Crítica: Viagem de Pina Bausch ao Brasil é mais do que acolhedora

Pina Bausch, a famosa coreógrafa alemã que morreu em 2009, cresceu vendo seu pai trabalhar em seu café. Nesse lugar, uma espécie de palco, testemunhava-se o povo e seu comportamento, com gestos e emoções – tédio, alegria, tristeza e luxo – exibidos. Ela pode monitorar o que é dito e, tão importante quanto, o que não é dito.

Quando as ambiciosas apresentações de Bausch em dança e teatro cativam, elas também transformam os espectadores em testemunhas, observando a coreografia e o comportamento se misturarem de maneiras surreais, às vezes poderosas ou bem-humoradas. A ideia de lugar é crucial. Algumas de suas obras foram influenciadas por residências nas quais sua companhia, a Tanztheater Wuppertal, passou por uma imersão criativa, como Bamboo Blues (Índia) e Nevis (Turquia).

em “Água” (2001), uma obra que perdeu o brilho com o tempo, esse lugar é o Brasil. O editorial é contundente: Taylor Drury, caminhando para a frente do palco, descasca uma laranja, que ela come com gosto – ofegando e gemendo enquanto engole sua polpa suculenta – enquanto conta uma história sobre a noite em que sofreu uma cãibra na perna. A dor a fez pular da cama. Fui até a janela e vi uma cena comovente: um lindo céu estrelado. Ela diz que pensou consigo mesma: “Obrigada Máquina Eu tive esse espasmo.”

“Água”, estreia nos Estados Unidos no Academia de Música do Brooklyn, não é um trabalho sombrio como muitas das danças anteriores de Bausch; Ele é cheio de malucos. Isso carrega consigo seu próprio tipo de dor porque, vamos encarar, não vivemos em tempos esquisitos. A produção tem mais de duas décadas e mostra.

Ele também contém obsessões estilísticas familiares de Bausch: as mulheres usam o cabelo comprido e solto – é um véu, uma franja extra, mesmo quando desliza e corta o ar. Vestidos justos caem no chão – a menos que estejam usando salto, o que costumam fazer. Ao fundo, durante a maior parte da ação, há um filme de Peter Pabst mostrando palmeiras ao vento, instrumentos de percussão de rua, florestas tropicais, cachoeiras e céu aberto.

READ  Boom pós-crise no setor produtivo brasileiro - diversificado

O efeito de assistir à ação movimentada contra o espetáculo veloz de um filme é impressionante. Às vezes parece que deveríamos nos sentir como se estivéssemos em um barco correndo pela água. Não é uma sensação agradável. Mas ressalta o quanto “Água” tem em comum com o anúncio comercial do conselho de turismo. Sorri com vontade! Ele é brincadeira.

Mas é? Há palmeiras e móveis de sala de estar, o tipo de sofá branco que você pode encontrar espalhado por um bar do resort. ‘Água’, em três horas sinuosas, pode sentir o fim de umas férias de praia que começaram prometedoras, mas duraram um longo dia. Simplesmente não vai acabar. Comecei a notar manchas nos sofás.

A coreografia de Bausch, que muitas vezes reverte para a figura individual, não se desenvolve muito aqui além de desejos e figuras em espiral no chão. As mulheres impressionam mais do que os homens, mas as cenas de sedução, mesmo as bem-humoradas, estragam. Existem elevações irritantes, como quando os homens levantam as mulheres pelas axilas: presas no espaço, as mulheres giram os pés e os braços furiosamente, desesperadas para se libertar. Não envelheceu bem para as mulheres como forma de parceria na dança. Tampouco a sensação de que, às vezes, assistimos a vertiginosos turistas invadirem um país — ignorantes de sua cultura.

Alguns membros da equipe têm uma versatilidade com o material: Julie ShanahanUma companhia veterana, ela entrega monólogos com facilidade enquanto usa o peso e a sedosidade de seu corpo para pontuar suas palavras. “Na verdade”, disse ela, “eu queria fazer algo realmente bonito para você, mas não sei como.”

READ  Peixes Brendan Fraser "Aprendendo a se mover de forma diferente no papel da obesidade" - Prazo

Ela queria queimar o papel para cortar a perna da mesa. (Ela tenta de brincadeira.) “Eu queria enlouquecer”, diz ela. “Mas isso não é possível.”

Seu senso de humor e sua maneira de passar do sério ao diabólico e ao angustiado têm um sabor antiquado de Bausch; Na melhor das hipóteses, esses shows oscilaram habilmente no limite da realidade e da fantasia. Cai Qin Yu, outra dançarina poderosa, se move como o ar, sua delicadeza mascarando seu senso de humor diabólico. Em uma seção, ela pergunta aos membros da platéia da primeira fila onde eles pertencem e, em seguida – usando apenas um sapato – se posiciona no centro do palco e o chuta no ar.

Ele monitora o local onde você pousa e prevê o tempo – nublado na cidade de Nova York, chuvoso em Minnesota. É um jogo bobo, mas o sorriso dela vence. Assim como a música eclética que acompanha “Água”, incluindo seleções de PJ Harvey, Tom Waits, Tiger Lillies, Saint Germain e Amon Tobin.

Os dançarinos vestem seus trajes de banho (os figurinos são de Marion Sito) e carregam toalhas com imagens ousadas de partes de seus corpos – humor de quarta categoria sem inocência – mas pelo menos sugere uma pausa nos frequentes filmes que provocam enjôo. Em um momento, primatas são mostrados subindo e se pendurando em árvores; Uma dançarina segue o exemplo, empoleirada em uma palmeira, seu galho pendendo sobre parte do palco.

Depois, há o elemento água. À medida que o filme transforma seu pano de fundo em cachoeiras jorrando, os dançarinos pegam frascos de água de garrafas de água e borrifam o líquido com a boca um no outro e no palco. Eles montam uma calha improvisada – cada um segurando um pouco dela – e fazem parecer que a água está pingando de uma tela. Mas eles basicamente cospem. Eu queria que o palco se transformasse em uma floresta tropical. Afinal, Bausch era conhecido por fazer tais experimentos, por trazer o exterior para dentro. Não dessa vez.

READ  Tendências emergentes do mercado de robótica recreativa, avanço tecnológico, fatores determinantes e previsão de crescimento até 2030

Mas o que é a Bausch sem a Bosch? O distrito Tanztheater Wuppertal de Pina Bausch viu mudanças na liderança desde que Bausch morreu repentinamente – poucos dias depois de saber que ela tinha câncer. A companhia está agora sob a direção do coreógrafo francês Boris Charmatz, um experimentalista com uma queda pela história da dança. Não acho que ele seja o tipo de coreógrafo influenciado pelo country. Você está interessado em cabelos Charmatz e vestidos longos? É difícil saber como seria seu teatro de Wuppertal. Mas Água prova uma coisa: é hora de arriscar.

Teatro Wuppertal Pina Bausch

“Água” até 19 de março; bam.org.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *