Economia brasileira enfrenta ventos contrários após sua pior desaceleração em décadas

RIO DE JANEIRO – O Brasil evitou sua pior perspectiva econômica em 2020, mas números oficiais divulgados na quarta-feira mostram que a pandemia de COVID-19 continua atingindo o país e diminuindo as perspectivas de recuperação.

O PIB brasileiro contraiu 4,1% em 2020, a maior recessão anual desde o início da série em 1996, segundo o Instituto Brasileiro de Estatística, mais conhecido como IBGE. No entanto, o resultado é melhor do que a projeção do FMI de queda de 5,3% em abril do ano passado.

Mas o país está registrando novamente mais de 1.000 mortes diárias por COVID-19, o que pode causar uma desaceleração econômica ainda maior.

“O agravamento do surto de COVID-19 está lançando uma sombra negra sobre as perspectivas para os próximos meses, pelo menos”, escreveu William Jackson, economista da Capital Economics, em um relatório publicado na quarta-feira. Jackson apontou queda nas vendas no varejo e a possibilidade de endurecimento das medidas para limitar a propagação do vírus.

O número de novos casos de COVID-19 no Brasil continua crescendo, com um novo recorde de 1.641 mortes registradas na terça-feira. O Instituto Fiucrose, estatal, disse na terça-feira que as taxas de ocupação de UTI em 18 estados e no Distrito Federal ultrapassaram 80% – nível considerado crítico.

READ  Cientistas descobriram uma possível nova mutação no vírus Corona no Brasil

Monica DePaul, pesquisadora brasileira sênior do Instituto Peterson de Economia Internacional em Washington, disse que os números do PIB ainda não refletem o impacto total do desastre, incluindo as implicações para vidas perdidas e pessoas com deficiência como resultado do lado de longo prazo efeitos. E os demais custos do sistema de saúde.

Agora que o programa de bem-estar acabou, “muitas coisas estão acontecendo na economia e nada disso é bom, e teremos um ano muito ruim em 2021. Se o governo tivesse feito as coisas de maneira diferente, não não fiz ”, disse de Paul, que fez pós-graduação em imunologia e genética.“ Foi assim. ”Se a saúde pública estivesse em um estado de colapso total, então a economia estaria claramente em um estado de colapso total .

Vários governadores estaduais, cientistas e especialistas em saúde começaram a pressionar para que as restrições sejam reforçadas. O governador de São Paulo, maior economia do Brasil, anunciou nesta quarta-feira que medidas mais rígidas entrarão em vigor neste final de semana.

Bolsonaro se opôs fortemente às medidas tomadas por governadores e prefeitos para conter a atividade, apesar da decisão da Suprema Corte no ano passado de que tais decisões são prerrogativas das autoridades locais.

Dados do IBGE mostraram que o Brasil experimentou forte recuperação na segunda metade de 2020, com crescimento de 7,7% e 3,2% no terceiro e quarto trimestres. Com a ajuda do programa previdenciário do governo, o consumo das famílias impulsionou os resultados nos dois semestres, mas parou no final do ano.

O diretor do Hemisfério Ocidental do Fundo Monetário Internacional, Alejandro Werner, escreveu em relatório no mês passado que a economia brasileira deveria se contrair em 2020 menos do que qualquer outra grande economia da região.

READ  Como a inteligência empresarial ajuda você a enfrentar crises

Quase 14 milhões de pessoas estavam desempregadas no Brasil no final de 2020, o que é uma ligeira melhora em relação ao terceiro trimestre, segundo dados do IBGE. Um grande número deles estava desempregado.

Sob pressão crescente para restaurar pelo menos parte do financiamento de emergência para os brasileiros pobres, o ministro da Economia, Paulo Guedes, alertou esta semana que a economia do Brasil poderia se parecer com a Argentina em seis meses e a Venezuela em um ano e meio se não restringir os gastos.

À medida que a vacinação em massa avança, o economista-chefe da Goldman Sachs para a América Latina, Alberto Ramos, disse em uma nota na quarta-feira que espera que a indústria de serviços no Brasil, que foi atingida de forma particularmente dura, no segundo semestre do próximo ano.

“Em um prazo muito curto, a recente explosão de novos casos virais, a aceleração da inflação e a eliminação de alguns programas generosos de remessas podem aliviar o ímpeto por trás da recuperação dos setores de serviços”, disse ele.

– –

David Piller contribuiu para este relatório da Associated Press.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *