Da permuta à cripto: a evolução do dinheiro e Mining City

Ao longo da história, os seres humanos têm dado muita importância aos itens que à primeira vista parecem ter pouco valor. Conchas, moedas e agora criptomoedas têm sido todas utilizadas para comprar coisas. Então, o que é que o futuro nos reserva? 

“O dinheiro não é a coisa mais importante do mundo. O amor é. Felizmente, eu amo o dinheiro.”– Jackie Mason.

O dinheiro pode não nos comprar amor, mas é uma parte integrante das nossas vidas. Tem estado connosco há mais tempo do que podemos imaginar. As culturas primitivas usavam coisas que tinham à mão e trocavam-nas por comida, roupa e serviços. Embora popular, este sistema de troca antecipada limitava o âmbito do comércio. Antes de o conhecerem, as civilizações começaram a utilizar conchas, missangas e outros artigos como unidades monetárias.

No século IV a.C., os romanos tinham começado a utilizar fichas metálicas em todo o império. Em breve, o conceito espalhou-se por todo o mundo. Séculos mais tarde, entre os anos 618 e 907 d.C., o dinheiro em papel apareceu na China. Era mais barato produzir do que moedas de metal, e se todos concordassem com o valor, estas notas” poderiam ser utilizadas para o comércio.

Avançando rapidamente para o Renascimento, quando os bancos em Milão começaram a manter notas meticulosas sobre os seus clientes. Isto significava que as pessoas não precisavam de guardar o dinheiro elas próprias, mas graças a estes bancos podiam guardar, pedir emprestado, emprestar e ganhar juros. Estas mudanças levaram ao desenvolvimento do sistema bancário tal como o conhecemos hoje.

O surgimento do dinheiro de plástico 

Embora o primeiro cartão de crédito tenha sido lançado no final dos anos 50, só no final dos anos 70 é que os cartões “de plástico” e os multibancos se tornaram populares. No final do século, as pessoas podiam utilizar cartões para quase todas as transações.

READ  Brave thrash Portugal para iniciar o Madrid 7s ao mais alto nível: desporto standard

Este sistema facilitava o levantamento de dinheiro nas caixas multibanco ou simplesmente o roubo do cartão nos caixas automáticos, mas também incentivava a compra impulsiva. Com a expansão do comércio electrónico, as compras online tornaram-se imensamente populares, pois era possível fazer compras a partir do conforto da sua casa.

No final dos anos 2000, tudo isto se desmoronou e o mundo entrou numa recessão pela primeira vez após grande depressão dos anos 30. Tudo começou quando os bancos americanos começaram a fazer apostas extremamente arriscadas sobre bens imobiliários. Cada vez mais pessoas recebiam empréstimos para comprar casas caras que estavam muito além das suas possibilidades. E antes que dessem por isso, a bolha imobiliária rebentou nos EUA, deixando centenas de milhares de famílias sem casa e causando um efeito dominó em todo o mundo.

Isto mudou a forma como as pessoas pensavam sobre créditos e empréstimos. Tornaram-se mais conscientes do seu dinheiro e da forma como este era gerido pelas instituições financeiras. Com isto, aperceberam-se de que os indivíduos necessitavam de mais controlo sobre as suas poupanças, fruto do seu trabalho árduo. Não se podia confiar nos bancos, nem nos governos. Havia a necessidade de um sistema descentralizado e transparente que desse poder ao povo.

A ascensão das cripto

Enquanto o mundo atravessava a recessão 2008-2009, alguém, ou um grupo, com o pseudónimo de Satoshi Nakamoto, decidiu que era tempo de mudar.

Em 2008, a Nakamoto publicou o “white paper” para a Bitcoin, que deu ao mundo o seu primeiro dinheiro descentralizado que não era controlado por uma autoridade central.

A criptomoeda em que a Nakamoto estava a trabalhar era auto-suficiente em termos de governação e fornecimento, uma vez que funcionava num “ledger” público transparente, o blockchain.

Este sistema inovador assegurava que os utilizadores tinham o controlo total do seu dinheiro e podiam facilmente localizá-lo no blockchain.

READ  Amanda Nunes sonha com o terceiro cinturão do UFC, não com aposentadoria

Bitcoin (BTC) foi eventualmente lançada em 2009 e apanhou o mundo de surpresa. Nasceu uma moeda que deu poder às pessoas!

Mudança para um sistema monetário não confiável

Incorporada no bloco gênesis da Bitcoin estava uma mensagem baseada num título de jornal que se lia: “The Times 03/Jan/2009 Chanceler à beira do segundo salvamento dos bancos”. Esta mensagem não só comemorava o lançamento do primeiro bloco de criptomoedas do mundo, mas também punha em perspetiva a razão pela qual a Bitcoin tinha sido criada.

Uma vez que as bitcoins e a maioria das criptomoedas em geral não são emitidas ou controladas pelos governos, pode armazená-las você mesmo. Não é necessária conta bancária. E pode ter a certeza de que nenhum sistema bancário tem controlo sobre os fundos.

Seguradas por criptografia, todas as criptomoedas existem numa forma digital num blockchain, ou num “ledger” público, que permite transações independentes e seguras. Além disso, as criptomoedas têm várias características como as moedas fiat tradicionais, incluindo portabilidade, durabilidade, escassez, fungibilidade, divisibilidade e reconhecibilidade.

Baseiam-se em propriedades matemáticas e não na confiança num corpo central ou num suporte físico como o ouro ou a prata.

Uma década após a primeira mineração de bitcoin, existem mais de 8.000 criptomoedas negociadas publicamente. São descentralizadas, transparentes e protegidas pelo blockchain. E com um número crescente de entusiastas em todo o mundo, parece que a procura de criptomoedas vai continuar a crescer.

Como adquirir cripto? 

Existem diferentes formas de adquirir criptomoedas: pode aumentar o seu portfólio através da sua compra, mineração, staking e comercialização (trading).

As criptomoedas podem ser rapidamente compradas e negociadas utilizando plataformas de câmbio, contudo a compra e o armazenamento de criptomoedas em plataformas de câmbio pode não ser considerado o mais seguro. Uma vez comprada a sua própria criptomoeda, pode ser uma boa ideia juntar-se a uma conhecida comunidade de mineração como a Mining City. Este tipo de marcas fornece potência de hash aos indivíduos para minerarem a sua própria criptomoeda.

READ  A Escócia é "mais popular do que Portugal" para férias no Reino Unido com muitas reservas de acomodação

Há muitas oportunidades de fazer parte de um sistema de marketing de rede no mundo das cripto, porque comunidades como a Mining City cuidam bem dos seus cidadãos e farão o seu melhor para se apoiarem mutuamente.

Para juntar-se à Mining City, tudo o que precisa de fazer é comprar um plano de mineração e o resto será feito por si. A Mining City fornece aos seus membros a potência de hash necessária para a mineração. Os seus membros não têm de se preocupar com a compra ou manutenção de equipamento de mineração, nem têm de se preocupar com as contas de electricidade que teriam de pagar se estivessem a minerar por conta própria. As equipas de suporte ao cliente da Mining City estão prontas a responder a todas as questões e a fornecer aos seus membros o suporte requerido.

Por último, mas não menos importante, também se pode adquirir cripto através de staking. Neste caso, e tudo o que precisa de fazer é escolher uma moeda baseada em PoS para fazer staking, descarregar a carteira cripto correspondente, determinar quais são os requisitos mínimos, cumpri-los e começar a fazer staking.

Evolução do valor 

O dinheiro percorreu um longo caminho. Os antigos Sumérios usavam conchas, os Romanos tinham discos de metal e os nossos pais notas de papel. Agora podemos enviar criptomoedas para terras longínquas numa questão de segundos, todas protegidas no blockchain! Mas a base continua a ser semelhante. Faça a sua pesquisa, tenha cuidado e trabalhe apenas com parceiros em quem possa confiar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *