Petrobras reduz preço do diesel pela primeira vez em mais de um ano

O logotipo da Petrobras é visto em um tanque na refinaria Petrobras Paulinia em Paulinia, Brasil, em 1 de julho de 2017. REUTERS/Paulo Whitaker/File Photo

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

São Paulo (Reuters) – A estatal brasileira de petróleo Petrobras (PETR4.SA) disse nesta quinta-feira que cortará os preços do diesel refinado em 3,5 por cento a partir de sexta-feira, o primeiro corte no preço do combustível em mais de um ano.

A Petróleo Brasileiro SA (PETR4.SA), como é oficialmente conhecida, disse em comunicado em seu site que os preços do diesel cairão para 5,41 riais (US$ 1,03) por litro dos atuais 5,61 riais de Omã.

A empresa disse que a medida está de acordo com a política de preços dos combustíveis, que vincula os preços domésticos aos preços internacionais, incluindo preços do petróleo e moedas estrangeiras.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“Os preços de referência internacionais se estabeleceram em um nível mais baixo para o diesel”, disse a Petrobras, repetindo as ligações recebidas quando anunciou dois cortes consecutivos no preço da gasolina no mês passado. Consulte Mais informação

O movimento mais recente marca o primeiro corte no preço do diesel pela gigante do petróleo desde maio de 2021 – desde então, mais que dobrou – e leva o combustível ao seu nível mais baixo desde meados de junho.

A Petrobras enfrentou intensa pressão do presidente Jair Bolsonaro e de parlamentares federais para cortar preços em meio ao aumento da inflação e antes das eleições gerais de outubro.

Os caminhoneiros brasileiros, que paralisaram o país com uma greve de 2018, liderada pelo antecessor de Bolsonaro, Michel Temer, são um importante grupo de apoio ao líder de direita.

READ  A subsidiária brasileira 3R Petroleum aprovou um empréstimo de US$ 500 milhões para pagar o campo de petróleo de Buttiguar

(1 dólar = 5,2442 riais)

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Gabriel Araujo; Edição de Isabel Woodford e Marla Dickerson)

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.