Novo filme pergunta: O que acontecerá com a estrela muito jovem e bonita quando o filme terminar?

Fotografia de Bjorn Andersen e Luchino Visconti Morte em Veneza.Foto: Mario Torsi

O menino mais lindo do mundo A filmagem começa naquela sala de atuação, no momento em que a vida de Andrésen mudou. Arrancado da cabana de sua avó no interior da Suécia, ele se encontra em Veneza, onde diz que Visconti lhe deu apenas quatro direções: vá, pare, vire e sorria. Após o lançamento do filme, ele mergulhou em um turbilhão de publicidade com estreias em Londres (com a presença da Rainha Elizabeth) e em Cannes, “quando o verdadeiro circo começou”, como ele diz. Ele estava apavorado com a grande quantidade de atenção e o estrelato noturno, chamando-o de “pesadelo vivo”. Nos anos que se seguiram, Andreessen encontrou grande fama no Japão, onde, em um curto espaço de tempo, se tornou o primeiro ídolo ocidental do país, gravando canções pop em japonês e aparecendo em comerciais de doces, seu rosto uma inspiração para uma geração de mangás artistas.

Mas o filme acaba levando seus espectadores a um lugar completamente diferente. Agora na casa dos 60 anos, Andersen vive em uma hipotética miséria em um apartamento apertado em Estocolmo. Com tufos esvoaçantes de cabelos grisalhos e uma barba cobrindo metade de seu rosto como o deus do rock Gandalf, ele parece estar deliberadamente escondendo o fascínio que o tornou uma celebridade mundial. (Em um papel pequeno, mas memorável em solstício de verão Ele esculpiu uma imagem muito diferente de seus esforços juvenis.) O menino mais lindo do mundo É um dos poucos documentários que lidou de forma séria e convincente com a forma como a fama repentina pode destruir a vida de jovens, superando qualquer franquia do estrelato. O aborrecimento de Andersen quando adolescente – seminu na frente de Visconti na sala de elenco, fazendo lobby em Cannes, em aparelhos de TV no Japão – é palpável.

READ  França suspende todos os voos de e para o Brasil por temor do vírus COVID
Bjorn Anderson em 2018Foto: Cortesia de MantarayFilm

Efetivamente entrelaçando o material de arquivo e o presente, o filme tem efeitos surpreendentes ao traçar o caminho notável, mas trágico, de Andersen, repleto de choques e tragédias dentro e fora dos holofotes. Várias experiências ficaram vagas – em um clube gay à beira do rio francês onde as bebidas corriam, em apartamentos em Paris dados por homens misteriosos, no palco no Japão depois que ele deu a ele pílulas não identificadas para acalmá-lo. No entanto, a sugestão é suficiente. O fato de essa história de reificação se concentrar no homem a torna incomum, mas não menos comovente.

Finalmente, testemunhamos o retorno de Andreessen a Veneza nos dias atuais, perseguindo a costa onde uma vez ele girou em Technicolor vestido com um barco e maiô eduardiano. Ainda não está claro quanta mudança real foi para os atores jovens e vulneráveis ​​nas cinco décadas seguintes.

O menino mais lindo do mundo Ele estreou no Festival de Cinema de Sundance e foi adquirido pela Juno Films para distribuição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *