Papa determina que leigos católicos batizados, incluindo mulheres, podem liderar juramentos do Vaticano

CIDADE DO VATICANO (Reuters) – O papa Francisco apresentou uma reforma histórica neste sábado que permitirá que qualquer católico devoto, incluindo mulheres, lidere a maioria dos departamentos do Vaticano sob uma nova constituição para a administração central da Santa Sé.

Durante séculos, os departamentos foram chefiados por clérigos masculinos, geralmente cardeais ou bispos, mas isso pode mudar a partir de 5 de junho, quando a nova carta entrar em vigor após mais de nove anos em operação.

A constituição de 54 páginas, chamada Praedicate Evangelium (Pregar o Evangelho), foi promulgada no nono aniversário da instalação do Papa Francisco em 2013 e substitui a constituição promulgada pelo Papa João Paulo II em 1988.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

Seu preâmbulo afirma que “o papa, os bispos e outros ministros nomeados não são os únicos missionários da Igreja”, acrescentando que homens e mulheres leigos “devem ter um papel no governo e responsabilidade” na administração central, conhecida como cúria.

A seção de princípios da constituição afirma que “qualquer indivíduo dos fiéis pode liderar uma religião (Cúria) ou corpo” se o papa determinar que eles são elegíveis e os nomear.

Sob a constituição de 1988, os departamentos – com poucas exceções – deveriam ser chefiados por um cardeal ou bispo e assistidos por um secretário, especialistas e administradores.

A nova constituição não faz distinção entre leigos e leigos, embora especialistas tenham dito que pelo menos dois departamentos – o departamento dos bispos e o departamento do clero – ainda serão chefiados por homens porque apenas homens podem ser padres na Igreja Católica.

Especialistas disseram que o departamento de vida consagrada, responsável pelas ordens monásticas, poderia ser chefiado por uma freira no futuro. Agora é liderado por um cardeal.

READ  É difícil 'subir de nível' quando o número 10 está sempre pressionando todos | Philip Inman

Em entrevista à Reuters em 2018, o papa disse que escolheu uma mulher para chefiar um departamento econômico do Vaticano, mas que ela não poderia aceitar o cargo por motivos pessoais.

O papel da autoridade é “essencial”

A nova constituição disse que o papel dos leigos católicos nas funções de governo da Coréia era “essencial” devido ao seu conhecimento da vida familiar e da “realidade social”.

Francisco também consolidou alguns escritórios, criou um novo escritório para supervisionar os esforços filantrópicos e criou um novo sistema de importância.

A Pontifícia Comissão para a Proteção dos Menores, composta tanto por leigos quanto por vítimas de abuso, parece ter recebido maior influência institucional ao integrá-la ao Departamento Doutrinário, que determina as penas para os padres condenados por agressões sexuais.

Mas Mary Collins da Irlanda, um dos membros originais da comissão, disse no Twitter que isso poderia prejudicar sua independência.

Enquanto o Departamento de Estado mantinha sua posição privilegiada como departamento administrativo, coordenador e diplomático, o prestígio do secular ofício doutrinário era inferior ao departamento de evangelização.

O próprio Papa chefiará o escritório de evangelização, destacando a importância que atribui à difusão e vivificação da fé.

Francisco já havia nomeado vários leigos, entre eles mulheres, para os departamentos do Vaticano.

No ano passado, ele nomeou pela primeira vez uma segunda mulher governadora da Cidade do Vaticano, tornando a irmã Raffaella Petrini a mulher de mais alto escalão no menor estado do mundo.

Também no ano passado, ele nomeou a freira italiana Irmã Alessandra Smirelli para o cargo de secretária interina do Escritório de Desenvolvimento do Vaticano, que lida com questões de justiça e paz.

READ  O número global de mortes da Covid-19 ultrapassou os 3 milhões conforme aumentam os casos

Além disso, Francisco nomeou Nathalie Piccoart, membro francês das Irmãs Missionárias de Xavier, como co-procuradora do Sínodo dos Bispos, que são as principais reuniões dos bispos do mundo que acontecem a cada poucos anos.

(Retorna para corrigir o erro de digitação no oitavo parágrafo)

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Philip Pullella) Edição de Christina Fincher, Jason Neely e Helen Popper

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.