Tecnologia usada para denunciar crimes ambientais no Brasil

Grupos indígenas na região da floresta amazônica do Brasil estão usando cada vez mais a Internet para compartilhar evidências de crimes ambientais.

Esses grupos usam telefones, câmeras de vídeo e mídias sociais para compartilhar informações com o público. Eles querem aumentar a pressão sobre as autoridades para que respondam rapidamente às suas preocupações.

Até agora, Um nativo As comunidades costumam usar o rádio para transmitir seus pedidos de ajuda. Essas chamadas foram compartilhadas com a mídia e o público por grupos de direitos indígenas e ambientais.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro criticou esses grupos sem fins lucrativos. Bolsonaro Suporta racionamento de mineração e a terra Locação Em áreas protegidas indígenas.

Mas vídeos e fotos vindos diretamente da população indígena ganharam atenção. Isso força as autoridades e o público a lidar com o que está acontecendo.

Nara Bari é presidente do Grupo de Coordenação de Organizações Indígenas na Amazônia Brasileira. Ela disse: “Quando usada corretamente, a tecnologia ajuda muito em tempo real assistindo E condenar. “

Internet em diferentes regiões

Comunicação A comunicação não ajuda apenas na divulgação de informações nas mídias sociais. O Ministério Público Federal do Brasil criou um site para registrar e receber denúncias de crimes o upload foi feito materiais ópticos.

No passado, as pessoas em comunidades distantes tinham que fazer uma viagem longa e cara até a cidade mais próxima com um Ministério Público Federal.

A região de Exepaia faz parte da região de floresta tropical conhecida como Tira do Mio. Possui muitas comunidades indígenas e ribeirinhas tradicionais. As conexões de Internet não eram populares até 2020. Foi quando vários grupos sem fins lucrativos, incluindo Health in Harmony e o Instituto Social e Ambiental, financiaram o Edifício 17 antenas Em toda a grande área.

READ  IEA aprofunda cooperação com o Brasil com novo relatório de benchmarking do setor de papel e celulose - Notícias

Marcelo Salazar, Coordenador do Programa Harmonia de Saúde no Brasil. “A internet facilita as coisas nas áreas de saúde, educação e economia florestal”, disse. Ele disse que o combate ao crime ambiental é uma vantagem.

Quatro em cada cinco comunidades Xipaia já estão conectadas a serviços de telecomunicações.

A cerca de 1.300 quilômetros a oeste, no estado de Rondônia, na Amazônia, um serviço de internet permite que os Uru-Eu-Wau-Wau façam aulas de fotografia e vídeo para se cadastrarem Eliminação de Florestas. Uma aula de treinamento de três dias foi realizada em 2020 no Zoom.

Esforço produziu o documentário Região. O filme ganhou prêmios no Festival de Cinema de Sundance deste ano e no Festival Internacional de Documentários de Copenhague, entre outros. Durante sua produção, o diretor americano Alex Pritz usou o WhatsApp para se comunicar com operadores de câmera recém-treinados.

As promessas de Bolsonaro de legalizar a mineração e outras atividades em terras indígenas na Amazônia levaram mais pessoas a irem para essas áreas. Grupos indígenas e ambientalistas estimam que existam 20 mil garimpeiros ilegais no território Yanomami. É uma área do tamanho de Portugal no norte do Brasil.

O governo de Bolsonaro diz que há 3.500 mineiros lá.

Preocupações com a Internet

Alguns temem que grupos indígenas como os Xipaia não sejam os únicos beneficiados pela maior disponibilidade de Internet na Amazônia. Mineradores ilegais às vezes trabalham com líderes aborígenes locais, comunicando-se secretamente por meio de aplicativos de mensagens.

As informações podem ajudar os mineradores a esconder maquinário pesado ou informá-los sobre as próximas incursões por policiais.

O Estado de Roraima abriga a maior parte do território Yanomami. A AP entrou em contato com um provedor de Internet que oferece WI-FI para uma mina de ouro ilegal por US$ 2.600, mais US$ 690 por mês.

READ  Unidade Brookfield do Canadá entre as empresas de esgoto que buscam IPOs no Brasil

Salazar, da Health in Harmony, descreveu o aumento da disponibilidade da Internet como uma “faca de dois gumes”, qualquer situação que tenha efeitos bons e ruins.

Eu sou John Russel.

Fabiano Maisonnave relatou esta história para a Associated Press. John Russell adaptou-o para aprender inglês.

____________________________________________________________

As palavras desta história

Um nativo -din. Produzido, habitado ou naturalmente presente em uma área

aluguel – Quinto. Usar (algo) por um período de tempo em troca de pagamento

Capataz – Quinto. Assistir (algo), observar, ouvir ou verificar para um propósito especial durante um período de tempo

denunciar – Quinto. denunciar (uma pessoa) à polícia ou outras autoridades sobre atos ilegais ou imorais; Criticar (alguém ou alguém) dura e publicamente

bater o coração – Quinto. Computadores: Para transferir ou copiar (um arquivo, programa, etc.) de um computador ou dispositivo para um computador ou uma rede de computadores maior, geralmente

pneumático – n. : Um dispositivo (como um fio ou haste de metal) que transmite ou recebe sinais de rádio, televisão ou telefone celular

Eliminação de Florestas – n. O ato ou consequência de cortar ou queimar todas as árvores em uma área

WI-FI -n. Uma rede local de sinais de comunicação sem fio que conecta dispositivos a poucos metros um do outro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.