Encontrando uma casa no Brasil: uma casa do século 19 na costa

Este é um estilo colonial de dois andares uma casa Com pátio e vista para o mar e montanha no centro histórico colonial de Paraty, uma das cidades mais preservadas da Costa Verde do Brasil.

A casa de 6.997 pés quadrados e quatro quartos foi construída entre 1860 e 1870 em um terreno de propriedade de Pedro de Alcantara de Orléans-Bragança, o segundo na linha de sucessão do trono imperial do Brasil. Guilherme McCanci, coproprietário da Anglo Americana Imóveis, que divide o capital com um sócio local, o imóvel F.

O Sr. McCanci disse que, com a autorização do governo, a propriedade foi restaurada na década de 1970 por um antigo proprietário tendo em vista o período colonial português. Para reconstruí-lo, foram utilizadas pedras de rio e tijolos cerâmicos cozidos duas vezes, além de tradicionais ladrilhos coloniais e madeiras nobres da Mata Atlântica brasileira, como peroba rosa, ipê e angico.

Seis varandas em estilo colonial são projetadas com perfurações de ferro forjado e luzes pendentes, e 24 abacaxis de cerâmica e cobre pontuam o exterior da casa. Os impressionantes símbolos geométricos pintados de azul no exterior refletem a tradição Barati de decorar casas em homenagem à grande comunidade de maçons que residiam na área durante a era colonial. Portas curiosas emolduradas, curvas e pontiagudas, da ex-colônia portuguesa de Macau.

“Essa restauração trouxe de volta as características originais do período colonial do Brasil”, disse McCanci. “Todos os artigos de decoração estão inclusos no preço pedido, e todas essas peças foram adquiridas em antiquários e evocam a era colonial brasileira”.

Uma porta da frente pintada de azul claro se abre para a sala de estar com paredes de pedra, tetos de 15 pés e vigas pesadas. A sala tem piso de pedra natural polida no rio local, janelas em arco com muntins ornamentados e venezianas interiores pintadas de azul. Uma grande sala de jantar com janelas altas com vista para o pátio fica à direita, junto com uma cozinha com armários de madeira pintados de vermelho e branco e bancadas de granito preto. Outras salas do rés-do-chão incluem copa, escritório, sala de leitura, sala de costura, ginásio, sauna a vapor, lavandaria e oficina.

Escada em pedra com balaustrada de madeira da sala ao segundo andar. Três quartos têm casas de banho privativas, roupeiros embutidos, varandas com portadas interiores e ar condicionado separado.

READ  Presidente do Fed Powell procura equilibrar a inflação, Ucrânia Riscos: Semana do Meio Ambiente

Grandes portas da sala de estar levam à varanda coberta mobiliada de 1.615 pés quadrados para refeições e relaxamento. A piscina está rodeada por uma pedra São Tomé e uma zona relvada com plantas tropicais.

A casa está inserida num terreno de 0,2 hectares, rodeada por ruas de paralelepípedos denominadas “pés-de-moleque”. O Sr. McCanci disse que o Centro de Paraty está fechado ao tráfego de veículos. A casa fica a uma quadra da costa atlântica e possui um sistema de segurança com oito câmeras.

A cidade costeira de Paraty, com uma população de cerca de 43.000 habitantes, fica a distâncias aproximadamente iguais entre o Rio de Janeiro e São Paulo, cada uma a cerca de quatro horas de distância, e é conhecida pelos turistas como um antigo centro imperial português bem preservado. Situa-se numa zona naturalmente verde na orla do Oceano Atlântico conhecida como Costa Verde. Em 2019, a cidade foi classificada como Patrimônio Mundial da UNESCO devido à sua paisagem natural e cultural. O centro histórico preservou grande parte da arquitetura colonial do século XVIII e início do século XIX.

Paraty é cercada por diversos trechos protegidos da Mata Atlântica, como o Parque Nacional da Serra da Boquena e o Distrito de Proteção Ambiental do Cairocho. Os aeroportos internacionais mais próximos são o Rio de Janeiro Gallio e o Aeroporto Santos Dumont, ambos a cerca de 150 milhas a leste de Paraty, e o Aeroporto de São Paulo Guarulhos, a cerca de 150 milhas a oeste.

Danilo Igliore, economista-chefe da ZAP +, disse que depois de enfrentar graves recessões em 2015 e 2016 que prejudicaram significativamente as vendas de propriedades e a atividade de desenvolvimento, o mercado imobiliário brasileiro iniciou um período de lenta recuperação, que se acelerou durante a pandemia global de coronavírus. Índice FipeZAP, uma das principais fontes de informações imobiliárias no Brasil.

“Mesmo antes da pandemia, começamos a ver uma aceleração na atividade habitacional”, disse Igliore. “Agora, a pandemia teve um grande impacto nos mercados imobiliários do lado positivo.”

De acordo com a FipeZAP, o preço médio dos apartamentos nas 50 cidades brasileiras monitoradas em outubro foi de 7.799 reais por metro quadrado (US $ 129 por pé quadrado), o que representa um aumento de 5,18% ano a ano. De cerca de 2016 até o início da pandemia em março de 2020, o Brasil experimentou um aumento de preços entre 1 por cento e -1 por cento a cada ano.

READ  Rede de laboratórios do bilionário vai arrecadar US $ 590 milhões na licitação

Embora a pandemia tenha estimulado alguns dos mesmos fenômenos vistos em outros países – compradores em busca de propriedades maiores e se mudando do centro da cidade para os subúrbios ou o campo – muito do ímpeto por trás das vendas de casas em meio à pandemia são as taxas de juros historicamente baixas do Brasil, que ele disse que o Sr. Igliore é um ‘Grande Reforçador’.

Como resultado, disse ele, o valor dos empréstimos hipotecários dobrou de setembro de 2019 a setembro de 2021. Agora as taxas de juros estão subindo novamente, e essa manobra, combinada com o aumento da inflação, que elevou os custos da construção e as expectativas negativas dos economistas, pode tire o vento das velas. Mercado imobiliário brasileiro, disse Igliore.

Renata Victorino, sócia-gerente da Bossa Nova Sotheby’s International Realty, disse que os compradores estrangeiros continuam a se beneficiar com a desvalorização da moeda brasileira.

“Com a desvalorização do real em relação ao dólar, comprar um ativo imobiliário no Brasil pode ser muito atraente”, disse ela. É por isso que, junto com a pandemia, “as listagens de luxo aumentaram significativamente e não se espera que caiam”.

Antes da pandemia, cerca de 40 por cento dos compradores de segundas residências em localizações privilegiadas eram estrangeiros, disse Edmund van Wijngaarden, CEO e fundador da Exclusive Realty Brasil. “Depois da pandemia, há apenas cerca de 20% de compradores estrangeiros, mas o volume geral de vendas explodiu à medida que as pessoas procuram se mudar dos centros das cidades lotados para mercados imobiliários litorâneos exclusivos no Brasil”, disse ele.

Wijngaarden disse que uma villa de 5.000 pés quadrados em um terreno de 10.000 pés quadrados em um condomínio fechado em uma cidade litorânea no sul da Bahia pode ser vendida por cerca de US $ 1,5 milhão. Por cerca de US $ 5 milhões, um comprador pode comprar uma villa tropical contemporânea de 8.000 pés quadrados em um terreno de 100.000 pés quadrados com 300 pés de praia privada, disse ele.

Enquanto os estrangeiros visitam grandes cidades como São Paulo e Rio de Janeiro para fins comerciais e tendem a comprar lá, também há grande interesse em áreas turísticas, como as áreas de praia do Rio de Janeiro, que incluem Angra dos Reis, Paraty e Ms. Disse Victorino Búzios.

READ  Projetos brasileiros exclusivos de óleo de baixo carbono podem atrair grandes empresas e aumentar suas vendas oficiais

Segundo ela, compradores internacionais também demonstraram interesse no Nordeste, como Trancoso e sul da Bahia, e em regiões do Sul, como Balneário de Cambori.

Mike Smith, diretor da Brazil Beach House, com sede em Natal, disse que sua empresa estava tendo um “ano feliz” de transações de casas de praia de luxo em todo o Brasil, especialmente nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Rio Grande do Norte.

“Os compradores são 50% brasileiros e 50% internacionais”, disse ele, e os estrangeiros são “franceses, americanos, canadenses, do Oriente Médio, húngaros, chineses, austríacos e suíços”.

O Sr. van Wijngaarden disse que muitos dos compradores estrangeiros têm alguma ligação com o Brasil: “Ou eles estavam ou estavam dirigindo uma operação brasileira para uma empresa internacional e se apaixonaram pelo país, ou eram donos de uma empresa no Brasil, ou eram casado com uma brasileira. “

Smith disse que não há restrições para que estrangeiros comprem imóveis no Brasil, com algumas exceções, como a compra de grandes extensões de terras rurais.

Os tabeliães geralmente processam transações imobiliárias, que podem custar cerca de 3 ou 4% do preço de venda, mas podem variar de estado para estado, disse Izzy Greenberg, diretor internacional da Bossa Nova Sotheby’s.

Cerca de metade dos clientes estrangeiros da Brazil Beach House empregam um advogado brasileiro; Smith disse que as taxas variam de cerca de US $ 2.000 a 5% do valor do negócio. Embora as casas sejam geralmente cotadas em reais, disse ele, “os compradores pagam em moeda estrangeira e o valor é convertido em reais na chegada”.

Greenberg disse que os custos de fechamento variam de 3 a 5 por cento do preço de venda de uma casa, dependendo do estado.

Português; Real brasileiro (1 real = 0,18 dólares)

O Sr. McCanci disse que o imposto anual sobre a propriedade desta casa é de 8.777 riais (US $ 1.560).

Gilherme McCanci, Anglo Americana Real Estate, 011-55-11-3887-4555, angloamericana.com.br

Para atualizações semanais por e-mail sobre notícias de imóveis residenciais, inscreva-se aqui. Siga-nos no Twitter: Tweet incorporar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.