Espera-se que o Egito contribua com 1,7% para o crescimento global

da redação
redaçã[email protected]

São Paulo – O A economia egípcia Poderia contribuir com 1,7% para o crescimento econômico global nos próximos cinco anos, de acordo com cálculos da Bloomberg com base em dados divulgados no World Economic Outlook do Fundo Monetário Internacional (FMI). A notícia foi publicada no site de notícias saudita notícias árabes.

Isso coloca o país entre os países que mais contribuirão para a expansão da economia global até 2028. China Estima-se que seja o motor de crescimento mais importante nos próximos cinco anos, com uma quota de 22,6%. Em seguida vêm a Índia e os Estados Unidos, que devem contribuir com 12,9% e 11,3%, respectivamente, de acordo com os cálculos.

De acordo com as previsões do FMI, a economia egípcia pode crescer 3,7% no atual ano fiscal. No início deste mês, a instituição financeira do país rebaixou previsões anteriores de crescimento; em 4%. O relatório do Fundo Monetário Internacional afirma que a inflação no Egito deve atingir 21,6% em 2023, antes de cair para 18% no próximo ano.

A agência de crédito S&P Global reduziu as projeções do Egito para negativas, apesar de manter sua classificação de crédito soberano de longo e curto prazo em moeda estrangeira e local em B/B. Essa medida é atribuída aos riscos de incapacidade do país em estabilizar a taxa de câmbio e atrair entrada de divisas para garantir o financiamento externo.

No final da semana passada, o ministro das Finanças egípcio, Mohamed MoaitEle atribuiu o rebaixamento às pressões externas sobre a economia do país. Maait disse que as repercussões econômicas da guerra na Ucrânia geraram uma inflação sem precedentes no Egito, acrescentando que o governo continua seus esforços. programa de reparação Com o apoio do Fundo Monetário Internacional, será implementado um pacote de medidas fiscais, monetárias e estruturais.

READ  O desmatamento da Amazônia e o acordo comercial entre a União Européia e o Mercosul

Traduzido por Elsio Brasileiro

© Mohamed Elshahed/Agência Anadolu/AFP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *