7 caminhadas incríveis em Portugal

O grande potencial de caminhadas de Portugal é muito melhor porque poucas pessoas o conhecem. O coração da caminhada no país é o Parque Nacional da Peneda-Gerês, o único parque nacional de Portugal. Mas, há uma série de parques menores “naturais” escondidos no interior do país. Há também algumas ótimas viagens de um dia, e é um pulo rápido das principais áreas turísticas, o que significa que até mesmo os caminhantes casuais (em vez de escaladores experientes) podem colocar os pés no interior imaculado de Portugal com facilidade. Aqui está a nossa escolha de algumas das melhores caminhadas em Portugal.

Um passeio no topo da Fóia, o ponto mais alto do Algarve © EunikaSopotnicka / Getty Images

via algarviana

300 km (186 milhas), 2-3 semanas

Se já se cansou de relaxar numa das belas praias de cartão postal do Algarve, um passeio ao longo de parte (ou, se for mesmo corajoso, toda) dos 300 quilómetros do Trilho da Algarviana é a melhor forma de apreciar os belos desta região. cenário. O percurso vai de Alcoutim no Nordeste ao Cabo de São Vicente no Sudoeste, com alguns dos mais belos troços à volta de Monchique, onde se abrem fantásticas vistas à medida que sobe por entre os sobreiros até aos picos mais altos do Algarve.

Para dois dias a saborear o percurso, fique em Monchique, caminhe até à Picota e volte um dia, e suba à Fóia e volte no outro. Evite o alto verão, quando as temperaturas podem ser extremas e os incêndios podem ser um perigo.

Castro Laborero Lope

Situadas no menos visitado canto noroeste do Parque Nacional da Peneda-Gerês, as pitorescas ruínas da fortaleza de Castro Laborero com o mesmo nome, do século XVI, construída em 1505 sobre as fundações de um castelo mouro do século XII, são facilmente acessíveis da cidade. Loop de 1,6 km (1 hora).

READ  Rússia reduz dados da Covid e triplica número de mortes | Globalismo

Seguindo as placas indicativas “Acesso Sul”, você subirá o afloramento rochoso até o extremo sul do castelo e entrará por um portão de pedra em arco com portas de madeira verdes. Pouco do Castro original permanece fora das bases de algumas paredes exteriores maciças de granito e fundações da torre quadrada de pedra, mas as vistas da montanha do interior são fantásticas.

Aldeia do Piódão em Portugal. A rústica aldeia de montanha foi construída em uma encosta íngreme e consiste em várias casas tradicionais de pedra.
Caminhada desde a bonita vila de Piódão até Foz d’Égua © Paulo Dias Photography / Getty Images

Piódão para Foz de Agua

4,5 km (2,8 mi), 1 hora

Uma viagem à pequena aldeia de Piódão leva-o para as profundezas da Serra de Açor (montanhas do Açor), um grupo remoto de colinas onduladas, vales profundos, rios e florestas intocadas. A própria aldeia tem uma grande vibração, aninhada entre as falésias íngremes com suas casas de xisto cinza agarradas a colinas verdes, mas pode ficar lotada de turistas.

Para fugir às multidões e usufruir da tranquilidade desta zona maravilhosa, opte pelo pequeno trilho que indica a vizinha aldeia de Foz d’Égua, que alberga lindas pontes de pedra antigas, casas de xisto e uma precária ponte pedonal sobre a garganta do rio.

Via Geira Romana

9,6 km (6 milhas), 2-3 horas

Uma das experiências de caminhadas mais memoráveis ​​do Parque Nacional da Peneda-Gerês é a Via Geira, uma antiga estrada romana que percorria 320 quilómetros entre Braga e Astorga (Espanha), e agora é considerada Património Mundial. O trecho mais bonito começa na Portela de Homem, onde ainda se encontra a coluna romana XXXIV.

Do ponto de partida, caminhe para sudoeste, seguindo o Rio Homme em descida pela bela floresta da Mata de Albergaria. Uma viagem de ida e volta de 9,6 km leva-o ao Milepost XXXI nas margens do Reservatório de Albufeira do Homim. Todo este trecho está repleto de marcas de monumentos romanos – alguns dos quais estão gravados com o nome do imperador erguido durante seu reinado.

READ  O agravamento da epidemia que está obrigando o Santander Brasil a recuar na volta ao cargo foi corrigido
Close-up de um rio que atravessa o Vale do Zêzere, em Portugal. O rio é raso e cercado por vegetação.
Um rio que corre no tranquilo Vale do Zêzere © Tania Araujo / Getty Images

Valley de Zezire

7 km (4,3 milhas), 2-3 horas

Uma caminhada relativamente fácil leva-o através do belíssimo Glaciar Vale do Zêzere (Vale do Zêzere), um dos atrativos naturais mais importantes do Parque Natural da Serra da Estrela. É um ponto alto de qualquer viagem a Manteigas, no entanto, esteja avisado: o caminho não tem sombra e faz calor em dias claros de verão.

Uma estrada de terra parcialmente pavimentada começa a cerca de 3 quilómetros fora de Mantegas (perto da Vila Galé Serra da Estrela) e conduz a montante através de campos irrigados pontilhados de cabanas de pedra (cabanas) até um popular poço de natação, antes de sair para uma vasta área – paisagem aberta ., apoiado por vistas deslumbrantes das montanhas imponentes em ambos os lados. O percurso termina na Fonte Paulo Luís Martins, uma nascente cristalina cujas águas deliciosamente frias (consistentemente 6 ° C) são engarrafadas em Mantegas e vendidas localmente.

pena de rocha

4,7 km (3 milhas). 2-3 horas

A curta caminhada que mais vale a pena na Serra do Caldeirão é subir este calcário de 479 metros através de um circuito de 4,7 quilómetros demarcado (permitir duas a três horas de regresso). Os museus de Salir, Alte e Querença possuem um guia cartográfico indispensável. Transporte água e snacks (os únicos locais de restauração são os cafés das lojas de conveniência na base e na Vila da Pena) e ouça os avisos sazonais de incêndios florestais.

A região abriga 450 espécies diferentes de plantas, incluindo narcisos e orquídeas. Entre os pássaros que você pode ver estão a águia-serpente de dentes curtos, o pica-pau verde ibérico e o abutre egípcio. Rocha da Pena também é popular entre os escaladores.

READ  Sociedades médicas recomendam um exame cardíaco para retomar os exercícios
Duas mulheres caminham por um trecho de costa no topo de uma falésia da Rota Vicente. Na frente deles está uma ampla praia de areia.
Caminhantes caminhando pela estrada costeira do Rio Rota Vicentina | © hans.slegers / Shutterstock

rota vicentina

226 km (140 milhas) / 263 km (163 milhas), ambos em 14 dias

A Rota Vicenina consiste em duas trilhas para caminhadas – uma costeira e outra no interior – e segue ao longo da costa sudoeste até o Cabo de São Vicente. A caminhada pela costa (conhecida como “trilha do pescador”) usa trilhas criadas por pescadores e pescadores costeiros e passa por algumas das paisagens costeiras e selvagens mais severas, porém deslumbrantes. A estrada interior (apelidada de “via histórica”) é igualmente atraente. Passa pelo Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicenina, bem como por vilas e aldeias rurais, sobreiros e árvores e vales.

Ambas as trilhas são compostas por trechos, a distância entre elas não é superior a 25 quilômetros entre as aldeias, onde você pode pernoitar (e portanto não precisa trazer equipamento de camping). A Trilha dos Pescadores é composta por 13 trechos, com um total de 226 km, e a caminhada é um pouco mais desafiadora com algumas trilhas sobre dunas e areias cansativas para as coxas. Às vezes, ele corre ao longo das encostas, principalmente em uma única faixa, e apenas os pedestres são permitidos. A rota histórica mais longa tem 13 seções com um total de 263 km. As trilhas são mais largas e geralmente mais fáceis de andar; Bicicletas de montanha são permitidas.

Obtenha mais inspiração de viagem, dicas e ofertas exclusivas enviadas diretamente para sua caixa de entrada com nosso boletim informativo semanal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *