A pandemia expõe luta constitucional pelo poder no Brasil

Demorou apenas cinco dias para a Suprema Corte do Brasil entrar em vigor, quando o governo de Jair Bolsonaro cancelou o censo no mês passado, citando a pandemia Covid-19 e restrições orçamentárias.

O juiz Marco Aurélio ordenou que o governo invertesse o curso e fizesse o levantamento decimal exigido pela constituição, que já foi adiado uma vez no ano passado. “Cabe ao Supremo Tribunal Federal forçar a adoção de medidas que viabilizem as pesquisas demográficas”, afirmou.

Para muitos, a decisão – como dezenas de outras feitas pela Suprema Corte durante a pandemia do coronavírus – foi bem-vinda em favor da tomada de decisão científica e baseada em evidências. Mas também foi um lembrete de quão ativo o Supremo Judiciário tem sido na política brasileira.

Desde que Bolsonaro – um ex-capitão do exército de extrema direita – chegou ao poder há mais de dois anos, o tribunal conhecido como STF surgiu como um baluarte contra o que alguns afirmam ser abusos do líder populista.

Para juízes e pessoas próximas ao tribunal, essa postura ativista é permitida pela constituição de longo alcance do Brasil e é justificada pelas tendências autoritárias do presidente e pela atitude de negação em relação à pandemia. Os críticos argumentam que os juízes se envolvem em “atividades judiciais” que deslegitimam as decisões do tribunal.

Os que estão no meio vêem um círculo vicioso, com cada lado alimentando-se do outro e enfraquecendo gradativamente as já frágeis instituições brasileiras.

É bastante óbvio que o STF está ativo há algum tempo [and] tornou-se mais e mais. O principal problema agora é que temos um CEO que está abaixo de qualquer padrão, e isso está completamente quebrado, disse Philip Campanti, professor da Universidade Johns Hopkins.

READ  O retorno de "Survivor" A versão brasileira de "Sem Fronteiras" após um hiato de 12 anos

“Quando você tem o executivo completamente incapaz de desempenhar funções básicas, outras autoridades são forçadas a intervir. Mas isso alimenta a disfunção porque não deveriam. Alimenta a hostilidade que Bolsonaro está experimentando.”

Um exemplo, diz Campanti, são as estatísticas, que são “uma função muito básica do estado [that] O CEO se mostrou incapaz e sem vontade de fazê-lo. ”

Mas a tensão entre a Suprema Corte de 11 membros e o poder executivo foi exposta em termos mais contundentes pela pandemia Covid-19, que já matou 430.000 brasileiros.

No ano passado, o Conselho de Transição do Sul tomou 9.000 decisões relacionadas à pandemia, de acordo com uma contagem do tribunal. A maioria dessas decisões apoiou abordagens científicas convencionais para combater o vírus, incluindo o uso de bloqueios, distanciamento social e a importação de vacinas.

No entanto, eles irritaram Bolsonaro, que consistentemente minimizou a gravidade da doença e tentou reabrir as economias locais que os governadores dos estados fecharam. As tensões chegaram ao auge no ano passado, quando o líder populista se juntou a manifestações pedindo o fechamento do tribunal. Desde então, ele pressionou aliados no Congresso a tentarem impeachment dos juízes da frente.

“No Brasil, vivemos um momento único, com muitos conflitos e essa epidemia tem se intensificado muito. Há uma divisão clara entre quem tem tentado reduzir a doença, inclusive os próximos ao governo, e quem está que estão recomendando ”, disse o juiz Gilmar Mendes ao Financial Times. com cautela”.

O tribunal tem sido alvo de muitas críticas de pessoas que apóiam essas medidas de negação. “Dizem que estamos usurpando as competências que deveriam ser do Executivo, mas temos certeza de que fizemos a nossa parte no marco da constituição”, disse Mendes, acusado pelos críticos de politizar o cargo.

Os juízes do Supremo Tribunal Brasileiro são nomeados pelo presidente e servem até a aposentadoria aos 75 anos. Dos 11 membros, sete foram indicados pelas administrações do antigo Partido dos Trabalhadores de esquerda. Bolsonaro nomeou um deles no ano passado.

Muito do poder do tribunal deriva do tamanho e do escopo da constituição do Brasil, que com mais de 70.000 palavras é uma das mais longas e detalhadas do mundo. A amplitude da carta permite ao STF julgar a legalidade de uma ampla gama de questões.

“Isso coloca o STF no centro do debate político brasileiro. Se um presidente – que pode até contar com o apoio do legislativo – ataca a constituição, o papel do tribunal é impor limitações”, disse Eloísa Machado, professora de direito constitucional na Fundação Getiolio Vargas.

No entanto, os oponentes dizem que a interpretação do tribunal sobre a constituição equivale cada vez mais a “ativismo judicial”, que deslegitima seu poder.

Uziel Santana, presidente da Anajure, uma ordem de advogados evangélica, disse que a decisão do STF no mês passado de permitir que autoridades estaduais e municipais proibissem serviços religiosos pessoais durante a pandemia foi “técnica e legalmente falha”.

O juiz do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin anulou as condenações por corrupção do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silve. © AFP via Getty Images

“Não compete ao Supremo Tribunal Federal agir como legislador, [but] Cada vez mais nos últimos anos tem sido legislado. Essa atividade termina com excessiva interferência na esfera de outra autoridade, o que não é bom em um estado democrático de direito. ”

Para Santana, um problema específico tem sido a repetição das chamadas decisões unilaterais, onde uma única justiça pode julgar questões de ampla repercussão para a sociedade. Entre 1988 e 2018, mais de 72% dos casos terminaram em decisão unilateral, segundo dados de Getúlio Vargas.

Recentemente, o juiz Edson Fachin derrubou sozinho as condenações por corrupção do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, restaurando os direitos políticos do líder esquerdista antes das eleições do próximo ano. A decisão foi então mantida em votação plena após um recurso dos procuradores-gerais estaduais.

“A Suprema Corte dos Estados Unidos se tornou altamente politizada em algum nível, mas o Brasil é pior porque você não tem partidos, você tem interesses. Os juízes têm interesses políticos e tomam decisões de acordo com interesses políticos”, disse Campante.

Você chega a uma situação em que tudo o que eles decidem perde sua legitimidade. Você pensa: “Quais são os interesses políticos por trás disso”? “

Reportagem adicional da Carolina Police

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *