Um projeto piloto para a integração socioeconômica de populações vulneráveis ​​em movimento implementado sob os auspícios do Comitê Interministerial para a Gestão Integral das Migrações (CIAIMM em espanhol) – World

Segundo dados oficiais divulgados pelo governo do Panamá, entre janeiro e dezembro de 2021, mais de 133.000 pessoas cruzaram irregularmente a fronteira entre Colômbia e Panamá, área geográfica conhecida como Darien Gap. Quase 90.000 dessas pessoas eram haitianas, embora principalmente do Brasil e do Chile, onde a maioria vivia após o devastador terremoto de 2010 que abalou aquela pequena nação insular, matando cerca de 250.000 pessoas e deixando mais de 1,5 milhão de pessoas desabrigadas. Um grande número de crianças desses movimentos mistos nasceu no Brasil ou no Chile e, portanto, possui cidadania brasileira ou chilena.
A movimentação de haitianos pelo continente americano marcou uma nova tendência na mobilidade humana nas Américas no segundo semestre de 2021.
ACNUR/ACNUR – Março de 2022 Aumento da insegurança e deterioração gradual das condições socioeconómicas no seu país de origem e ausência de trabalho ou de alternativas legais à permanência nos países de antiga residência – agravados em particular pela crise económica provocada pelo vírus Covid . -19 uma pandemia que começou na jornada para o norte de dezenas de milhares de pessoas de ascendência haitiana nas Américas. Esses movimentos – de natureza mista – começaram a chegar à fronteira sul do México a partir de março de 2021, criando uma situação sem precedentes tanto para as comunidades anfitriãs quanto para as autoridades mexicanas.
Sua necessidade de proteção, combinada com a impossibilidade de retornar ao seu país de origem e a ausência de alternativas legais para permanecer no México ou transitar pelo México, levou a um aumento acentuado do número de pessoas que buscam asilo perante o Comitê Mexicano de Assistência aos Refugiados. . (Kumar). Em um ano em que o número de requerentes de asilo no México superou todos os números históricos em mais de 131.000 pedidos, o COMAR – com o apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) – registrou mais de 62.804 solicitantes de asilo haitianos, incluindo seus dependentes, em sua maioria de nacionalidade brasileira e chilena.
De acordo com o relatório estatístico anual do ACNUR, em 31 de dezembro de 2021, 4% dos 73.504 refugiados reconhecidos no México eram de nacionalidade haitiana. Da mesma forma, 33% do total de 157.180 solicitantes de refúgio em 31 de dezembro de 2021 eram do Haiti.
De acordo com a última Matriz de Rastreamento de Deslocamentos (DTM) da OIM em 2022 intitulada Classificação da População Haitiana no México, 74% das pessoas consultadas afirmaram que tinham a intenção de permanecer no país. Esses dados, aliados ao percentual de casos negativos de reconhecimento da condição de refugiado, colocam sobre a mesa a necessidade de alternativas legais para a sobrevivência dessas pessoas, tendo em vista que se trata de um grupo populacional que requer atenção especial diante de suas necessidades de proteção .

READ  Jair Bolsonaro diz que o Brasil oferece oportunidades únicas aos investidores globais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.