Portugal exclui reparações coloniais, mas não desculpas

Portugal não pretende pagar reparações pelo seu passado colonial, mas não descarta pedir desculpas por algumas ações históricas, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros português na quarta-feira.

“Não haverá nenhum processo ou programa de acção específico destinado a compensar outros países pelo passado colonial português”, disse Paulo Rangel ao Parlamento durante um debate sobre reparações históricas.

“Mas quando for apropriado pedir desculpa, fá-lo-emos, como aconteceu no massacre de Wariamu”, acrescentou. A declaração referia-se a uma aldeia em Moçambique onde cerca de 400 civis foram mortos em 1972 durante a Guerra da Independência.

O ex-primeiro-ministro Antonio Costa descreveu os assassinatos em 2022 como um “ato não provocado” depois que o Estado aceitou a responsabilidade.

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa levantou a questão das reparações em Abril, vários dias antes do 50º aniversário do golpe levado a cabo pelos comandantes do exército que restaurou a democracia e pôs fim a 13 anos de guerras coloniais. Esta mudança abriu caminho para a independência de países como Angola e Moçambique.

Anúncio – Role para continuar

“Somos responsáveis ​​pelo que fizemos lá. Temos que pagar os custos”, disse o presidente.

As suas declarações suscitaram reações contraditórias, com o partido de extrema-direita Chiga a apresentar uma moção no parlamento acusando Rebelo de Sousa de traição. Foi votado na quarta-feira.

“Portugal não tem medo da sua história, por isso lutará sempre pela verdade histórica”, disse Rangel, anunciando a intenção de estabelecer programas universitários de investigação sobre antigas línguas coloniais como o tétum, a língua de Timor-Leste, ou o crioulo cabo-verdiano. .

Anúncio – Role para continuar

Disse: “Estas línguas são um tesouro cultural da nossa história comum. Tiveram uma influência tremenda na língua portuguesa e não houve investigação suficiente sobre elas”.

READ  Emmanuel Macron tem diagnóstico positivo para Covid-19 | Globalismo

Lou/Sr/GV

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *