Portugal chega à fase final de flexibilização do encerramento e reabertura das fronteiras terrestres com Espanha | Mighty 790 KFGO

Escrito por Sergio Gonçalves

LISBOA (Reuters) – A maior parte de Portugal embarcará na fase final de redução gradual das restrições ao COVID-19 a partir de 1º de maio, e as fronteiras terrestres com a Espanha serão abertas para viagens regulares após um hiato de três meses.

“Isso não significa que o país pode considerar que a situação epidemiológica foi resolvida”, disse o primeiro-ministro Antonio Costa em entrevista coletiva na quinta-feira. “Nada está garantido para o futuro, porque esta é uma luta diária”.

Portugal, com uma população de mais de 10 milhões, impôs um bloqueio rígido em janeiro para enfrentar aquela que era então a pior onda de vírus corona do mundo, que empurrou o sistema de saúde pública à beira do colapso.

As restrições ao bloqueio começaram a ser amenizadas em meados de março, e escolas, restaurantes, cafés, shoppings, museus e outros serviços não essenciais foram reabertos desde então, mas sob regras rígidas para reduzir o risco de infecção.

A partir de sábado, os restaurantes e cafés, que durante algum tempo tiveram que fechar mais cedo, podem mantê-los abertos até às 22h30 e todas as atividades desportivas podem ser retomadas.

Grandes eventos internos e externos também serão permitidos, sujeitos a restrições de capacidade. Casamentos e baptizados podem ocorrer 50%, contra 25% atualmente.

Um total de 270 municípios de 278 municípios de Portugal Continental vão passar à fase final de flexibilização do bloqueio e a partir de agora o governo vai avaliar a situação numa base semanal em vez de quinzenal.

Costa também anunciou que os 1.200 km da fronteira terrestre de Portugal com a Espanha serão reabertos para todas as viagens no sábado, após mais de três meses de restrições e controles de fronteira.

READ  Governo apela à destituição de diretores da Aneel e do ONS | Política

Portugal sofreu 836.033 casos e 16.974 mortes desde o início da epidemia.

(Elaborado por Sergio Gonçalves; Edição de André Khalil, Catarina Demoni e Dan Graibler)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *