A guerra entre Israel e o Hamas: espera-se que as negociações de cessar-fogo sejam retomadas

CAIRO (AP) – As conversações destinadas a garantir um cessar-fogo na região fracassaram A guerra entre Israel e o Hamas Espera-se que as negociações sejam retomadas a sério no Catar no domingo, segundo autoridades egípcias.

As negociações serão a primeira vez que autoridades israelenses e líderes do Hamas participarão de negociações indiretas desde o início do mês sagrado do Ramadã. Os mediadores internacionais esperavam chegar a uma trégua de seis semanas antes O Ramadã começou no início desta semanaMas o Hamas rejeitou qualquer acordo que não conduzisse a um cessar-fogo permanente em Gaza, um pedido que Israel rejeitou.

Mas, nos últimos dias, ambos os lados tomaram medidas destinadas a colocar as negociações, que não foram completamente interrompidas, de volta aos trilhos.

Palestinos realizam a primeira oração de sexta-feira do mês sagrado do Ramadã perto das ruínas de uma mesquita destruída por ataques aéreos israelenses em Rafah, Faixa de Gaza, sexta-feira, 15 de março de 2024. (AP Photo/Fatima Shbair)

Palestinos realizam a primeira oração de sexta-feira do mês sagrado do Ramadã perto das ruínas de uma mesquita destruída por ataques aéreos israelenses em Rafah, Faixa de Gaza, sexta-feira, 15 de março de 2024. (AP Photo/Fatima Shbair)

O Hamas apresentou aos mediadores uma nova proposta para um plano de três fases que poria fim aos combates, segundo duas autoridades egípcias, uma das quais esteve envolvida nas conversações e a outra foi informada sobre o assunto. Os funcionários falaram sob condição de anonimato porque não estavam autorizados a revelar o conteúdo de discussões delicadas.

A primeira fase será um cessar-fogo de seis semanas, que prevê a libertação de 35 reféns – mulheres, doentes e idosos – detidos por militantes em Gaza em troca de 350 prisioneiros palestinianos detidos por Israel.

O Hamas também libertará pelo menos cinco mulheres soldados por cada 50 prisioneiros, incluindo algumas que cumprem longas penas por acusações de terrorismo. As forças israelitas retirar-se-ão de duas estradas principais em Gaza, permitindo que os palestinianos deslocados regressem ao norte de Gaza. Destruído por batalhasAs autoridades disseram que permitiriam o livre fluxo de ajuda para a região.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) afirmou na sexta-feira que quase uma em cada três crianças com menos de dois anos no norte isolado sofre de desnutrição aguda.

Na segunda fase, os dois lados declararão um cessar-fogo permanente e o Hamas libertará os restantes soldados israelitas mantidos como reféns em troca de mais prisioneiros, disseram as autoridades.

Nesta foto cedida pelos militares israelenses, um navio que transporta ajuda humanitária da Cozinha Central Mundial (WCK), liderada pelos Emirados Árabes Unidos, chega ao espaço marítimo da Faixa de Gaza, sexta-feira, 15 de março de 2024. (Defesa de Israel Forças via AP)

Nesta foto cedida pelos militares israelenses, um navio que transporta ajuda humanitária da Cozinha Central Mundial (WCK), liderada pelos Emirados Árabes Unidos, chega ao espaço marítimo da Faixa de Gaza, sexta-feira, 15 de março de 2024. (Defesa de Israel Forças via AP)

Na terceira fase, o Hamas entregará os corpos que detém em troca de Israel levantar o bloqueio a Gaza e permitir o início da reconstrução, disseram as autoridades.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, descreveu a proposta como “irrealista”. No entanto, ele concordou em enviar negociadores israelenses ao Catar para novas negociações.

Autoridades egípcias disseram que essas negociações deverão ser retomadas na tarde de domingo, embora possam ser adiadas para segunda-feira.

O governo de Netanyahu rejeitou os apelos a um cessar-fogo permanente, insistindo que deve primeiro atingir o seu objectivo declarado de “eliminar o Hamas”.

O gabinete de Netanyahu também disse na sexta-feira que aprovou planos militares para atacar a cidade de Rafah, localizada no extremo sul da Faixa de Gaza, onde cerca de 1,4 milhão de palestinos deslocados – mais da metade da população da Faixa – estão se refugiando.

Muitos palestinos fugiram para Rafah quando Israel atacou Gaza após a guerra Ataque do Hamas em 7 de outubro No sul de Israel, 1.200 pessoas foram mortas e outras 250 foram feitas reféns.

Os Estados Unidos e outros países alertaram que os militares A operação em Rafah pode ser desastrosaMas Israel diz que planeia avançar com a destruição das brigadas do Hamas ali estacionadas.

O gabinete de Netanyahu não forneceu detalhes nem um calendário para a operação Rafah, mas disse que incluiria a evacuação da população civil. O exército disse Planejado para direcionar civis para “ilhas humanitárias” Centro de Gaza.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na sexta-feira que os Estados Unidos ainda não viram um “plano claro e implementável” para proteger pessoas inocentes em Rafah da incursão israelense.

Nesta foto cedida pelos militares israelenses, a ajuda humanitária transportada de um navio pertencente à World Central Kitchen (WCK), liderada pelos Emirados Árabes Unidos, chega ao espaço marítimo da Faixa de Gaza, sexta-feira, 15 de março de 2024. ( Forças de Defesa de Israel) via AP)

Nesta foto cedida pelos militares israelenses, a ajuda humanitária transportada de um navio pertencente à World Central Kitchen (WCK), liderada pelos Emirados Árabes Unidos, chega ao espaço marítimo da Faixa de Gaza, sexta-feira, 15 de março de 2024. ( Forças de Defesa de Israel) via AP)

O Ministério da Saúde de Gaza disse no sábado que pelo menos 31.553 palestinos foram mortos na guerra. Ministério Sem diferença Entre civis e combatentes na sua contagem, mas ele diz Mulheres e crianças Eles representam dois terços dos mortos.

Um ataque israelense na manhã de sábado destruiu uma casa no campo de refugiados de Nuseirat, no centro da Faixa de Gaza, matando pelo menos 19 pessoas, incluindo nove crianças, de acordo com registros do Hospital dos Mártires de Al-Aqsa. Um jornalista da Associated Press viu os corpos ali.

O ataque israelita levou à deslocação da maioria dos 2,3 milhões de residentes de Gaza das suas casas. Um quarto da população de Gaza passa fomeDe acordo com as Nações Unidas

Como parte dos esforços para entregar a tão necessária ajuda a Gaza, foi inaugurado um navio Rota marítima de Chipre Sexta-feira Descarregou 200 toneladas de suprimentos humanitários Enviado pelo grupo de ajuda global World Central Kitchen aos residentes do norte de Gaza.

O grupo disse no sábado que estava preparando outro navio em Chipre transportando centenas de toneladas de ajuda com destino a Gaza.

Também no sábado, a Alemanha juntou-se a um grupo de países, incluindo os Estados Unidos e a Jordânia, na condução da operação Lançamento aéreo de ajuda Sobre Gaza. Também declarou Estados Unidos separados Planejando construir um cais Para obter ajuda.

Os palestinianos deslocados que viviam em tendas ao longo da costa do Mediterrâneo continuaram a sofrer de fome e miséria. Zahr Saqr disse em Al-Mawasi: “A situação é tão ruim que ninguém pode imaginá-la, e o navio, mesmo que ajude, será uma gota no oceano”. “Corremos como cães atrás de gotas de ar.”

___

Os redatores da Associated Press Bassem Marwa em Beirute e Jack Jeffrey em Jerusalém contribuíram para este relatório.

___

Esta versão corrige o nome do grupo de ajuda para World Central Kitchen.

___

Encontre mais cobertura AP em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *