A ilha submersa há muito perdida na costa do Brasil está repleta de metais preciosos

Uma enorme ilha antiga que agora se encontra no fundo do Oceano Atlântico pode conter vastas reservas de elementos de terras raras e outros metais preciosos. O planalto continental submerso, conhecido como Elevação do Rio Grande (RGR), formou-se como uma crista vulcânica há cerca de 40 milhões de anos e já foi uma grande massa de terra tropical coberta de vegetação.

O RGR está localizado a cerca de 1.200 quilômetros (745 milhas) da costa do Brasil, cobrindo cerca de 150.000 quilômetros quadrados (58.000 milhas quadradas) do fundo do mar em profundidades de 700 a 2.000 metros (2.300 a 6.560 pés). A ideia de que as colinas podem ter sido uma ilha foi lançada pela primeira vez em 2018 e agora foi confirmada graças a uma nova análise do solo dragado da RGR Ocidental.

Ao avaliar as propriedades mineralógicas, geoquímicas e magnéticas do sedimento, os autores do estudo revelaram que a amostra consistia principalmente de argila vermelha que correspondia à distinta “terra vermelha” (terra roxa) encontrada em muitas partes do estado de São Paulo. No solo, os pesquisadores descobriram vários minerais típicos de alterações nas rochas vulcânicas, incluindo magnetita oxidada, hematita, goethita e caulinita.

Juntos, estes resultados sugerem que as argilas podem ter se formado como resultado de intenso desgaste químico de rochas vulcânicas em um clima quente e úmido com vulcões ativos. Com base nesta análise, os investigadores concluíram que a RGR esteve exposta aos elementos durante a Época Eocena, que durou até cerca de 35 milhões de anos atrás e foi caracterizada por condições tropicais.

“A nossa investigação e análise permitiram-nos determinar que se tratava de facto de uma ilha”, explicou o autor do estudo, Luigi Giovan, num artigo. declaração. “Geologicamente, descobrimos que a argila se formou após a última atividade vulcânica ocorrida há 45 milhões de anos. Portanto, a formação remonta a entre 30 milhões e 40 milhões de anos atrás. “Deve ter sido formada como resultado dessas condições tropicais ,” ele adiciona.

Pesquisas anteriores também revelaram que a ilha submersa é rica em metais preciosos, como cobalto, lítio e níquel, bem como em elementos de terras raras altamente valiosos, como o telúrio. Dado que estes materiais são componentes essenciais de novas tecnologias que impulsionam a transição dos combustíveis fósseis, é compreensível que haja um grande interesse na extracção de riqueza em recursos naturais.

A cordilheira encontra-se em águas internacionais e está atualmente sujeita à Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos, embora o governo brasileiro tenha solicitado a extensão legal de sua plataforma continental para incluir a RGR. Na verdade, a probabilidade de tal pedido ser aprovado é mínima, uma vez que a CNUDM afirma que nenhum país pode possuir mais de 200 milhas náuticas de território marítimo além da sua costa.

“Para saber se os recursos podem ser efetivamente extraídos do fundo do mar, precisamos de analisar a sustentabilidade dessa extração e os seus impactos”, afirma Govan. “Quando você intervém em uma área, é preciso saber como isso afetará os animais, os fungos e os corais, e entender o impacto que isso terá nos processos cumulativos envolvidos”, afirma.

O estudo está publicado na revista Relatórios científicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *