Socialistas em Portugal voltam a liderar sondagens de opinião após escândalo de corrupção – Euractiv

O Partido Socialista Português volta a liderar as sondagens, apenas cinco semanas antes das eleições parlamentares do país, em 10 de Março – tendo recuperado do escândalo de corrupção que abalou o partido em Novembro.

Os socialistas recuperaram do escândalo de corrupção que abalou o partido em 7 de novembro e levou à demissão do primeiro-ministro António Costa, recebendo agora 30% dos votos, contra 25% em 14 de novembro.de acordo com a última previsão “Europe Elects” da Euractiv.

Porém, ainda está longe dos 41% alcançados nas eleições de 2022.

No outro extremo do espectro, o Partido Popular Socialista, de centro-direita, obteve 27%, e o Chega, de extrema-direita, 18%, reunindo-os para 46%.

Embora o líder do Partido Social Democrata, Luis Montenegro, tenha confirmado que não cooperará com a extrema direita, os socialistas estão cautelosos, dada a coligação governamental regional que os dois partidos de direita acordaram em Akures em 2020.

Ele acrescentou: “Sabemos disso sem um acordo [with the far-right] Não há qualquer hipótese de o Partido Social Democrata governar ou liderar um governo em Portugal. Portanto, a vitória do Partido Social Democrata significa instabilidade política em Portugal. Ou existe uma aliança? disse o líder socialista Pedro Nunes Santos a um grupo de jornalistas no dia 31 de fevereiro no Parlamento Europeu.

Não está prevista qualquer cooperação entre socialistas e PSD

No entanto, quando AQuando a Euractiv perguntou se os socialistas estariam abertos a cooperar com o Partido Social Democrata depois das eleições para impedir a chegada da extrema-direita ao governo – como aconteceu em 1983 – Santos sublinhou que isso era “quase impossível” porque seria “mau para democracia.”

READ  Museu Nacional da Imprensa - Porto, Portugal

“O sistema democrático em Portugal precisa de alternativas. Precisa de uma válvula de escape para os políticos e partidos, de centro-direita e de esquerda”, disse Santos, argumentando que um governo central contribuiria para a ascensão de Chiga.

“Também temos uma visão completamente diferente de Portugal, da nossa sociedade e da nossa política. Portanto, é quase impossível”, acrescentou.

A outra opção para os Socialistas é, de acordo com as sondagens actuais, reunir uma maioria ampla, complexa e fragmentada composta por todas as forças de esquerda para atingir os 45%, talvez necessitando também do apoio dos Liberais (IL), onde se espera que cheguem aos 45%. marcar 6 votos. % de votos.

Schmitt e as eleições para a União Europeia

“Temos um belo candidato, um excelente candidato, com competência, experiência e um historial comprovado”, disse Santos quando questionado sobre o principal candidato socialista da UE nas eleições europeias de Junho, o Comissário Nicolas Schmidt.

No entanto, os partidos políticos de Portugal só começarão a preparar as eleições para a UE em Junho depois das eleições de Março. Como disse Santos: “As eleições legislativas são cruciais para a vida do povo português e é nisso que nos concentramos”.

[Edited by Nathalie Weatherald]

Leia mais com Euractiv

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *