Fórum Tributário do Brasil: crescente preocupação com itens comparáveis ​​e ativos intangíveis em TP.

O alinhamento esperado do Brasil com os padrões da OCDE terá um impacto significativo em análises e royalties semelhantes porque o sistema de preços de transferência do país atualmente é baseado em margens fixas, de acordo com gerentes fiscais que falaram na ITRO Fórum Tributário no Brasil, realizado aproximadamente no dia 24 de agosto.

“Uma das preocupações das empresas é entender como isso acontece [OECD guidelines] “Aplica-se ao sistema TP”, disse Gustavo Pagliuso Machado, diretor fiscal da AstraZeneca Pharmaceuticals em São Paulo.

“Essas mudanças são importantes – o orçamento já está pronto e as empresas precisam entender quais podem ser os preços, como preços de importação. Essa é uma grande preocupação para todos nós”, acrescentou.

Kyoji Ishikiriyama, gerente tributário internacional da plataforma de mídia social Facebook em São Paulo, acrescentou que a implementação dos padrões da OCDE não seria apenas uma “questão prática” para as empresas, mas seria uma questão principalmente “operacional”.

hoje, Sistema TP Brasileiro Baseia-se em margens de lucro fixas pré-determinadas e não no princípio da livre proporcionalidade (ALP).

A Receita Federal do Brasil (FRB) não equipara as taxas de transferência cobradas entre empresas e as taxas de transações similares realizadas por partes independentes, mas é baseada em uma taxa fixa estabelecida pela legislação brasileira que não precisa ser analisada para comparação.

Portanto, o TPS da jurisdição difere do de outros países que se alinham aos padrões da OCDE e exigem ALP.

Desde 2007, a OCDE fortaleceu sua cooperação com o Brasil – mas o risco de dupla tributação e potencial perda de receita do governo significa que é necessária mais cooperação entre a FRB e a organização internacional.

READ  Senado brasileiro aprova projeto de lei que prevê igualdade salarial entre homens e mulheres

O projeto conjunto entre o Brasil e a OCDE foi lançado em 2018 para examinar as diferenças entre as abordagens de TP para transações internacionais.

Em janeiro de 2022, o país foi convidado a iniciar o processo de adesão como membro pleno.

Felipe Oliveira, advogado tributarista do Ministério Público do Tesouro Nacional em Brasília, disse que o sistema TPR, em particular, precisa ser reconfigurado.

“Naquela época [2018] Iniciamos esses projetos para cumprir as diretrizes da OCDE – e isso também foi coordenado para analisar internamente o que precisava mudar.”

“Um dos pontos foi o Sistema de Proteção Temporária. Foi assim que surgiram os grupos de trabalho pela primeira vez – cooperação entre a Receita Federal [FRB] e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico”, acrescentou Oliveira.

Ishikiriyama disse estar confiante de que o TPR revisado será concluído nos próximos dois meses, mas a total conformidade com os padrões da OCDE significa que as empresas devem entender como se adaptar às novas regras – e cumprir o ALP.

Escolhendo as comparações certas

Christian Drummond, especialista em TP do Instituto Brasileiro de Organização de Direito Tributário em São Paulo, disse que o movimento em direção à análise comparativa de TP é uma preocupação para os contribuintes.

Isso se deve principalmente à complexidade das diretrizes da OCDE, segundo as quais os contribuintes devem refletir a realidade econômica em vez de uma taxa fixa.

“Teremos que acompanhar um grande número de fatos diferentes que ocorreram em diferentes países. É importante escolher bem essas comparações. Temos orientações e regras muito importantes para nossos auditores dentro das diretrizes.”

“Temos que pensar na confiabilidade dos dados”, acrescentou Drummond.

READ  Mercado de microfinanças por grandes players (Bandhan Financial Services Pvt., Banco do Brasil, WWB Colombia Foundation, Amhara Credit and Saving Institute); Com base na disseminação global do COVID-19 para o ano de 2020

As empresas terão que olhar para comparações regionais e econômicas para fazer ajustes em seu TP, por exemplo. Eles podem ter que assumir alguns riscos de TP que não encontraram antes.

“Os contribuintes precisam começar agora e considerar quais são as novas diretrizes”, disse Drummond.

No Brasil, as regras de proteção temporária não se aplicam à maioria das transações que envolvem pagamento de royalties.

As transações estão sujeitas a “procedimentos especiais em que a capacidade de deduzir despesas de royalties é limitada a porcentagens fixas do faturamento do contribuinte”, de acordo com um perfil de país da OCDE para o Brasil, publicado em fevereiro deste ano.

As leis no Brasil relacionadas à propriedade intelectual geralmente entram em conflito com as regulamentações de outras jurisdições compatíveis com a OCDE. Isso porque as filiais brasileiras só podem transferir e deduzir royalties no exterior até 5% da venda líquida de produtos licenciados.

“Essas regras foram implementadas para combater a evasão fiscal no Brasil. Esses pagamentos feitos pelos associados devem ser incorporados ao TP”, disse Drummond.

A potencial convergência do país com as regras da OCDE significa que o TPS abrangerá todas as transações entre empresas, como ativos intangíveis, que serão mais eficientes contra medidas de evasão fiscal e em linha com o ALP.

É necessário, segundo Drummond, afastar-se do sistema ultrapassado de proteção temporária, apesar de ser um projeto caro do Ministério da Economia e Assuntos Sociais.

Para o Brasil se tornar membro da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, não tem escolha a não ser revisar seu sistema tributário, incluindo o TP.

Não é apenas pressão comercial dos parceiros. Hoje, vemos empresas – corporações multinacionais nos Estados Unidos – focando nessas empresas [TP patterns] “Houve uma mudança na legislação, bem como no sistema tributário”, disse Drummond.

READ  Ministro da Economia brasileiro alerta mundo para estagflação e 'tempos muito difíceis'

“A menos que o Brasil faça essa transição, não poderemos avançar”, acrescentou.

Espera-se que a FRB publique mais informações sobre o sistema de TP do Brasil nas próximas semanas, ao apresentar sua versão final ao Congresso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *