Brasil: Desmatamento da Amazônia atinge novo patamar | notícias | DW

Dados preliminares do governo mostraram que a quantidade de terras desmatadas na floresta amazônica brasileira em abril foi quase o dobro do mesmo mês do ano passado, com o desmatamento na região em um nível mensal recorde pela terceira vez este ano.

Cientistas climáticos veem o desmatamento em grande escala nas florestas tropicais como um grande golpe nos esforços para conter o aquecimento global, já que a região absorve grandes quantidades de dióxido de carbono do gás de efeito estufa.

À luz dos recordes já estabelecidos este ano, especialistas alertam que 2022 pode marcar o quarto ano consecutivo de desmatamento no Brasil em uma década.

O que dizem as estatísticas?

O desmatamento na área totalizou 1.012,5 quilômetros quadrados (390 milhas quadradas) nos primeiros 29 dias de abril, segundo dados do Inpe.

Isso é 74% a mais que no mesmo mês de 2021, o recorde anterior. Os números completos do mês de abril estarão disponíveis na próxima semana.

Esta é a primeira vez que o desmatamento ultrapassa 1.000 quilômetros quadrados em um mês na estação chuvosa, que vai de dezembro a abril.

Em janeiro, foram desmatados 430 quilômetros quadrados, mais de quatro vezes o valor do mesmo mês de 2021; Em fevereiro, 199 quilômetros quadrados foram destruídos, 62% a mais do que em 2021.

Em geral, os quatro primeiros meses do ano registraram desmatamento recorde, com 1.954 quilômetros quadrados desmatados. Isso representa um aumento de 69% em relação ao mesmo período de 2021.

Registros de desmatamento na Amazônia nos últimos sete anos são mantidos pelo Inpe.

Por que o desmatamento está aumentando?

As taxas de desmatamento na Amazônia aumentaram desde que o presidente populista de direita Jair Bolsonaro assumiu o cargo em 2019.

READ  COVID-19 / Omicron: Brasil restringe comemorações de Réveillon

Ele enfraqueceu a proteção ambiental na região, argumentando que mais agricultura e mineração na Amazônia ajudariam a reduzir a pobreza na região.

“A razão desse registro é que ele tem nome e sobrenome: Jair Messias Bolsonaro”, disse Marcio Astrini, chefe do grupo Observatório Brasileiro do Clima, em comunicado.

Desmatamento atingiu níveis recordes sob a liderança de Bolsonaro

Os ministérios do Meio Ambiente e da Justiça, por sua vez, afirmaram em nota que o governo está fazendo muito para combater o crime ambiental e combater o desmatamento em cinco estados da Amazônia.

Entre outras coisas, grandes projetos de construção de estradas na Amazônia que Bolsonaro promoveu levam à extração ilegal de madeira ao facilitar o acesso, o que aumenta o valor da terra e facilita atividades econômicas, como a pecuária.

A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e um enorme sumidouro de carbono. Cientistas do clima temem que o desmatamento na floresta amazônica não apenas liberará grandes quantidades de carbono na atmosfera, mas também acabará degradando a floresta em uma savana tropical.

tj/sms (AFP, Associated Press, Reuters)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.