Declarações do aliado de Putin levantam temores de invasão de outro país europeu pela Rússia

Os comentários de Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia e aliado do presidente russo, Vladimir Putin, levantaram preocupações entre alguns nas redes sociais sobre uma possível futura invasão por Moscou de outro país europeu.

Os comentários de Lavrov seguem-se a uma grande reunião na quarta-feira entre “deputados a todos os níveis” na Transnístria, uma região separatista da antiga república soviética da Moldávia. Na reunião, as autoridades pediram formalmente ajuda à Rússia no conflito em curso com a Moldávia, com o principal líder da região a acusar o país de cometer “genocídio” contra o povo da Transnístria.

A Rússia há muito mantém tensões significativas com os estados independentes que outrora controlava como territórios da União Soviética. Após a invasão da Ucrânia em Fevereiro de 2022, surgiram receios renovados de possíveis invasões de outros antigos territórios com o objectivo de os recuperar, sendo a Moldávia vista como um alvo altamente provável para tal plano.

Nos comentários que fez após uma reunião de autoridades na Transnístria, Lavrov, que atua como ministro das Relações Exteriores da Rússia desde 2004, levantou o alarme para muitos quando falou sobre a Moldávia de maneira notavelmente semelhante à que ele e outras autoridades russas fizeram em relação à Ucrânia antes da guerra. invasão, aumentando o receio de que possam estar a preparar um pretexto para o seu próximo ataque. Durante os comentários, que o oficial ucraniano Anton Gerashchenko partilhou anteriormente no Twitter, Lavrov acusou o governo moldavo de tentar expurgar a cultura russa da Transnístria, ligando-a explicitamente ao governo ucraniano em Kiev.

Lavrov Moldávia ameaças
O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, fala em Moscou em 17 de fevereiro de 2022. Os comentários recentes do ministro sobre a Moldávia foram comparados aos usados ​​contra a Ucrânia no período que antecedeu a invasão de 2022.

“O sistema em que ele se estabeleceu [the Moldovan capital of] “Isto segue os passos do regime de Kiev”, disse Lavrov, traduzido por Gerashenko: “Abolir tudo o que é russo, discriminar a língua russa em todas as áreas e também, em cooperação com os ucranianos, organizar uma pressão económica séria sobre a Transnístria. ” “

Semana de notícias Entrei em contato com autoridades moldavas por e-mail no sábado para comentar. Quaisquer respostas recebidas serão adicionadas a esta história em uma atualização posterior.

Em resposta a estes comentários, muitos utilizadores do X salientaram que as implicações de tal retórica semelhante eram claras.

“O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, diz tudo o que disse sobre a Moldávia sobre a Ucrânia pouco antes da invasão russa”, escreveu o usuário X “Jay in Kiev” em um post.

“Sombrio, mas não inesperado”, escreveu o historiador russo Oleksandr Polyanichev em um post no X. “Lavrov ameaça a Moldávia com o destino da Ucrânia e chama o seu governo de 'regime de Chisinau'. Sabemos o que isto significa.”

“Lavrov ameaça a Moldávia. Ele chama o governo deles de 'regime moldavo', que 'segue os passos do regime de Kiev'”, escreveu em um post um blog de notícias militar chamado Albina Vela. “Já ouvimos isso e vemos como é. acabou.”

Um representante do Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse à agência de notícias russa RIA Novosti na quarta-feira que Moscou examinaria “cuidadosamente” o pedido da Transnístria para proteger seus “cidadãos” russos na região.

A Moldávia recebeu o estatuto de candidato à adesão à UE em 2022, com planos de se tornar membro até 2030. O governo russo opôs-se fortemente à adesão e expansão de organizações como a União Europeia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) aos seus vizinhos regionais. Que Putin citou como uma razão adicional para invadir a Ucrânia.

Em Fevereiro de 2023, a presidente da Moldávia, Maia Sandu, acusou o presidente russo de planear um golpe para derrubar o governo do seu país, um cenário que alguns analistas ocidentais alertaram que poderia ser alcançado com a ajuda dos cerca de 1.500 soldados ainda estacionados na Transnístria após a guerra que levou à tornando-se um estado não reconhecido na década de 1990.