Finlândia decidirá se vai aderir à OTAN nas próximas semanas, não meses

ESTOCOLMO/HELSINQUE (Reuters) – A Finlândia tomará uma decisão sobre se candidatar a ingressar na Otan liderada pelos Estados Unidos nas próximas semanas, disse a primeira-ministra Sanna Marin nesta quarta-feira, destacando uma mudança nas visões de segurança desde a invasão russa. Ucrânia.

A Finlândia, outro país nórdico, e a Suécia são parceiros próximos da OTAN, mas deixaram de aderir à aliança de 30 membros, criada em 1949 para enfrentar a União Soviética durante a Guerra Fria.

“Temos que estar prontos para todos os tipos de negócios da Rússia”, disse Marin a repórteres em uma coletiva de imprensa conjunta em Estocolmo com seu colega sueco.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Ela disse que a opção de ingressar na Otan deve ser cuidadosamente analisada, mas que tudo mudou quando as forças russas invadiram a Ucrânia no final de fevereiro.

“A diferença entre ser parceiro e ser membro é muito clara e continuará assim. Não há outra maneira de obter garantias de segurança, exceto sob dissuasão da OTAN e defesa comum, conforme garantido pelo Artigo 5 da OTAN”, disse ela.

“Não vou dar nenhum tipo de cronograma quando tomarmos nossas decisões, mas acho que isso acontecerá muito rapidamente – em questão de semanas, não em questão de meses”, disse Marin, cujo país corre 1.300 km ( 810 milhas). A fronteira com a Rússia a leste.

Ela disse que é importante chegar a um consenso na Finlândia, que lutou contra os invasores soviéticos durante a Segunda Guerra Mundial e permaneceu militarmente desalinhada desde então, e que os partidos políticos realizarão conversas internas e no parlamento nas próximas semanas.

A opinião pública na Finlândia deu uma guinada drástica em direção à OTAN, com a última pesquisa da emissora privada MTV mostrando 68% dos entrevistados a favor da adesão, contra apenas 12% contra.

READ  Ucranianos se apegam à siderúrgica Mariupol
A primeira-ministra da Finlândia, Sanna Marin, fala em uma entrevista coletiva com o chanceler alemão Olaf Schulz (não na foto) antes das conversas na chancelaria em Berlim, Alemanha, em 16 de março de 2022. John McDougall/Paul via Reuters

“Sim, eu era contra a adesão à Otan. Mas hoje acho que é uma opção razoável”, disse Phil Bohjonen, diretor de criação de uma empresa de mídia, à Reuters em Helsinque.

“Sim, claro”, disse o estudante Ante Laulaga, “acho que a Rússia mostrou sua verdadeira face, então acho que devemos nos juntar à OTAN”.

Uma atualização no Livro Branco do governo finlandês sobre sua política externa e de segurança, publicado na quarta-feira, disse que a invasão russa mudou profundamente a situação de segurança, mas não fez nenhuma recomendação sobre a adesão à Otan.

A Finlândia e a Suécia, que também estão revisando sua política de segurança com conclusões esperadas até o final de maio, estão participando de exercícios da OTAN e iniciativas de gerenciamento de crises, além de compartilhar informações com a aliança.

Mas até recentemente, os dois vizinhos do norte achavam que era melhor manter a paz não tomando partido abertamente.

A primeira-ministra sueca Magdalena Andersson disse que há prós e contras em ser membro da Otan, embora a principal vantagem seja a segurança do Artigo 5, segundo o qual a aliança considera um ataque a um membro um ataque a todos.

A Suécia era um país neutro durante a Segunda Guerra Mundial e não lutava em uma guerra há mais de 200 anos.

A Rússia advertiu repetidamente os dois países contra a adesão à OTAN. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que se a Finlândia e a Suécia aderirem à Otan, a Rússia terá que “reequilibrar a situação” com suas próprias medidas. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Reportagem adicional de Simon Johnson e Johan Allander em Estocolmo, Anne Kuranen, Issey Leto e Serges Mikosa em Helsinque

READ  Rússia afirma que cessará fogo em 4 cidades ucranianas; Petróleo bruto dos EUA está subindo

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.