Estudo revela que Portugal transcende todas as categorias ambientais – EURACTIV.com

Portugal ultrapassou os limites de poluição em todas as categorias ambientais, como os gases com efeito de estufa emissões e poluição do ar, De acordo com estudo divulgado nesta quarta-feira (1º de dezembro), disse que as futuras gerações terão que liberar metade da quantidade de seus ancestrais.

Investigadores do Instituto Superior Técnico concluíram que já foram ultrapassados ​​limites em todas as categorias ambientais, como emissões de gases com efeito de estufa, produção de resíduos, poluição da água e do ar, consumo de água doce ou stress nos ecossistemas, que neste caso está dentro de limites, mas apenas porque Portugal Não é autossuficiente em alimentos.

Em comparação com a década de 1990, as gerações novas e futuras têm um limite de emissões de gases de efeito estufa 41% menor do que hoje.

O estudo “Limites ambientais: o impacto intergeracional da utilização dos recursos naturais”, no âmbito do projecto dedicado à justiça intergeracional, foi apresentado ao Fórum para o Futuro da Fundação Gulbenkian de Lisboa, numa sessão online para jornalistas coordenada por Thiago Domingos e Ricardo da Silva Vieira, do Instituto Superior Técnico (IST).), e foi desenvolvido pela Maretec, Centro de Investigação do IST.

Os investigadores calcularam o impacto da utilização dos recursos naturais por diferentes gerações em Portugal, determinaram o legado (ou fardo) deixado pelas gerações futuras e concluíram que o legado das gerações anteriores tem um peso significativo nas alterações climáticas.

O estudo descobriu que as gerações mais velhas têm impactos ambientais per capita significativamente maiores do que as gerações mais jovens, especialmente em termos de poluição da água e estresse nos ecossistemas.

Outra consequência é que todas as gerações, exceto as nascidas a partir de 2000, superaram os limites ecológicos. Os nascidos entre 1940 e 1959 se afastaram da fronteira e produziram a maior parte das emissões de gases de efeito estufa.

No entanto, os autores apontam que as gerações mais velhas, embora com maiores impactos ambientais, foram também as que contribuíram com políticas que ajudaram a desvincular parcialmente os indicadores ambientais do crescimento econômico.

READ  Os remadores Arjun Lal Gat e Arvind Singh deixam de visitar Portugal devido a regras estritas de quarentena - Notícias de esportes, primeira postagem

A introdução de gás natural e energia renovável reduziu a poluição do ar e as emissões de gases de efeito estufa, que também diminuíram com medidas de eficiência energética e transportes menos poluentes. As políticas de recuperação de resíduos também tiveram um impacto no impacto ambiental da eliminação de resíduos.

Ricardo da Silva Vieira explicou que foram analisadas sete categorias de impacto ambiental (identificação dos limites ecológicos em cada categoria) e identificadas seis gerações que abrangem todo o século passado até ao presente.

Ele observou que todas as gerações ultrapassaram os diferentes limites estimados no estudo (com base em dados oficiais e metas do Acordo de Paris para redução das emissões de gases de efeito estufa), exceto para os mais jovens, e todas as gerações têm um ponto alto de impacto ambiental. , que ocorre cada vez mais cedo em cada nova geração.

Há evidências de que “as influências das gerações mais jovens tendem a ser menores”. Porque o efeito de pico para cada geração tem sido cada vez menor e até mesmo os impactos ambientais em nível nacional também estão diminuindo, incluindo as mudanças climáticas.

Domingos acrescentou que, no caso das alterações climáticas, cada ano mais do que podem emitir gases com efeito de estufa.

Ricardo da Silva Vieira já falou do grande desenvolvimento no campo da ecologia, onde agora há mais informação e sensibilização, e onde há muitas opções em relação a tecnologias mais limpas. Isso sem falar nas políticas públicas que mudaram a partir de 2000, que é o elo direto entre o crescimento econômico e o meio ambiente, já que o primeiro não necessariamente tem que gerar impactos ambientais hoje.

“Os padrões de desenvolvimento humano e atividades econômicas resultaram em desafios de sustentabilidade de escala e urgência sem precedentes, como mudanças climáticas e perda de biodiversidade global. Este desenvolvimento preocupante levanta a questão crucial de se as pressões causadas pelo homem estão excedendo os limites ecológicos do planeta, ”Avisa a Fundação Gulbenkian.

READ  As cinco edições que movimentarão o mercado na segunda-feira

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *