Líderes da Finlândia exigem adesão à OTAN ‘sem demora’

Helsinque (AFP) Os líderes da Finlândia disseram na quinta-feira que apoiam uma rápida oferta de adesão à Otan, abrindo caminho para uma expansão histórica da aliança que pode ser um duro golpe para a Rússia em suas lutas militares na guerra na Ucrânia..

O anúncio do presidente Sauli Niinisto e do primeiro-ministro Sanna Marin significa que a Finlândia quase certamente se juntará à Aliança Militar Ocidental, embora ainda haja alguns passos antes do início do processo de inscrição. A vizinha Suécia deve decidir se tornar membro da OTAN nos próximos dias.

A adesão à OTAN aumentará a segurança da Finlândia. “Como membro da Otan, a Finlândia fortalecerá toda a aliança de defesa”, disseram Niinistö e Marin em comunicado conjunto.

“A Finlândia deve solicitar a adesão à OTAN sem demora”, disseram eles. “Esperamos que as medidas nacionais que ainda são necessárias para tomar essa decisão possam ser tomadas rapidamente nos próximos dias”.

A Rússia respondeu ao desenvolvimento com um aviso. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse em comunicado que a adesão da Finlândia à Otan “prejudicará seriamente as relações russo-finlandesas, bem como a estabilidade e a segurança no norte da Europa”.

“A Rússia terá que tomar medidas de retaliação com características técnico-militares e outras para enfrentar ameaças emergentes à sua segurança nacional”, disse o ministério.

“A história determinará por que a Finlândia precisa transformar seu território em um baluarte do confronto militar com a Rússia enquanto perde a independência para tomar suas próprias decisões”, acrescentou.

Antes de o ministério divulgar sua declaração, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que a decisão da Finlândia não ajudaria na estabilidade e segurança na Europa. Peskov disse que a resposta da Rússia dependeria dos movimentos da Otan para expandir sua infraestrutura perto da fronteira russa.

READ  Europa vacila com aumento de vírus infecciosos

A Finlândia tem a fronteira mais longa com a Rússia de todos os 27 membros da União Europeia.

Anteriormente, o Kremlin havia alertado sobre “repercussões militares e políticas” se a Suécia e a Finlândia decidissem aderir à OTAN. Se eles buscarem se juntar à coalizão, haverá um período de transição que durará desde o momento em que os pedidos são apresentados até sua ratificação pelos legisladores em todos os 30 dos atuais estados membros.

miniatura de vídeo do youtube

Na Estônia, membro da OTAN, que também faz fronteira com a Rússia, a primeira-ministra Kaja Kallas twittou: “A história é feita por nossos vizinhos do norte”. Ela prometeu apoio ao “processo de adesão rápida” da Finlândia à OTAN.

A ministra das Relações Exteriores da Suécia, Anne Lind, no Twitter, que o anúncio da Finlândia dá uma “mensagem importante”.

O anúncio da Finlândia veio um dia depois que o primeiro-ministro britânico Boris Johnson visitou a Finlândia e a Suécia assinar um acordo de cooperação militar.

Na quarta-feira, o Reino Unido prometeu ajuda à Suécia e à Finlândia se os dois países escandinavos fossem atacados.

Durante uma coletiva de imprensa conjunta com Johnson em Helsinque nesta semana, Niinistö disse que Moscou só poderia se culpar se seu país de 5,5 milhões de habitantes se tornar membro da Otan.

Você (Rússia) causou isso. “Olhe-se no espelho”, disse o chefe de Estado finlandês na quarta-feira.

Quinta-feira, Niinistö tuitou Ele conversou com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky sobre o firme apoio da Finlândia à Ucrânia e a intenção do país de ingressar na OTAN. Niinistö disse que Zelensky “expressou seu total apoio a ela”.

Em 2017, a Suécia e a Finlândia se juntaram à Força Expedicionária Conjunta liderada pelos britânicos, projetada para ser mais flexível e responder mais rapidamente do que a maior aliança da OTAN. A força usa os padrões e a doutrina da OTAN para poder trabalhar ao lado da Aliança, das Nações Unidas ou de outras alianças multinacionais.

READ  O ex-líder sul-coreano planeja abandonar os cães norte-coreanos Kim

A força está totalmente operacional desde 2018 e realizou vários exercícios de forma independente e em cooperação com a OTAN.

A agressão da Rússia contra a Ucrânia levou a Finlândia e a Suécia a reconsiderar suas tradições de não alinhamento militar E pensando em se juntar à própria OTAN. Logo, a opinião pública nos dois países começou a mudar para a adesão, primeiro na Finlândia e um pouco mais tarde na Suécia, após a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro.

A última pesquisa realizada pela emissora pública finlandesa YLE no início desta semana mostrou que 76% dos finlandeses apoiam a adesão à OTAN, uma mudança significativa em relação aos anos anteriores, quando apenas 20-30% dos entrevistados eram a favor de tal alinhamento militar.

Falando aos legisladores da UE na quinta-feira com Niinistö e Marin fazendo seu anúncio, o ministro das Relações Exteriores da Finlândia, Pekka Haavisto, disse que o comportamento inesperado da Rússia é uma grande preocupação para a Finlândia. Ele observou a prontidão de Moscou para lançar “operações de alto risco” que podem levar a muitas baixas, inclusive entre os russos.

Se a Finlândia se tornar membro da OTAN, isso marcará a maior mudança na política de defesa e segurança nórdica desde a Segunda Guerra Mundial, quando lutou contra a União Soviética.

Durante a Guerra Fria, a Finlândia se afastou da OTAN para evitar provocar a União Soviética, optando por permanecer uma zona neutra neutra entre o Oriente e o Ocidente, mantendo boas relações com Moscou e com os Estados Unidos.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que a aliança militar acolherá a Finlândia e a Suécia – ambas com forças armadas fortes e modernas – de braços abertos e que espera que o processo de adesão seja rápido e tranquilo.

READ  A Delta destruiu as defesas da Austrália e da China. Isso significa o fim da estratégia de Covid zero?

Autoridades da Otan dizem que o processo de adesão da dupla escandinava pode ocorrer “dentro de duas semanas”. A parte mais demorada do procedimento – a ratificação do protocolo do país pelos atuais membros da OTAN – poderia ocorrer em menos tempo do que os quatro meses que a Alemanha Ocidental, Turquia e Grécia levaram para ingressar na década de 1950, quando havia apenas 12 membros ratificar os seus pedidos.

“Estes não são tempos normais”, disse uma autoridade da Otan esta semana, discutindo possíveis aplicações para a Finlândia e a Suécia. O responsável estava a informar os jornalistas sobre o processo de adesão, sob condição de anonimato porque os dois países não apresentaram qualquer pedido.

___

Lorne Cook em Bruxelas e Jan M. Olsen em Copenhague, Dinamarca, contribuíram para este relatório.

___

Acompanhe a cobertura da guerra da AP em https://apnews.com/hub/russia-ukraine

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.