O Brasil está buscando enfraquecer as metas fiscais que estabeleceu há apenas um ano

O governo do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva está a tentar aliviar as suas metas orçamentais à medida que crescem as preocupações dos investidores sobre o risco de uma queda financeira na maior economia da América Latina.

A administração de esquerda apresentou propostas que diluiriam o seu objectivo anterior de alcançar um excedente primário no próximo ano e em 2026. Será necessária a aprovação do Congresso para avançar.

Os compromissos originais foram assumidos há pouco mais de um ano e serviram de base para as exigências de Brasília de equilibrar a gestão responsável das contas públicas com o aumento dos gastos governamentais.

Mas os ministros pretendem agora simplesmente equilibrar o orçamento do próximo ano, substituindo a meta anterior de as receitas excederem as despesas em 0,5 por cento do PIB.

A previsão para 2026 para o excedente primário – que exclui o pagamento de juros – também deverá ser reduzida de 1% para 0,25% do PIB. Isto atrasará a estabilização dos níveis da dívida pública, de acordo com as expectativas oficiais.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, disse que o déficit é um problema estrutural desde 2015. “O Brasil está crescendo menos por causa disso”, acrescentou. “Nossos esforços são para restaurar a ordem”, disse ele à TV GloboNews nesta segunda-feira.

As lacunas orçamentais já foram um calcanhar de Aquiles para o país sul-americano, com repercussões sobre o endividamento público, a inflação e as taxas de juro.

Muitos analistas já alertaram que os objectivos actuais do défice são irrealistas e provavelmente serão revistos. As regras foram introduzidas como parte de um novo conjunto de regras fiscais destinadas a impulsionar os gastos públicos sob o comando do veterano político Lula, que iniciou o seu terceiro mandato não consecutivo no ano passado.

Mesmo assim, as alterações propostas enviaram uma “mensagem negativa”, disse Luiz Maciel, macroeconomista-chefe para o Brasil da Bahia Asset Management no Rio de Janeiro.

“É mais uma prova de que este governo não está preparado para garantir [stabilisation] Da dívida pública. “Há um consenso no mercado de que o governo é um desperdício.”

O real brasileiro caiu para seu nível mais baixo em relação ao dólar americano em mais de um ano na terça-feira, sendo negociado a 5,27 em relação ao dólar americano.

Os investidores têm manifestado preocupações crescentes sobre a abordagem económica do Brasil sob Lula, a quem foram atribuídos programas anti-pobreza durante o seu mandato anterior, entre 2003 e 2011.

Gráfico de colunas do crescimento do PIB (%), com as projeções do FMI indicando que a economia do Brasil deverá crescer cerca de 2% nos próximos três anos

Alguns vêem sinais de alerta que indicam a possibilidade de uma repetição dos erros que mancharam o período anterior do regime trabalhista, que culminou numa crise financeira que contribuiu para a pior recessão que o país alguma vez viu.

Sergio Valle, economista-chefe da MB Associados, criticou a política fiscal “mal concebida” que depende do aumento de receitas – principalmente através de impostos, que muitas vezes estão sujeitos a factores como o crescimento fora do controlo do governo – em vez de cortar custos.

O quadro lançado há um ano estipula que a despesa pública deve aumentar todos os anos acima da taxa de inflação, num intervalo de 0,6 a 2,5 por cento. A expansão global do orçamento está limitada a 70 por cento dos aumentos nas receitas.

Isto substituiu uma regra anterior e mais rigorosa que restringia o crescimento anual das despesas à taxa de inflação. Os investidores consideraram isto essencial para a estabilidade, mas acabou por ser politicamente impopular.

“O governo terá que fazer algo mais radical para atingir um défice zero, mas a sua popularidade é baixa e eles querem investir e gastar mais”, disse Vale. [arrangement] É uma piora nas taxas de juros de longo prazo, que torna os investimentos mais baratos e prejudica o crescimento.

Na sua tentativa de elevar os padrões de vida após uma década de estagnação, Lula aumentou os pagamentos da segurança social e o salário mínimo, ao mesmo tempo que revelou um importante programa de obras públicas.

Os críticos dizem que isto aumentará o endividamento público, que já era relativamente elevado para uma economia em desenvolvimento, com 75,5% do PIB em Fevereiro.

Os cépticos quanto a uma orientação orçamental frouxa também temem que esta provoque inflação e prejudique a capacidade do banco central de continuar a reduzir as taxas de juro. Lula atacou a política monetária do establishment como um obstáculo ao crescimento.

“O ideal é não mudar a situação”, disse o governador do Banco, Roberto Campos Neto, na segunda-feira [fiscal] Objetivos”.

“Sempre que há uma mudança de governo, isso torna a âncora fiscal menos transparente ou menos credível. . . Portanto, o custo da política monetária torna-se mais elevado.

Roberto Campos Neto
“A situação ideal é não mudar”, disse o governador do Banco Central do Brasil, Roberto Campos Neto. [fiscal] Objetivos © Ton Molina/Noor Photo/Getty Images

A oposição denunciou a medida como prova de irresponsabilidade fiscal, mas analistas dizem que as mudanças passarão pelo Congresso dominado pelos conservadores graças ao maior dinheiro que provavelmente proporcionará aos legisladores.

Gil Castelo Branco, da Contas Abertas, uma organização não governamental que audita as contas públicas, associou as regras mais flexíveis às eleições municipais marcadas para outubro. “Em ano eleitoral, não haverá resistência a mudanças para flexibilizar regras e aumentar gastos”, afirmou.

Alguns investidores permanecem otimistas. Embora o Brasil registe o seu segundo maior défice alguma vez registado em 2023, de 2,1% do PIB, a meta deste ano de eliminar o défice permanece em vigor, graças a uma receita extraordinária. As metas têm tolerância de 0,25% para ambos os lados.

Os ativos domésticos brasileiros continuam atraentes, disse Jared Law, gestor de portfólio da William Blair. Ele acrescentou: “Consideramos Lula um líder prático de esquerda. Continuará a tentar alcançar o equilíbrio na manutenção da economia global[economic] Estabilidade e seus objetivos sociais.

Depois de impressionar os mercados financeiros em 2023, a reputação de Haddad deverá sofrer um golpe, disse Felipe Camargo, economista-chefe para mercados emergentes da Oxford Economics. “O fato de ele não ter conseguido vencer a batalha para manter as metas financeiras para os próximos anos enfraquece sua credibilidade”, disse Camargo.

Reportagem adicional de Isabella Fleishman

READ  Brasil em recessão já que seca e inflação prejudicam economia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *