles também se basearam em um conjunto de dados genéticos de 240 mamíferos e 682 cães e lobos do século 21.

A investigação de seus genes revelou “nenhum ancestral do lobo discernível”, de acordo com os autores do estudo.

De acordo com o estudo, o heróico cão possui outras características que o diferenciam dos modernos Huskies Siberianos e outros cães de trenó de sua época, incluindo sua menor estatura e melhor capacidade de digerir amidos.

Os pesquisadores também acreditam que ele veio de uma raça de huskies sem raça, o que o tornou geneticamente mais saudável e mais adequado ao ambiente hostil do Alasca dos anos 1920.

Balto nasceu em 1919 e foi importado da Sibéria. Seu dono era o criador norueguês americano Leonard Seppala.

Em janeiro de 1925, um surto de uma infecção bacteriana mortal, a difteria, ameaçou a cidade de Nome, no Alasca. Mas o único remédio disponível estava em Anchorage, e o único avião para levá-lo para lá não pegava por causa das temperaturas congelantes.

Foi aí que Balto e sua equipe de cães de trenó entraram, transportando cerca de 20 motoristas – motoristas de trenó – carregando o remédio por 674 milhas (1.084 km) enquanto as temperaturas caíam para -23 F (-31 C).

A notícia da viagem histórica se espalhou rapidamente e Balto foi posteriormente homenageado como personagem de quadrinhos, livros infantis e filmes, bem como em uma estátua no Zoológico Infantil do Central Park.

READ  A Rússia relatou seu primeiro caso de gripe aviária em humanos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *