Mato Grosso é foco do Brazil Farm Tour

O Brazil Farmland Tour 2024 está completo. Vou precisar de mais alguns dias para me recuperar porque percorremos muita distância em um curto período de tempo. Os participantes gostaram de todos os aspectos do passeio, mas o foco principal é Mato Grosso. Não existem muitos lugares como este no mundo. Escolhemos esta época do ano em que é possível ver a colheita simultânea da soja seguida do plantio do milho safrinha. Você pode ver os comentários de um de nossos participantes da turnê no Comstock Channel aqui: https://youtu.be/zv6sG8XSyM8si=3MOtNjnjUx1kDDN8

Efeitos da seca

Os danos causados ​​pela seca no início da temporada foram quase imediatamente aparentes em Mato Grosso. Muitos campos pareciam ter metade da altura do ano passado. Sabemos que a valorização não é de forma alguma um grande indicador de retorno, mas isso foi diferente. Muitos dos campos pareciam “assados” e não saudáveis. Especulou-se muito que a safra não seria muito afetada e teria tempo de se recuperar. Embora o nível de impacto varie de região para região, esperamos danos apenas no estado de Mato Grosso no valor de 10 milhões de toneladas métricas. Os agricultores de Mato Grosso estão plantando cedo para tentar dar maiores chances de uma segunda safra de milho. Isto funcionou perfeitamente no ano passado, quando os agricultores alcançaram rendimentos recordes tanto no feijão como no milho.

Os baixos retornos eram evidentes

As devoluções estão por toda parte este ano. Alguns dos campos são maravilhosos. A soja irrigada rende 80 alqueires por acre (BPA)! Enquanto isso, alguns campos estavam tão ruins que foram abandonados. Ouvimos falar de alguns campos que produziram 10 BPA que eles gostariam de ter deixado para trás. Estas não são operações pequenas. Estas são operações que variam de 15.000 a 500.000 acres e estão observando reduções gerais de produção de 25% a 30% em comparação com o ano passado. No ano passado, muitos produtores atingiram 60 bpa. Agora eles não têm certeza se terão em média 40 bpa. Embora tenhamos visto alguns bons campos que podem produzir 55 ou 60 bpa, um rendimento de 10 bpa reduz a média muito rapidamente.

READ  Dois gols de Neymar quebram recorde de Pelé e Brasil vence a Bolívia por 5 a 1 - Esportes

Em alguns casos, parecia que os agricultores estavam a apressar a colheita. Os níveis de umidade estavam em 17% com algum tronco verde. Parece que com a falta de chuva a lavoura não estava crescendo normalmente. Eles estavam com pressa para tentar plantar milho e relutavam em dar mais tempo à fraca colheita de soja. Isso criou problemas de qualidade com os quais eles lidaram mais tarde, como misturar o que é bom e o que é ruim no depósito da fazenda. Claro que nem todo mundo tem depósito na fazenda, então vão ganhar desconto no elevador.

Fazendas de terceira geração no Brasil

Na última fazenda que visitamos, fomos recebidos pela terceira geração de operadores familiares. Um jovem de 24 anos nos fez uma apresentação sobre como seu avô, que estava sentado no fundo e ouvindo, construiu um negócio agrícola com 50.000 acres aráveis ​​(todos próprios). Obviamente, para chegar a 50 mil hectares é preciso começar com 80. Em 1980, ele vendeu 82 hectares no Rio Grande do Sul e comprou 1.000 hectares em Goiás. Eles literalmente carregaram tudo o que tinham em um caminhão de eixo único, incluindo galinhas vivas e sacos de batatas, e levaram tudo até lá pelas estradas de terra. Sete anos depois, ele vendeu e mudou-se para o centro de Mato Grosso, onde com o tempo conseguiu acumular 50 mil hectares. Com uma segunda safra de milho e uma terceira safra de feijão comestível irrigado, eles cultivam 109 mil acres por ano. 50 mil soja, seguida de 50 mil milho e 9 mil feijões comestíveis no eixo central. Através da irrigação, os agricultores de Mato Grosso obtêm uma terceira safra.

READ  Checkout.com levanta $ 1 bilhão na Série D

Usinas de etanol

A principal rodovia BR-163 que atravessa o coração de Mato Grosso tornou-se uma rodovia industrial com cada vez mais armazenamento de grãos e usinas de etanol em ambos os lados. Visitamos a primeira planta de etanol de milho puro com tecnologia americana. Afirmam que o custo de sua produção é inferior ao de fábricas americanas similares, pois o milho, seu principal custo, é o mais barato do mundo. Seu único gargalo é o combustível usado para alimentar a usina. Não há gasoduto de gás natural. Então, eles queimam eucalipto renovável na forma de lascas de madeira e também bambu. Um eucalipto leva seis anos para crescer, enquanto uma planta de bambu precisa de metade desse tempo. Isso lhes confere uma pontuação de carbono muito mais baixa do que as plantas americanas. Eles ainda obtêm uma classificação de carbono mais baixa porque o milho que usam vem de uma segunda cultura “rotativa” e não de uma única cultura primária de milho. O etanol de milho cresce no Brasil, mas pode não crescer tão rapidamente como nos Estados Unidos, onde as plantas precisam de muita biomassa para funcionar. Se você não conseguir biomassa suficiente para abastecer a usina, não deverá construí-la.

De volta à produtividade da soja. Os estados vizinhos de Goiás e Mato Grosso do Sul também foram severamente danificados. O Paraná rebaixou sua produtividade de soja em 2 milhões de toneladas abaixo da CONAB. Vemos a safra de soja do Brasil em 145 milhões de toneladas métricas. Não muito tempo atrás, eu teria dito que isso daria muito aos traders otimistas para ajudar os preços da soja a subir. Mas parece que as notícias fundamentais não são importantes para o mercado neste momento. Os fundos sob gestão absorveram esse montante e não terminaram de reduzi-lo.

READ  A Índia está em negociações bilaterais com o Brasil para resolver a disputa do açúcar na Organização Mundial do Comércio

Matthew Cross é presidente da Comstock Investments. Assine o relatório deles em www.commstock.com.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *