opinião | O Brasil é bom em vacinação. Então, o que deu errado dessa vez?

Quando pressionado por uma explicação, o Ministério da Saúde brasileiro afirmou que os termos do contrato – o mesmo que se aplica a todos os países – eram “ofensivos”. Pfizer, Sr. Bolsonaro reclamou, não vai assumir a responsabilidade “se eu virar Superman, se uma mulher deixar a barba crescer ou um homem começar a falar alto.” Em vez disso, ele continuou seus esforços para desacreditar a vacinação, promovendo uma série de ficção.tratamento precocepara Covid-19.

Bolsonaro até encontrou tempo para se opor a uma proposta feita pela Índia e pela África do Sul à Organização Mundial da Saúde, de suspender temporariamente as restrições de patentes às vacinas contra o coronavírus. É claro que permitir que os países em desenvolvimento – incluindo o Brasil – fabriquem vacinas mais cedo e em uma escala muito maior não adiantou.

Por fim, o governo federal, sob pressão da opinião pública, começou a planejar um programa de vacinação. Mas se concentrou em um fabricante, a AstraZeneca, cujos testes de vacinas terminaram por mais tempo do que outros. Outras dificuldades surgiram mais tarde. Depois que a vacina foi aprovada em janeiro, houve Atraso no envio. O vôo transportando dois milhões de doses da Índia adiado por uma semana.

Bolsonaro também passou meses atacando outra vacina agora disponível no Brasil – CoronaVac, desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac – porque foi apoiada pelo governador de São Paulo, um rival político e potencial candidato na corrida presidencial de 2022. (Até mesmo Sr. . Bolsonaro comemorou Morte de um participante No ensaio CoronaVac, que mais tarde foi considerado não relacionado à vacina.)

Quando a vacina da AstraZeneca não apareceu rapidamente, Bolsonaro teve que recorrer a um estoque de CoronaVac que o governador de São Paulo conseguiu coletar. estava lá sem palavras de agradecimento.

READ  Formulário 8.3 - Scapa Group plc

O Brasil agora está expandindo gradualmente a produção nacional, enquanto mais doses estão a caminho da Índia e da instalação da Covax, um programa global de distribuição de vacinas. Mas tudo acontece em câmera lenta. Dois milhões de doses agora, quatro milhões um mês depois.

A escassez de vacinas pelo menos mascara o fato de que o governo pode não ter garantido injeções suficientes a gestão deles. Realmente, não é de admirar que o tratamento da epidemia pelo governo tenha sido julgado antes Instituto Lowe, um instituto de pesquisa na Austrália, para ser O pior do mundo.

Bolsonaro, por incompetência e malícia, desperdiçou os recursos do país de forma devastadora. Joe Droblet estava certo em ignorá-lo. Se apenas o resto de nós pudesse fazer isso.

O jornal The Times está empenhado em publicar Variedade de letras para o editor. Adoraríamos ouvir sua opinião sobre este ou qualquer um de nossos artigos. Aqui estão alguns Pontas. Aqui está nosso e-mail: [email protected].

Siga a seção de opinião do New York Times sobre Site de rede social do FacebookE a Twitter (@NYTopinion) E a Instagram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *