O Brasil tem visto o maior número de incêndios em junho na floresta amazônica desde 2007

A fumaça sobe durante um incêndio na floresta amazônica perto de Porto Velho, estado de Rondônia, Brasil, 21 de agosto de 2019. REUTERS / Usley Marcelino

O Brasil registrou o maior número de incêndios na floresta amazônica em 14 anos em junho, dados do governo mostraram na quinta-feira, em meio a temores de que a seca severa em muitas partes da região poderia alimentar incêndios piores em meses. vir.

A Agência Nacional de Pesquisas Espaciais Inpe registrou 2.308 hotspots na Amazônia brasileira em junho, um aumento de 2,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior, quando os incêndios atingiram o maior nível em 13 anos.

Embora o número de incêndios em junho seja apenas uma fração daqueles observados no auge da estação seca em agosto e setembro, os defensores do meio ambiente temem que este seja um sinal do pior.

“Com o número de incêndios já aumentando no início do verão amazônico, quando há uma diminuição natural das chuvas na Amazônia, esse número deve aumentar”, disse o Greenpeace do Brasil em um comunicado.

Cientistas alertam que o tempo seco ao longo do chamado “arco do desmatamento” na Amazônia e nas zonas úmidas do Pantanal pode levar a uma temporada de incêndios ainda pior. As usinas hidrelétricas em todo o país registraram os menores fluxos de água em 91 anos em meio a uma forte seca, de acordo com o Ministério de Minas e Energia. Consulte Mais informação

Os incêndios na Amazônia são predominantemente antrópicos, sendo os incêndios naturais extremamente raros. Geralmente, os madeireiros cortam ilegalmente árvores valiosas e, em seguida, os sequestradores atearam fogo para abrir caminho para o gado. O fogo também pode ser usado como parte da agricultura tradicional.

READ  Bolsonaro confirma que novo pacote de ajuda emergencial está em discussão

O tempo seco aumenta as chances de incêndios ficarem fora de controle.

O presidente Jair Bolsonaro no início desta semana proibiu a maioria dos incêndios ao ar livre no país por 120 dias como precaução e mobilizou militares para proteger a região de incêndios e desmatamento. Consulte Mais informação

Essas medidas políticas repetem os passos dados em 2019 e 2020 que não conseguiram reduzir o desmatamento e os incêndios. Durante todo o ano de 2020, as queimadas na Amazônia atingiram o maior nível em quatro anos, enquanto o desmatamento atingiu a maior alta em 12 anos, segundo o Inpe.

Preparado por Jake Spring Editado por Mark Potter

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *