No Brasil, um grande número de bebês e crianças morrem por Covid-19

O coronavírus já matou cerca de 1.300 crianças no Brasil desde o início da pandemia, apesar das evidências contundentes de que a Covid-19 raramente mata crianças pequenas.

Embora os dados do Ministério da Saúde indiquem que mais de 800 crianças com menos de 9 anos morreram de Covid-19, incluindo cerca de 500 crianças, os especialistas dizem que o número real de mortes é maior porque os casos são subnotificados devido à falta de coronavírus disseminado testando. Wide. De acordo com a BBC, que publicou a história pela primeira vez.

A Dra. Fátima Marinho, da Universidade de São Paulo, uma importante epidemiologista e conselheira sênior da ONG internacional Vital Strategies, estimou que o vírus matou 2.060 crianças com menos de nove anos, incluindo 1.302 bebês. Sua estimativa é baseada no número de mortes em excesso por síndrome respiratória aguda não especificada durante a epidemia.

Marineno disse à BBC que havia um equívoco de que as crianças corriam o risco de contrair Covid-19 depois que ela descobriu que havia dez vezes mais mortes por síndrome respiratória inexplicada no ano passado do que nos anos anteriores.

Marinho acrescentou que durante sua pesquisa viu um aumento nos casos de síndrome inflamatória multissistêmica em crianças brasileiras. A síndrome rara é Condição de saúde séria recentemente identificada Associado ao vírus que causa a infecção por Covid-19. Tende a afetar bebês até seis semanas após contrair o coronavírus.

O Brasil se tornou o segundo país com o segundo maior número de mortes por Covid-19, mais de 361.000 desde o início da pandemia, e é o maior país do mundo depois dos Estados Unidos.

Os Médicos Sem Fronteiras disseram em inglês, na quinta-feira, que a “resposta fracassada do governo” à epidemia causou milhares de mortes que poderiam ter sido evitadas.

READ  “Brasil evitado pelo mundo”: Lula fala sobre conspiração para acabar com a era do “maluco” do Bolsonaro | Brasil

“Mais de um ano após a eclosão da pandemia COVID-19, a resposta falhada no Brasil causou uma catástrofe humanitária”, disse o Dr. Christos Christo, chefe do Médicos Sem Fronteiras, a jornalistas. “Toda semana há um novo recorde sombrio de mortes e feridos – os hospitais estão sobrecarregados, mas ainda não há uma resposta central coordenada”.

Na semana passada, mais de um quarto das mortes por coronavírus no mundo ocorreram no Brasil. Christo disse que espera que a situação piore nas próximas semanas se nada mudar.

Até agora, o presidente de direita Jair Bolsonaro, que se opôs aos bloqueios, realizou grandes eventos em que muitas vezes não usa máscara. Ele recentemente adotou as vacinas como uma solução possível.

Especialistas no Brasil dizem que as baixas taxas de testes de coronavírus, a falta de esforços de rastreamento de contato e a falta de vacinas contribuíram para um aumento nos casos e mortes. Esses fatores também aumentaram o risco de exposição e potencial de morte entre mais bebês e crianças brasileiras.

“A recusa em adaptar medidas de saúde pública baseadas em evidências levou muitas pessoas ao túmulo precocemente. A resposta no Brasil precisa de uma redefinição urgente, científica e bem coordenada para evitar mais mortes evitáveis ​​e a devastação do outrora respeitável brasileiro. . ”Sistema de saúde,” Christo disse em comunicado na quinta-feira.

Siga a NBC Latino no Site de rede social do FacebookE a Twitter E a Instagram.

Reuters Contribuído.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *