Mais pesquisas mostraram que os pacientes cirúrgicos enfrentam menos riscos quando os médicos são mulheres

Um novo estudo sugere que as pessoas submetidas a determinados procedimentos cirúrgicos podem estar mais seguras em hospitais onde as mulheres constituem pelo menos um terço da sua equipa cirúrgica, somando-se a um conjunto já crescente de investigação que sugere que as médicas podem alcançar melhores resultados para os pacientes do que os seus pares homens.

o Último estudopublicado quarta-feira no British Journal of Surgery, analisou especificamente a relação entre a diversidade de género nos hospitais e a incidência de complicações graves de saúde pós-operatórias, incluindo morte, em pacientes cirúrgicos canadianos durante os primeiros três meses da sua recuperação.

Os investigadores analisaram 709.899 casos entre 2009 e 2019 em que pessoas foram submetidas a procedimentos de internamento não urgentes, mas importantes, em 88 hospitais diferentes. No geral, descobriram que a doença – geralmente definida em termos médicos como qualquer problema resultante de um procedimento ou tratamento – ocorreu em 14,4% destes pacientes no período de 90 dias imediatamente após a cirurgia.

A probabilidade de morrer ou sofrer complicações pós-operatórias graves nesse período era muito menor em hospitais onde as mulheres representavam mais de 35% dos cirurgiões e anestesistas da equipe. De acordo com o estudo, as probabilidades de doenças graves diminuíram 3% para os pacientes nesses ambientes, em comparação com hospitais que tinham menos mulheres nessas funções.

No geral, o número médio de cirurgiãs e anestesistas no pessoal hospitalar ficou aquém do que os investigadores identificaram como ideal para o sucesso dos pacientes, com apenas 28% por hospital e por ano.

As probabilidades de complicações pós-operatórias graves ou de morte nos meses seguintes à cirurgia foram reduzidas, especialmente para os pacientes que foram submetidos a procedimentos tendo um cirurgião ou anestesista como fornecedor direto, algo que os investigadores sublinharam ser particularmente importante.

“Essas descobertas são importantes para melhorar os resultados dos pacientes e a qualidade do atendimento, através da construção intencional de equipes diversificadas”, escreveram eles.

Este estudo não está sozinho em suas descobertas. No ano passado, outro estudo foi publicado na revista Cirurgia gama Descobriu-se que os pacientes que foram submetidos a procedimentos de emergência ou eletivos entre 2007 e 2019 tinham menos probabilidade de morrer, serem hospitalizados novamente ou sofrerem complicações graves de saúde dentro de um ano após o procedimento se Sendo tratado por uma cirurgiã. Esse estudo examinou mais de um milhão de casos e seus resultados foram consistentes independentemente das características individuais dos pacientes, do tipo de procedimento cirúrgico realizado, de quem era o anestesista ou do hospital em que se encontravam durante a cirurgia.

Os pesquisadores vêm tentando decifrar esse padrão claro há anos. Um grupo é da Escola de Saúde Pública T. H. Chan de Harvard Realizou um estudo Entre 2011 e 2014, que visa abordar a questão de saber se os tratamentos prestados por médicas são mais eficazes para a saúde dos pacientes.

O estudo de Harvard analisou mais de 1 milhão de pacientes, todos beneficiários do Medicaid, que foram hospitalizados por derrames, ataques cardíacos e outras doenças bastante comuns, todos tratados por internistas gerais. Os pacientes que receberam atendimento de uma médica tiveram 4% menos probabilidade de morrer em 30 dias e tiveram um risco 5% menor de serem hospitalizados no mesmo período, em comparação com pacientes que receberam atendimento de médicos do sexo masculino.

Ashish Jha, agora reitor da Escola de Saúde Pública da Universidade Brown e ex-professor de política de saúde e diretor do Harvard Global Health Institute, disse à CBS News quando o estudo foi publicado em 2016 que suas descobertas indicam a necessidade de pesquisas adicionais para descubra o que as médicas estão fazendo para melhorar os resultados de seus pacientes. Os autores do estudo, todos homens, estavam “interessados ​​em compreender melhor porque é que estas diferenças existem, mas ainda não sabemos porquê”, disse ele.

READ  Uma busca no México está definida para encontrar o boto mais ameaçado do mundo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *