Grupos indígenas brasileiros se reúnem para defender o direito à terra

Cantos indígenas ecoaram pela capital brasileira na última semana e meia.

Cerca de 850 membros de cerca de quarenta tribos indígenas brasileiras vivem em acampamentos em Brasília, a uma curta distância do Congresso e de fileiras de prédios do governo, para lutar pelos direitos à terra indígena atualmente em consideração nos tribunais brasileiros e no Congresso.

Em Brasília, o representante dos indígenas garotas junya Ela luta contra um projeto de lei conhecido como PL 490 que, se aprovado, enfraqueceria os direitos dos povos indígenas à terra e abriria as portas para as indústrias extrativas.

Na terça-feira, a polícia disparou gás lacrimogêneo, bombas sonoras e balas de borracha contra centenas de manifestantes indígenas, enquanto a Comissão de Justiça e Constituição deveria votar a legislação. Uma votação anterior do projeto foi adiada na semana passada em meio a protestos.

Aliados do presidente brasileiro Jair Bolsonaro querem que o polêmico projeto de lei seja aprovado no Congresso.

“Queremos enterrar essa lei”, disse Edinho Makoxi, um líder indígena do estado de Roraima, fora do Congresso. “Não vamos sair de Brasília derrotados.”

Os manifestantes bloquearam as ruas. prova Em frente ao Ministério das Minas, marcharam rumo à Copa América de futebol.

Relacionado: Corrida do ouro no Brasil ameaça população indígena Yanomami

Tem índios de todo o Brasil aqui. … estamos resistindo e mais nativos estão a caminho ”.

Ricardo Bataxo, líder do Bataxo

“Existem povos indígenas de todo o Brasil aqui”, disse Ricardo Bataxo, um jovem líder bataxo usando uma máscara facial e colar de contas, em um vídeo postado online. “Estamos resistindo e mais indígenas estão a caminho”.

Suas ações foram compartilhadas em Inúmeros vídeos via mídia social.

READ  Brasil: Caminhoneiros Pró-Bolsonaro acabam com bloqueio | notícias | DW

Esta é a mobilização mais ativa dos povos indígenas no Brasil desde o início da epidemia e foi organizada pelas maiores organizações indígenas do país, incluindo a Rede Brasileira de Povos Indígenas, APIB.

Relacionado: Torneio de futebol da Copa América no Brasil gera protesto

em um Vídeo Grupos no terreno a enviaram para o The World, e fileiras de homens indígenas em braçadeiras e cocares cobertos de penas ecoaram atrás de uma cerca de metal. Diante deles, um grupo de policiais bloqueou a entrada fechada do Capitólio.

O momento de fazer ou morrer

Os acampados em Brasília estão lutando em várias frentes.

Manifestantes também prova Diante do Supremo Tribunal Federal, que deve se pronunciar sobre um caso importante neste mês que afeta 23.000 hectares Das terras pertencentes ao povo Xokleng do sul do Brasil.

Os tribunais podem afirmar os direitos das terras indígenas ou abrir um precedente, retirando direitos territoriais que não foram formalmente reconhecidos quando a Constituição brasileira foi aprovada em 1988.

Seria uma tragédia, diz Brasília Pribera, líder do povo Xokleng. Ele conta que há milhares de anos, os Xokleng viviam em todo o sul do Brasil e, hoje, menos de 500 famílias permanecem em suas terras.

Relacionado: Manifestantes em todo o Brasil clamam pela queda de Bolsonaro

“Precisamos que o tribunal reconheça os direitos dos indígenas, porque sempre vivemos nessas terras”.

Brasilio Pribera, líder do Xokleng

“Precisamos que o tribunal reconheça os direitos dos indígenas, porque sempre vivemos nessas terras”, disse.

De muitas maneiras, os indígenas do país que acampam em Brasília veem esse momento como “faça ou morra”.

A constituição do Brasil protege seus direitos e terras, mas Bolsonaro reviveu as políticas e mentalidade deixadas pela ditadura brasileira nas décadas de 1960 e 1970, que acreditava que os povos indígenas do Brasil deveriam ser assimilados à sociedade – ou afastados do caminho de desenvolvimento do país.

Este é o principal tema de sua batalha no Congresso e na suprema corte do Brasil.

Pela primeira vez como presidente, Bolsonaro visitou uma comunidade indígena no final do mês passado na Amazônia Ocidental, onde ponte de pedestres aberta.

“Há pessoas que os tratam como se eles precisassem se esconder em suas reservas”, Diga ao Bolsonaro as câmeras. “Eles não querem que eles se desenvolvam. Eles não querem que eles cultivem e explorem suas terras, para minerar, para construir pequenas barragens para energia hidrelétrica.”

Alguns povos indígenas do Brasil podem gostar.

Mas não aqueles que lutam pela sobrevivência em Brasília.

“Terra para nós é como nossa mãe”

Na semana passada, centenas de acampamentos em Brasília se manifestaram fora da Funay, Brasil Escritório de Assuntos IndígenasEle exigiu a demissão do diretor Marcelo Xavier. Em uma carta aberta, disseram que ele estava negociando suas vidas pelos interesses do agronegócio e da mineração ilegal.

A polícia respondeu com spray de pimenta e bombas de gás lacrimogêneo.

Ativista indígena Sonia Guajara filmado Cena e compartilhe no Twitter.

“É assim que a Funai recebe os índios”, disse ela.

A ocupação em Brasília deve se estender pelo menos até o final do mês, quando o Supremo Tribunal Federal deve emitir sua decisão.

Os povos indígenas sabem que, mesmo que ganhem na Justiça e também derrotem o projeto de lei no Congresso, isso não encerra sua batalha contínua pela defesa de seus direitos, de suas terras e do futuro de seu povo.

“Não queremos que você venda ou destrua esta terra”, disse Pribera com a voz trêmula enquanto lutava contra as lágrimas.

“A terra para nós é como nossa mãe. Você não a troca ou vende. Portanto, é emocionante estarmos todos aqui juntos, unidos. Não é apenas para nós, é para o mundo.”

Brasilio Pribera, líder do Xokleng

“A terra para nós é como nossa mãe. Você não a troca ou vende. Portanto, é emocionante estarmos todos aqui juntos, unidos. Não é apenas para nós, é para o mundo.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *