As economias emergentes estão pressionando para acabar com o domínio do dólar americano

Um homem conta US$ 100 no mercado de artesanato em Lagos, Nigéria, em 16 de agosto. (AP Photo/Sunday Alamba)

ABUJA, Nigéria (AP) — Desapareceram negócios na loja de roupas Kingsley Odafe, na capital nigeriana, obrigando-a a demitir três funcionários.

Um culpado por seus problemas se destaca: a força do dólar americano em relação à moeda da Nigéria, a naira, empurrou os preços de roupas e outros produtos estrangeiros para fora do alcance dos consumidores locais. Uma sacola importada custa três vezes mais do que custava há dois anos. O preço atualmente é de cerca de 350.000 nairas, ou US$ 450.

“Não há mais vendas porque as pessoas precisam comer antes de pensar em comprar roupas”, disse Odafe.

Em todo o mundo em desenvolvimento, muitos países estão fartos do domínio dos Estados Unidos sobre o sistema financeiro global – especialmente a força do dólar. Eles vão expor suas queixas na próxima semana, quando o bloco BRICS formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul se encontrar com outras nações de mercados emergentes em Joanesburgo, África do Sul.

Mas o dólar canadense é mais fácil de lidar do que desistir da moeda de fato do mundo.

O dólar é de longe a moeda mais usada nos negócios globais e ignorou os desafios anteriores à sua supremacia.

Apesar das conversas frequentes sobre os países do BRICS introduzirem suas próprias moedas, nenhuma proposta concreta surgiu na preparação para a cúpula, que começa na terça-feira. No entanto, as economias emergentes discutiram a expansão do comércio em suas moedas para reduzir sua dependência do dólar.

Em uma reunião dos ministros das Relações Exteriores do BRICS em junho, Naledi Pandor, da África do Sul, disse que o novo banco de desenvolvimento do bloco buscaria alternativas “às moedas atualmente em circulação internacional” – um eufemismo para o dólar. Sentados ao lado do russo Sergey Lavrov e do chinês Ma Chau-chu – Bandur – representantes de dois países particularmente ansiosos para enfraquecer a influência financeira internacional dos Estados Unidos.

READ  A inflação já está se infiltrando em alguns cantos da economia global

O agrupamento BRICS data de 2009. Originalmente, era apenas o grupo BRICS, termo cunhado pelo economista do Goldman Sachs Jim O’Neill para se referir às economias emergentes do Brasil, Rússia, Índia e China. A África do Sul aderiu em 2010, acrescentando um “S” ao nome. Mais de 20 países – incluindo Arábia Saudita, Irã e Venezuela – manifestaram interesse em ingressar no grupo BRICS.

Em 2015, os países do BRICS lançaram o Novo Banco de Desenvolvimento – uma alternativa ao Fundo Monetário Internacional e ao Banco Mundial, dominados pelos Estados Unidos e pela Europa.

disse Martin Simba, um ativista político de Uganda que defendeu uma lei que Uganda aprovou este ano que prevê a pena de morte para certos atos do mesmo sexo.

A legislação levou o Banco Mundial a anunciar neste mês que suspenderia novos empréstimos ao país do leste africano.

Os críticos do mundo em desenvolvimento estão especialmente preocupados com a disposição dos Estados Unidos de usar a alavancagem global do dólar para impor sanções financeiras aos adversários – como aconteceu com a Rússia após a invasão da Ucrânia no ano passado.

Eles também reclamam que as flutuações do dólar podem desestabilizar suas economias. Um dólar em alta, por exemplo, pode causar estragos no exterior ao atrair investimentos de outros países. Também aumenta o custo do pagamento de empréstimos denominados em dólares e da compra de produtos importados, que muitas vezes são cotados em dólares.

O presidente do Quênia, William Ruto, resmungou este ano sobre a dependência da África do dólar e as consequências econômicas de seus altos e baixos, enquanto o xelim queniano se deprecia. Ele exortou os líderes africanos a se juntarem ao emergente sistema de pagamentos africano que usa moedas locais em um esforço para encorajar mais comércio.

“Como o dólar americano faz parte do comércio entre o Djibuti e o Quênia? Por quê?” Ele pediu em uma reunião, para aplausos.

O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva apoiou uma moeda comum para o comércio dentro do bloco sul-americano Mercosul e para o comércio entre os países do BRICS.

“Por que o Brasil precisa de dólares para negociar com a China ou a Argentina? Podemos negociar em nossa moeda”, disse ele a repórteres este mês.

Mas se as deficiências do dólar são claramente visíveis, suas alternativas não são.

“No final das contas, se você quiser manter sua reserva segura, precisa colocá-la em dólares”, disse Daniel Bradlow, pesquisador sênior da Universidade de Pretória e advogado especializado em finanças internacionais. Você precisará tomar empréstimos em dólares. Todos podem ver todos os problemas em fazer isso, mas se houvesse uma alternativa, as pessoas a usariam.”

Do jeito que está, 96% do comércio nas Américas de 1999 a 2019 foi faturado em dólares, 74% do comércio na Ásia e 79% em qualquer outro lugar, fora da Europa, que tenha o euro, segundo cálculos de pesquisadores do Federal Reserve dos EUA. .

No entanto, o domínio do dólar no comércio global diminuiu um pouco nos últimos anos, à medida que bancos, empresas e investidores se voltaram para o euro e o yuan chinês.

Mas 24 anos após a introdução do euro, a segunda moeda do mundo ainda não consegue rivalizar com o dólar no apelo internacional: Jeffrey Frankel, um economista de Harvard, disse que o dólar é usado em três vezes mais transações cambiais do que o euro. estudar no mês passado.

O yuan é limitado pela recusa de Pequim em permitir que a moeda circule livremente nos mercados globais.

“Nenhuma das alternativas ao dólar conseguiu alcançar o nível de dominância”, disse Mihaela Papa, membro sênior da Fletcher School of Global Affairs da Tufts University. “Portanto, a ideia de que você terá agora, da noite para o dia, uma nova moeda do BRICS (causaria) muita perturbação – leva tempo, requer confiança… vejo esse caminho como muito longo.”

READ  O BK Brasil Restaurant Operations & Advisory Services (BVMF: BKBBR3) está utilizando a dívida de maneira razoável?

O dólar ainda tem seus apoiadores. Na Argentina, Javier Milli, que emergiu da votação primária de segunda-feira como o favorito para presidente nas eleições gerais de outubro, pediu que o dólar substitua o peso no país.

No Zimbábue, a loja de bebidas de Lovemore Mutenha quebrou quando a hiperinflação atingiu o país em 2008. Ela só conseguiu reviver os negócios quando o país abriu mão da moeda local em troca de uma cesta de moedas dominada pelo dólar.

“O dólar americano trouxe nossas vidas de volta. Não podemos viver sem ele”, disse Mutinha, 49, no subúrbio operário de Warren Park, perto da capital, Harare. “Como pode um único orçamento em dólar do Zimbábue sempre mudar de valor ? A situação não é estável e já fomos queimados antes.”

Em 2019, o governo reintroduziu a moeda do Zimbábue e proibiu moedas estrangeiras em transações domésticas.

Mas o renovado dólar zimbabuense vacilou. Os dólares americanos continuaram a circular no mercado negro e o governo suspendeu a proibição. Agora, 80% das transações no país são em dólares americanos.

O Ministro das Finanças, Mthuli Ncube, frequentemente apela ao povo para que adote a moeda local.

Mas até mesmo funcionários do governo estão exigindo que sejam pagos em dólares americanos, argumentando que quase todos os provedores de serviços só aceitam moeda americana.

O dólar americano “sempre teve um efeito estabilizador”, disse Prosper Chitambara, analista econômico de Harare. Mas a economia do Zimbábue, que tem pouca indústria, baixo investimento, poucas exportações e alto endividamento, não consegue atrair dólares suficientes para atender às necessidades comerciais diárias.

Isso criou um nicho de negócios nas ruas da capital: vendedores consertam notas de um dólar gastas ou rasgadas por uma pequena taxa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *