Maiores traders de petróleo do mundo pagaram propina no escândalo do Brasil – MPs

RIO DE JANEIRO / São Paulo (Reuters) – Grandes traders globais de petróleo Vitol [VITOLV.UL]Trafigura [TRAFGF.UL] Os promotores disseram na quarta-feira que a Glencore e a Glencore pagaram mais de US$ 30 milhões em propinas a funcionários da estatal brasileira Petrobras, em um esquema que ainda pode estar em andamento.

Vista da sede da estatal brasileira Petrobras no Rio de Janeiro, Brasil, em 5 de dezembro de 2018. REUTERS/Sergio Moraes

Investigadores disseram em entrevista coletiva que altos executivos de empresas globais tinham conhecimento “completo e claro” da corrupção envolvendo a Petróleo Brasileiro SA, mais conhecida como Petrobras. Os investigadores disseram que o suborno ocorreu entre 2011 e 2014.

Os investigadores disseram que os detalhes divulgados eram apenas “a ponta do iceberg”, e a última revelação foram os vínculos internacionais mais fortes anunciados até agora na extensa investigação de “lavagem de carros” focada em corrupção política na Petrobras.

As autoridades disseram que os funcionários da Petrobras ofereceram às tradings preços mais baixos para o petróleo e seus derivados, bem como tanques de armazenamento em mais de 160 operações separadas e, em seguida, dividiram a economia.

E-mails obtidos pela Polícia Federal brasileira mostraram que os envolvidos usavam pseudônimos como Tiger, Flipper ou Mr M e discutiam preços de petróleo ou tanques abaixo do mercado, faturando suas empresas a preços de mercado. As variações podem variar de 10 centavos a um dólar por barril, e o termo técnico para a propina era “delta”.

Os promotores também obtiveram planilhas indicando o comércio de petróleo envolvendo Vitol, Glencore e Trafigura que, segundo eles, representavam os subornos pagos.

“As evidências mostram que havia um esquema em que as empresas investigavam o pagamento de propina a funcionários da Petrobras para obter … taxas mais favoráveis ​​e assinatura frequente de contratos”, disseram os promotores em comunicado.

READ  Governo e Banco do Brasil se unem para ampliar o acesso a Wi-Fi no Brasil

Os subornos foram repassados ​​por contas bancárias nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Suécia, Suíça e Uruguai, entre outros países, levantando dúvidas sobre se esses países abririam investigações.

A polícia brasileira alertou a Interpol, pediu a prisão de um funcionário da Petrobras em Houston, que a empresa disse que já demitiu. O funcionário, Rodrigo García Berkowitz, era um comerciante de petróleo, e os promotores dizem que ele usava o apelido de Batman.

A Petrobras disse que estava cooperando com as autoridades e se considerava vítima de corrupção.

“Somos a parte mais interessada em ver todos os fatos virem à tona”, disse a empresa em comunicado. “Continuaremos a tomar todas as medidas necessárias para obter a indenização adequada pelos danos causados ​​(Petrobras).”

Porta-vozes da Glencore e da Trafigura não quiseram comentar. Um porta-voz da Vitol disse que a empresa “tem uma política de tolerância zero em relação a suborno e corrupção e sempre cooperará totalmente com as autoridades relevantes em qualquer jurisdição em que opere”.

Mais de 130 empresários e políticos foram condenados no caso no Brasil, incluindo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que cumpre pena de 12 anos de prisão.

aumentar a credibilidade

Os últimos desdobramentos ocorreram em um momento em que a Petrobras esperava virar a página da corrupção. Em setembro, a Petrobras liquidou US$ 850 milhões em acusações de corrupção com autoridades brasileiras e norte-americanas.

Separadamente, na quarta-feira, lançou um novo plano de negócios, dizendo que seu objetivo é “aumentar a credibilidade, o orgulho e a reputação da Petrobras”.

O recente capítulo da lavagem de carros pode prejudicar os acordos da Petrobras e sua capacidade de embarcar nos planos de privatização que a equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro quer implementar.

READ  Grã-Bretanha aprova vacina Oxford contra Covid-19 - Saúde

A Petrobras disse há um mês que estava vendendo sua participação de 50% em um projeto nigeriano de exploração de petróleo e gás para um consórcio liderado pela Vitol por US$ 1,53 bilhão, à medida que a estatal de petróleo reduz sua dívida.

O acordo ainda não foi fechado e não está claro como as ações de quarta-feira podem afetá-lo.

Esta não foi a primeira vez que os demandantes recorreram à Trafigura, uma comerciante de commodities com sede em Genebra.

Em março, Mariano Marcondes Ferraz, ex-presidente da Trafigura, foi considerado culpado de subornar um executivo da Petrobras em nome de sua própria empresa, a Decal do Brasil. Ele foi condenado a mais de 10 anos de prisão.

Os promotores disseram que Ferraz também estava envolvido no esquema revelado na quarta-feira.

Os promotores suíços também têm uma investigação aberta, que foi anunciada um mês depois que Ferraz foi preso no Brasil em 2016. A Procuradoria-Geral da Suíça iniciou uma investigação criminal sobre um funcionário da Trafigura como parte de uma investigação mais ampla sobre suspeita de corrupção na Petrobras. O funcionário não foi identificado.

Reportagem adicional de Pedro Fonseca no Rio de Janeiro e Marcelo Rochabon em São Paulo; Reportagem adicional de Julia Payne em Londres e Brad Brooks e Tatiana Bautzer em São Paulo. Edição por Jonathan Otis e Grant McCall

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.