Análise: Lula do Brasil espera unir nações da floresta tropical e obter financiamento na COP27

  • Lula brasileiro instado a usar a COP27 para formar rapidamente uma aliança florestal
  • A Rainforest Alliance aumentará o poder de negociação com os doadores
  • Os países podem aprender com os esforços de proteção florestal uns dos outros

KUALA LUMPUR, 6 de novembro (Thomson Reuters Foundation) — Uma nova aliança de nações com florestas tropicais procurada pelo presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva pode ser a chave para liberar fundos para conservação e promover um pacto global de florestas vulneráveis ​​na cúpula climática COP27, dizem os cientistas ambientais.

Antes de sua vitória apertada no segundo turno da eleição de 30 de outubro, Lula começou a procurar a Indonésia e a República Democrática do Congo para formar uma frente unida de nações de florestas tropicais, de acordo com um importante assessor do líder esquerdista. Consulte Mais informação

No período que antecedeu a cúpula climática da ONU COP27, a ser realizada no Egito de 6 a 18 de novembro, grupos verdes instaram o Brasil e outras nações florestais a cooperar para aumentar seu poder de barganha durante conversas com potenciais doadores sobre proteção de florestas tropicais.

“Uma coalizão de países como Brasil, Indonésia e República Democrática do Congo – que enfrentam ameaças semelhantes – pode pressionar os países ricos a acelerar os esforços para impedir o desmatamento”, disse Anisa Rahmawati, chefe do grupo de conservação indonésio Satya Bumi, referindo-se a A promessa de Lula de proteger as florestas está no centro de seus planos e políticas econômicas.

O desmatamento tem grandes implicações para as metas globais de limitar o aquecimento global, já que as árvores absorvem cerca de um terço das emissões de carbono do aquecimento global, mas liberam o carbono que armazenam quando apodrecem ou queimam.

READ  Robeco Institutional Asset Management adquire ações da Telefónica Brasil: um movimento estratégico para o setor de telecomunicações

As florestas também fornecem alimentos e meios de subsistência, ar e água limpos, apoiam a saúde humana, são um habitat essencial para a vida selvagem, regulam as chuvas e fornecem proteção contra inundações.

Mas, à medida que os países ricos em florestas enfrentam as pressões de preços de energia e alimentos ligadas à guerra da Rússia contra a Ucrânia, bem como a dor financeira causada pela pandemia de COVID-19, explorar os recursos naturais é visto por muitos como uma solução.

No ano passado, uma área de floresta tropical do tamanho da Holanda foi perdida, segundo o Global Forest Watch Service, com o Brasil apresentando as maiores taxas de desmatamento.

Lula espera mudar isso, prometendo em seu discurso de vitória eleitoral combater a extração ilegal de madeira, mineração e grilagem de terras que alimentaram um aumento no desmatamento na Amazônia nos últimos quatro anos sob o presidente de extrema-direita Jair Bolsonaro.

“Ter uma voz tão forte (como Lula) em qualquer aliança futura multiplicaria e aceleraria os esforços para mudar para um desenvolvimento econômico equitativo e favorável ao clima, garantindo a sobrevivência de nossas florestas”, disse Rahmouti.

ganhos em dinheiro na noruega

Brasil, Indonésia e República Democrática do Congo estavam entre os mais de 140 países que concordaram em interromper e reverter o desmatamento e a degradação da terra até 2030 na cúpula climática da COP26 do ano passado em Glasgow.

O acordo, que teve um progresso lento até agora, foi apoiado por US$ 19 bilhões em compromissos de financiamento público e privado para investir em proteção e restauração de florestas.

Desde então, a Alemanha prometeu € 1,5 bilhão (US$ 1,5 bilhão) anualmente em financiamento internacional da biodiversidade, enquanto a Noruega concordou com um novo acordo de financiamento com a Indonésia para reduzir as emissões de carbono preservando as florestas tropicais – potencialmente abrindo a porta para mais apoio de outras partes interessadas. doador.

O ministro do Meio Ambiente da Noruega disse em um post de mídia social nesta semana que um acordo para pagar dinheiro ao Brasil por resultados na proteção da floresta amazônica, que foi congelada depois que a maior floresta tropical do mundo foi destruída sob Bolsonaro, também deve ser retomado.

Enquanto isso, os mercados de carbono – outra ferramenta para desacelerar o desmatamento – foram prejudicados por preços baixos, disse James Deutsch, executivo-chefe da Rainforest Trust, uma organização sem fins lucrativos com sede nos EUA.

Ele acrescentou que, se os três maiores vendedores potenciais de créditos de carbono florestal do governo se unirem, isso poderá ajudar a aumentar o preço pago por cada tonelada de emissões de dióxido de carbono evitadas.

“É uma estratégia interessante e potencialmente poderosa para aumentar os fluxos de caixa, reduzir o desmatamento e desacelerar as mudanças climáticas”, disse ele.

Os três países também têm uma tremenda quantidade de educação no mundo sobre conservação de florestas, disse Amy Duchel, diretora florestal da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

Ela disse que o Brasil foi uma história de sucesso de mudança climática no início dos anos 2000, quando seu governo – então liderado por Lula – reduziu as taxas de desmatamento na região amazônica.

“A Indonésia (também) mostrou sucesso recente na redução do desmatamento”, observou Duchel, acrescentando que há uma grande oportunidade para esses países liderarem pelo exemplo e exigirem políticas mais favoráveis ​​às florestas de outros governos.

Desafios comuns

Outro fator positivo na formação de uma nova aliança de florestas tropicais é que as metas líquidas de zero e a ação climática são muito mais fortes do que eram dez anos atrás, quando a primeira tentativa de formar tal parceria falhou, disse Rod Taylor, diretor global de florestas da Instituto de Recursos Mundiais. É um think tank de Washington.

READ  'Eles têm uma opinião muito clara' - O técnico do Brasil, Tite, diz que alguns jogadores se opõem à Copa América em casa

Ele acrescentou que agora pode haver um maior conjunto de financiamento e impulso político para os três países tirarem “se jogarem suas cartas corretamente”.

Mas ambientalistas disseram que a aplicação das leis de proteção florestal em áreas remotas é um problema para os três, enquanto os aliados de Bolsonaro formam o maior bloco no Congresso do Brasil, o que pode dificultar o impulso político de Lula.

Toerris Jaeger, executivo-chefe da Rainforest Norway, com sede em Oslo, disse que os parceiros em potencial estão “enfrentando muitos dos mesmos problemas”, incluindo como monitorar o desmatamento, interromper atividades ilegais e apoiar os moradores da floresta.

Ele acrescentou que outras nações florestais – como a Colômbia – também podem participar das negociações e se juntar a qualquer nova aliança na COP27 para criar uma aliança “mais robusta e eficaz”.

“Se bem feito, a cooperação e a troca de experiências entre as nações da floresta tropical podem ajudar a combater o desmatamento”, disse Jaeger.

(1 dólar = 1,0227 euros)

Postado originalmente em:https://www.context.news/nature/brazils-lula-hopes-to-unite-rainforest-nations-tap-cash-at-cop27

relatórios de Michael Taylor; Edição por Megan Rowling. A Thomson Reuters Foundation é o braço de caridade da Thomson Reuters. Vamos para https://www.context.news/

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *