Jair Bolsonaro perde seis ministros enquanto os balões de crise Covid do Brasil

Ex-ministros já emitiram cartas de renúncia ao longo do dia, com o ex-ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva emitindo um comunicado dizendo que “manteve as Forças Armadas como uma instituição do Estado”. Ele será substituído pelo general Braga Neto, ex-ministro do governo.

O ex-procurador-geral André Levy, que se recusou a assinar o processo de Bolsonaro para suspender as ordens de bloqueio emitidas pelos governadores estaduais, também publicou uma carta de renúncia. Ele será substituído por André Mendonça, ex-ministro da Justiça do Brasil, cuja antiga vaga no Ministério da Justiça será ocupada pelo delegado Anderson Torres, amigo da família Bolsonaro.

O ex-chanceler, general Luis Eduardo Ramos, foi nomeado ministro do gabinete. Flavia Arruda, deputada federal, hoje é secretária de Estado.

O ex-chanceler Ernesto Araujo também foi substituído pelo diplomata Carlos Alberto Franca.

Essas mudanças parecem colocar muitos dos generais do Exército perto de Bolsonaro em posições mais estratégicas, após várias outras substituições à frente do governo federal brasileiro neste mês.

Marcelo Quiroga, o quarto ministro da saúde brasileiro desde o início da pandemia, foi empossado discretamente na semana passada, substituindo Eduardo Pazuelo. Um novo comitê de crise da Covid-19, composto por funcionários do estado, também foi formado recentemente para conter o ressurgimento do devastador coronavírus no Brasil.

No sábado, o número de mortes diárias no país ultrapassou 3.000 pelo segundo dia consecutivo e, na quinta-feira, o ministério da saúde do Brasil relatou o número chocante de mais de 100.000 novos casos de Covid-19 em um único dia – o maior do país. desde o início da epidemia.

Até o momento, um total de 312.206 pessoas morreram no país com o vírus, e 1.2534688 foram infectadas, de acordo com dados oficiais.
As críticas ao tratamento da pandemia por Bolsonaro aumentaram nas últimas semanas, à medida que o novo coronavírus P.1 se espalha pelo país, infectando seriamente os jovens.
O presidente ainda precisa dar passos significativos para tentar implementar uma resposta nacional coordenada. Ele deu um discurso transmitido pela televisão ao país na noite de terça-feira, no qual disse que 2021 seria “o ano da vacina” – uma mudança no tom de suas afirmações no ano passado de que uma dose da Pfizer poderia causar o crescimento da barba nas mulheres. Vacina fabricada na China Não valia a pena comprar

Mas os críticos ridicularizaram o discurso de 3 minutos como uma tentativa tímida de salvar as relações públicas em um dia em que o Brasil estabeleceu seu próprio recorde de mortes por coronavírus em um único dia.

READ  6 maneiras divertidas e fabulosas de comemorar o Dia da Galantina em Houston

Bolsonaro se recusou a endossar as medidas de bloqueio, citando a saúde da economia e a liberdade pessoal dos cidadãos. Atualmente, a maioria das restrições às reuniões foram impostas por governos estaduais individuais; Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais estão entre os estados que implementaram o toque de recolher noturno. A Suprema Corte rejeitou uma ação recentemente movida pelo governo Bolsonaro para suspender essas restrições.

Há cada vez mais pedidos para que ele mude de tática. Mais de 500 indivíduos financeiros influentes publicaram no mês passado uma carta aberta pedindo medidas de contenção mais eficientes para que a economia do país possa se recuperar.

Mas Bolsonaro até agora não está disposto a lidar com os desafios de sua abordagem para lidar com o vírus – uma postura ressaltada na segunda-feira por sua seleção de rostos familiares para cargos de alto escalão. Como ele disse na semana passada durante uma celebração oficial do governo sobre educação, “devemos combater o vírus, não o presidente”.

Esta é uma história em evolução e será atualizada.

Matt Rivers e Kaitlyn Ho da CNN contribuíram para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *