O ex-presidente brasileiro “Lula” pode se candidatar novamente enquanto os processos são levados ao tribunal

RIO DE JANEIRO – Um juiz do Supremo Tribunal Federal abriu nesta segunda-feira vários processos criminais contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e recuperou seu direito de concorrer à presidência novamente, em uma decisão que provavelmente mudará o futuro político do Brasil.

Lula, o feroz líder de esquerda que liderou o Brasil de 2003 a 2010, foi o favorito na disputa presidencial de 2018, que acabou sendo vencida por Jair Bolsonaro. Mas o Supremo Tribunal Federal, em abril daquele ano, decidiu que o Sr. da Silva não poderia comparecer na cédula em decorrência de sua condenação em um caso de corrupção que foi ajuizado em 2017.

Com seus direitos políticos agora restaurados, espera-se que Silva concorra contra Bolsonaro nas eleições presidenciais do próximo ano.

O incumbente, um líder polarizado de extrema direita que elogia a ditadura militar brasileira, enfrentará um desafio formidável em Lula, amplamente conhecido como “Lula” no Brasil, um ex-prisioneiro político ainda reverenciado entre os brasileiros pobres.

Lula, 75, e vários de seus apoiadores há muito argumentam que os processos criminais contra ele têm motivação política. O Sr. da Silva foi considerado culpado de aceitar um apartamento à beira-mar como parte de um esquema de suborno que incluía contratos governamentais.

Advogados de Lula: “O ex-presidente Lula foi preso injustamente, seus direitos políticos foram retirados sem justificativa e seus bens congelados”. Ele disse em um comunicado.

O Sr. da Silva foi condenado a 12 anos de prisão, mas uma decisão do Supremo Tribunal em novembro de 2019 permitiu-lhe permanecer em liberdade enquanto o seu recurso estava pendente.

O juiz federal responsável pelo caso, Sergio Moro, deixou o pódio logo após Bolsonaro assumir o cargo, ingressando em seu gabinete como ministro da Justiça.

READ  Como funciona o mercado de leite UHT? Parmalat SpA, Solarec, Dairy Partners Americas Brasil Ltda, DMK Deutsches Milchkontor GmbH - KSU

A força-tarefa anticorrupção que investigou Lula, que tinha sede na cidade de Curitiba, no sul do país, foi dissolvida no início deste ano em meio a questões sobre irregularidades éticas e processuais por parte dos promotores.

Na segunda-feira, o juiz do Supremo Tribunal Federal, Edson Fashin, decidiu que Lula nunca deveria ter sido julgado em Curitiba. A decisão, que abrange quatro casos criminais, não absolveu o Sr. Lula. O Ministério Público disse logo após a decisão ser tomada que iria buscar uma decisão do tribunal pleno.

O juiz Fachin disse que o ex-presidente pode enfrentar acusações se promotores na capital, Brasília, decidirem examinar alguns dos casos evacuados. Lula enfrenta três outros casos de corrupção em Brasília, que ainda não foram julgados.

A decisão do juiz de cancelar os processos chocou o establishment político brasileiro, provocou uma sacudida no mercado de ações e desencadeou uma onda de expectativas sobre a corrida presidencial no próximo ano.

“No Brasil, até o passado é incerto!” Ex-presidente Fernando Collor Espantado com o Twitter.

Aliados políticos no exterior celebraram a perspectiva do retorno de Lula, que convenceu muitos líderes de esquerda ao redor do mundo de que os processos contra ele eram uma forma do que ele e seu termo defensivo chamam de “guerra legal”.

“Justiça foi feita!” O presidente da Argentina, Alberto Fernandez Ele disse em um comunicado, Argumentando que os processos contra o Sr. Lula estavam sendo encaminhados “apenas com o objetivo de persegui-lo e excluí-lo da competição política”.

O Sr. da Silva foi o alvo final de uma investigação de corrupção generalizada que começou em 2014 e derrubou o estabelecimento político e empresarial do Brasil por anos.

Moreau, um juiz profissional de 48 anos, tornou-se a figura mais visível na repressão, que muitos brasileiros endossaram com entusiasmo no início, vendo-a como uma forma de combater a cultura endêmica de corrupção do país.

READ  As emissões de combustíveis fósseis correm o risco de exceder os níveis pré-cobertos | Ambiente

Mas a estrela de Morrow diminuiu nos últimos anos, à medida que seus motivos e sua ética foram questionados. Sua decisão de se juntar ao governo de Bolsonaro – com quem ele se desentendeu em abril – foi vista por muitos como uma ameaça à integridade de seu trabalho como juiz.

A defesa de Lula teve um grande impulso em junho de 2019, quando um site de notícias online Intercept Brasil publicou cartas vazadas trocadas entre promotores e Morrow. As cartas mostraram que o Sr. Moreau forneceu aos promotores aconselhamento e orientação estratégica, em violação às regras de conduta do Brasil para juízes.

O Sr. Morrow se recusou a comentar na noite de segunda-feira.

O Sr. Lula, um ex-líder sindical que começou sua carreira política desafiando a ditadura militar que o prenderia, tornou-se o líder mais popular do país desde a restauração da democracia em meados da década de 1980.

Ele governou durante um período em que a economia brasileira prosperava com o aumento dos preços das commodities, um período de boom que Lula usou para tirar milhões da pobreza e expandir o acesso ao ensino superior para comunidades marginalizadas.

Mas escândalos de corrupção assombram seu governo. Vários aliados próximos foram processados ​​por seu papel em esquemas de suborno maciço que revelaram um sistema de suborno corporativo no qual algumas das maiores corporações do Brasil estiveram envolvidas.

Durante a tumultuada presidência de Bolsonaro, os partidos de oposição não conseguiram se reunir em torno de um político que poderia desafiá-lo no próximo ano. Isso provavelmente deixará Lula individualmente qualificado para lançar um retorno enquanto o Brasil se recupera das perdas brutais da pandemia do coronavírus.

READ  O descontentamento aumenta devido à interferência política nas estatais brasileiras

Na segunda-feira, Bolsonaro descreveu a possibilidade de Lula apresentar uma nova candidatura presidencial como desastrosa.

“Acho que o povo brasileiro não vai querer um candidato como ele em 2022 e nem pensemos em sua potencial eleição”, disse o presidente aos jornalistas.

Reportagem de Ernesto Londono no Rio de Janeiro e Letizia Casado em Brasília.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *