Bolsonaro brasileiro defende tratamento da COVID e clima na ONU

O discurso do presidente brasileiro foi feito de maneira suave, mesmo que às vezes monótona, ao abrir com um discurso psicodélico de vendas de seu país para investidores que elogiaram os desenvolvimentos em saneamento e transporte. Ele estava apresentando o “novo Brasil que recuperou sua credibilidade no mundo” – um país muito diferente daquele devastado pelo vírus Corona em seu relógio e fervilhando com os incêndios da Amazônia, enquanto Bolsonaro pressionava pelo desenvolvimento.

O líder populista conservador se ateve a provocações enfáticas sobre questões sociais e epidemiológicas, apontou repetidamente a importância da “família nuclear tradicional” e criticou as medidas de bloqueio pandêmico. O presidente, que há muito defende a hidroxicloroquina, uma droga não comprovada contra a malária, como tratamento, acrescentou.
O Brasil costuma ocupar um lugar de destaque na lista de discursos de uma semana na Assembleia Geral dos Estados membros, e Bolsonaro, que será reeleito no ano que vem, já havia dado um tom combativo à sua aparência, zombando abertamente do “sistema de honra” da ONU que pede delegações estrangeiras a vacinar antes de entrar no edifício. Bolsonaro anunciou na semana passada que não será vacinado, pois já tem Covid-19.

“Por que você tomaria uma vacina? Para obter anticorpos, certo? Minha taxa de anticorpos é muito alta. Posso mostrar o documento”, disse ele em uma transmissão ao vivo nas redes sociais. Ele acrescentou que tomará uma decisão sobre a vacinação apenas “depois que todos no Brasil forem vacinados” – uma voz paradoxal enquanto a Assembleia Geral deste ano pressiona por mais vacinação em todo o mundo, persuadindo as nações mais ricas a compartilhar mais doses com os pobres. Das quais.

READ  Endemol Shine Brasil se une à Suba para lançar a agência de talentos Reality Star | Notícia

Mas enquanto o presidente brasileiro tende a usar aparições nas Nações Unidas para rejeitar o poder estrangeiro – mostrando sensibilidade semelhante para dizer a ele o que fazer quando se trata de outra crise global: o aquecimento global – ele parece ter evitado qualquer confronto direto nessa frente .

Em 2020, no pódio da Assembleia Geral das Nações Unidas, quando a Amazônia estava em chamas, ele pediu ao mundo volátil que recuasse, alegando que os agentes estrangeiros estavam exagerando os incêndios florestais em sua “mais brutal campanha de desinformação”. Preocupações ambientais expressas por governos estrangeiros, grupos indígenas e organizações locais há muito foram pintadas como um precursor de uma imaginária invasão alienígena da Amazônia.

Este ano, o mais calado Bolsonaro reconheceu “desafios ambientais”, mas se gabou de que a Amazônia teve uma redução de 32% no desmatamento em agosto em relação ao ano anterior, citando dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil que indicam 918 quilômetros quadrados de desmatamento. No entanto, o número ainda é o dobro do registrado em agosto de 2018, antes do governo Bolsonaro.

Em contrapartida, dados do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) – que monitora áreas desmatadas por satélite – Refere-se a 1.606 quilômetros quadrados de desmatamento em agosto, um aumento de 7% em relação ao mesmo mês do ano passado. É também a maior taxa de agosto em uma década, de acordo com imagens de satélite da Amazon.
O presidente também pediu a outros países que façam sua parte honrando seus compromissos de financiamento climático “em montantes significativos”. Seu governo já recebeu ajuda externa significativa de outros países para ajudar a conter o desmatamento – uma tática criticada por alguns ambientalistas brasileiros, observando que nem todo o dinheiro para o trabalho ambiental no Brasil é gasto em primeiro lugar.
Bolsonaro, que nunca foi fã de restrições à pandemia, reconheceu tanto no discurso de terça-feira aos líderes mundiais, dizendo que enquanto lamentava “todas as mortes que ocorreram no Brasil e no mundo”, o número de desemprego deve ser pesado contra isso do coronavírus. . No ano passado, ele frequentemente se revoltou contra as ordens de bloqueio municipal e estadual no Brasil, mesmo durante os momentos mais sombrios da pandemia, quando os hospitais lotaram e cidades inteiras ficaram sem oxigênio. Mais de meio milhão de brasileiros morreram na epidemia – o maior número de mortes no mundo depois dos Estados Unidos.

Brian Winter, editor-chefe do Americas Quarterly e vice-presidente de política da Associação das Américas / Conselho das Américas, disse que um tom mais moderado era esperado de Bolsonaro este ano. Por um lado, o clima para a assembléia era simplesmente diferente, com menos líderes populistas de direita se juntando ao Bolsonaro para dar aos operadores internacionais o dedo do meio.

READ  Notícias da empresa para 15 de março de 2021

“Bolsonaro está mais isolado do que nunca”, disse Winter à CNN. “Trump saiu, Netanyahu foi. E o principal país que realmente se alinha com sua marca de direita conservadora é a Hungria liderada por Viktor Orban”, diz ele. (Bolsonaro tinha uma sessão agendada com o presidente conservador anti-LGBT polonês Andrzej Duda antes de subir ao palco na terça-feira.)

Também neste ano, os perigos da mudança climática nunca foram mais pronunciados, visto que incêndios e inundações catastróficas foram vistos em todo o mundo. As vastas florestas do Brasil atuam como um “condicionador de ar” para o mundo, influenciam as temperaturas globais e os padrões de precipitação e absorvem dióxido de carbono, e Winters diz que Bolsonaro já estabeleceu um novo tom “construtivo” na coordenação da proteção climática durante a cúpula do presidente dos EUA Joe Biden Nesta primavera, quando Bolsonaro apresentou um plano para eliminar o desmatamento ilegal até 2030 e neutralizar as emissões de gases de efeito estufa até 2050.

Na reunião de segunda-feira com o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, Bolsonaro demonstrou a mesma teimosia moderada que mais tarde demonstrou no pódio. Os dois líderes discutiram o clima e o vírus Covid-19, e Bolsonaro enfatizou o “compromisso do Brasil com o desenvolvimento sustentável”, comunicado do Itamaraty após o encontro.

Mas quando se trata de vacinação a pedido das Nações Unidas, tem sido mais consistente do que nunca.

Durante a filmagem da reunião na sede das Nações Unidas, Johnson pôde ser ouvido dizendo a Bolsonaro: “AstraZeneca, é uma ótima vacina. Obtenha a vacina AstraZeneca. Já tomei duas vezes.” Bolsonaro riu da dica. Ele disse: “Não, ainda não.”

Reportagem adicional de Rodrigo Pedroso, da CNN, em São Paulo.

READ  Dubai vai impor novas restrições ao entretenimento

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *