Como as enchentes no Rio Grande do Sul poderão afetar a economia do Brasil?

Autoridades e economistas do governo brasileiro estão avaliando o impacto de enchentes sem precedentes no estado do Rio Grande do Sul, no sul do país.

Fortes chuvas no quarto maior estado do país causaram o transbordamento de rios e o rompimento de barragens, deixando grande parte do Rio Grande do Sul submerso e matando mais de 150 pessoas.

O governo federal monitora diariamente os impactos e anunciou diversas medidas para ajudar na recuperação do estado.

Luis Octavio Leal, economista-chefe da empresa local de gestão de ativos G5 Partners, falou ao BNamericas sobre o impacto do desastre natural na economia brasileira.

Nomes americanos: Quais são suas previsões atuais para o PIB do Brasil em 2024?

noite: Atualmente observo alguns indicadores económicos piores do que o esperado. Acompanhamos diariamente diversos indicadores e desde fevereiro percebemos uma deterioração do cenário. À luz disto, reduzimos recentemente a nossa previsão do PIB para o primeiro trimestre de um crescimento de 0,7% para 0,5%. Enquanto isso, nossa previsão para o ano inteiro continua a crescer 2,1%.

Em nomes da América: As atuais previsões do PIB realmente levam em conta os efeitos das enchentes no Rio Grande do Sul?

noite: A dificuldade de contabilizar todos os efeitos das enchentes no Rio Grande do Sul é que em muitos lugares as águas ainda não baixaram.

No entanto, fizemos duas previsões para tentar medir o impacto económico da situação.

Uma das previsões que fizemos foi calcular o peso de todos os setores agrícolas, industriais e de serviços daquele estado e antecipar o impacto dos dias em que essas atividades pararam devido às enchentes. Este modelo nos deu um impacto negativo de 0,4% no PIB do país neste ano.

READ  Copa América: gol de Paquetá ajuda Brasil a derrotar o Chile e chegar às semifinais

Ao mesmo tempo, adoptámos outro modelo de previsão que procurou semelhanças com catástrofes semelhantes e optou por examinar o que aconteceu com o furacão Katrina em termos económicos.

[Editor‘s note: Hurricane Katrina passed through southern US states in 2005, causing hundreds of deaths and major destruction.]

Ao fazer simulações do que aconteceu nos Estados Unidos naquela época, levando em consideração as considerações atuais e levando em conta as especificidades do Brasil e do estado do Rio Grande do Sul, chegamos a um potencial impacto negativo de 0,3% na economia brasileira este ano. .

Portanto, podemos dizer que de acordo com nossos modelos o impacto econômico negativo neste ano dos acontecimentos no Rio Grande do Sul é de cerca de 0,3% ou 0,4% do PIB do país.

Mas, por enquanto, não vou alterar a previsão do PIB para o ano inteiro porque quero aguardar as informações do PIB do primeiro trimestre. Se o número do primeiro trimestre for melhor que o esperado, é possível que o ajuste do PIB devido aos efeitos gaúchos seja menor ou não exista, pois o desempenho econômico do primeiro trimestre tem impacto estatisticamente significativo na economia. O desempenho da economia ao longo do ano.

Nomes americanos: Podem os projectos estatais de reconstrução de infra-estruturas ter um impacto positivo no PIB?

noite: Sim, terá impacto positivo no PIB, mas a tendência é que isso só tenha impacto na economia em 2025.

Portanto, é seguro dizer que as enchentes no Rio Grande do Sul terão um impacto descendente no PIB do Brasil este ano e um impacto ascendente no próximo ano, devido a estes projetos de reconstrução no estado.

READ  A capacidade dos gatos da LAC cria uma crise de medo enquanto o setor enfrenta o impacto da seca no Brasil | Notícia

Nomes americanos: Quais os efeitos desses acontecimentos no Rio Grande do Sul sobre as taxas de juros e a inflação?

noite: Em relação às taxas de juros, há impacto financeiro relacionado às medidas anunciadas pelo governo para apoiar o Rio Grande do Sul.

Quanto aos preços, em Junho deverá assistir-se a um impacto inflacionista devido aos preços do arroz, que deverão subir devido às inundações nas zonas produtoras de arroz naquele estado.

Mas acho que o Banco Central não deveria tomar nenhuma decisão de política monetária com base no que acontece no Rio Grande do Sul.

Em nomes da América: Por que não?

noite: Porque do lado da inflação os efeitos deverão ser de curto prazo. O preço do arroz deverá cair em breve, com o governo a aumentar as importações para conter os impactos na produção interna.

Do lado fiscal, o efeito sobre a política monetária tenderá a ser nulo.

Em geral, quando há uma expansão fiscal, e um aumento nos gastos do governo, isso gera um efeito inflacionário porque há mais dinheiro circulando na economia, pois as pessoas usam esse dinheiro para consumir mais.

O que aconteceu no Rio Grande do Sul é diferente.

Esperamos que o custo da reconstrução atinja 85 bilhões de riais [US$16.5bn] Mas, na prática, este valor não significa dinheiro que as pessoas irão pegar e usar para consumo. Estes recursos serão utilizados para investir na recuperação de infra-estruturas, pelo que terão um impacto diferente e não conduzirão à inflação e, como resultado, não creio que o banco central deva ter em conta estes impactos na sua decisão sobre taxas de juro.

READ  A recuperação do comércio varejista brasileiro deverá ocorrer no final de 2024

Em nomes da América: Quais são as suas expectativas para a taxa de juros da Sílica no final deste ano?

noite: Minha previsão para a taxa Selec de final de ano é de 9,25%, mas devo revisá-la para 9,75%.

Este ajuste não está relacionado aos efeitos do Rio Grande do Sul, mas sim à afirmação anterior de que o banco central já manifestou preocupação com a inflação e também devido a sinais pouco claros do Federal Reserve dos EUA de que pode ter ganho a taxa de juros. Não cai tão rapidamente quanto o esperado.

As decisões do Fed têm impacto nas decisões dos bancos centrais em todo o mundo.

Minha previsão de inflação para este ano permanece inalterada e espero que a inflação chegue a 4%.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *