Xi Jinping fala com o ucraniano Zelensky pela primeira vez desde a invasão russa

Hong Kong (CNN) O líder chinês Xi Jinping e seu homólogo ucraniano Volodymyr Zelensky Eles conversaram por telefone na quarta-feira, em sua primeira conversa conhecida desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, enquanto Pequim intensifica os esforços para se posicionar como um potencial pacificador no conflito.

Zelensky, que há muito expressa o desejo de falar com Xi, disse que teve um “telefonema longo e significativo” com o líder chinês que durou uma hora. “Discutimos toda uma gama de questões atuais das relações bilaterais. Atenção especial foi dada às formas de possível cooperação para estabelecer uma paz justa e sustentável para a Ucrânia”, disse Zelensky em um comunicado.

“Não pode haver paz à custa de concessões territoriais”, disse Zelensky.

Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da China citou Xi dizendo a Zelensky que “o respeito mútuo pela soberania e integridade territorial é o fundamento político das relações sino-ucranianas”. Xi também reiterou a opinião de Pequim de que a “posição básica” da China no conflito com a Ucrânia é “promover a paz e as negociações”.

Em um briefing na quarta-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China disse que enviaria um enviado à Ucrânia e a outros países para ajudar a conduzir uma “comunicação profunda” com todas as partes para alcançar um acordo político. O enviado, Li Hui, é o representante especial do governo chinês para assuntos da Eurásia e serviu como embaixador da China na Rússia de 2009 a 2019.

A ligação entre Xi e Zelensky ocorre semanas depois que o presidente chinês fez uma visita oficial à Rússia e se encontrou com Vladimir Putin em março, quando os líderes chinês e russo afirmaram de forma esmagadora seu alinhamento em uma série de questões – incluindo uma desconfiança compartilhada nos Estados Unidos. . .

A tão esperada ligação também ocorre dias depois que o principal diplomata da China em Paris causou comoção em toda a Europa porque sugeriu em uma entrevista que as ex-repúblicas soviéticas não tinham status sob a lei internacional. Os comentários foram vistos como um possível aceno à visão de Putin de que a Ucrânia deveria fazer parte da Rússia – e ameaçam minar os esforços contínuos da China para reparar sua imagem na Europa, inclusive posicionando-se como um potencial mediador entre a Rússia e a Ucrânia.

READ  Três ativistas pela democracia de Hong Kong condenados na assembléia de 4 de junho

Até agora, Pequim se recusou a condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia ou pedir a retirada de suas forças, em vez disso, pediu moderação de “todos os lados” e acusou a Otan de alimentar o conflito. Também continuou a aprofundar os laços diplomáticos e econômicos com Moscou, apesar de suas reivindicações de neutralidade.

A posição desequilibrada de Pequim também é evidente em suas relações diplomáticas com Moscou e a Ucrânia.

O telefonema de quarta-feira marcou a primeira vez que Xi falou com Zelensky desde que a Rússia invadiu a Ucrânia em fevereiro do ano passado. Em comparação, Xi falou com Putin cinco vezes desde a invasão – incluindo uma reunião presencial no Kremlin quando o líder chinês visitou Moscou no mês passado e outra reunião pessoal em uma cúpula regional na Ásia Central em setembro passado.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse na quarta-feira que Moscou notou a disposição da China de facilitar as negociações com a Ucrânia após o telefonema entre Xi e Zelensky.

“Notamos a disposição do lado chinês de fazer esforços para estabelecer o processo de negociação”, disse Zakharova durante entrevista coletiva na quarta-feira.

No entanto, ela disse que também indicou que, nas condições atuais, as negociações são improváveis ​​e culpou Kiev por rejeitar as propostas de Moscou.

pânico diplomático

Relatos de discussões em andamento entre a China e a Ucrânia para conseguir um convite para seus líderes surgiram pela primeira vez em março, no período que antecedeu a visita de estado de Xi à Rússia.

Os esforços, amplamente divulgados na época, foram vistos por analistas como parte da tentativa da China de se retratar como um potencial pacificador no conflito.

READ  Projeto de Lei de Ruanda: O governo sofre cinco derrotas na Câmara dos Lordes

Mas a ligação só se concretizou semanas depois que Xi e Putin se encontraram em Moscou. Após uma viagem a Pequim, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse a repórteres no início deste mês que Xi havia confirmado sua disposição de falar com Zelensky “quando as condições e a hora forem adequadas”.

Recentemente, as declarações do embaixador da China na França, Lu Shai, que disse durante uma entrevista na televisão na semana passada que os ex-países soviéticos não têm “lugar efetivo no direito internacional”, causaram pânico diplomático, especialmente nos estados bálticos, com a Lituânia. , Letônia e Estônia convocam representantes chineses para buscar esclarecimentos.

Autoridades, incluindo da Ucrânia, Moldávia, França e União Europeia, responderam às críticas aos comentários de Low.

A China posteriormente se distanciou dos comentários de Lu, dizendo que ele estava expressando uma opinião pessoal e não uma política oficial.

A CNN perguntou a Yu Jun, um funcionário do Ministério das Relações Exteriores da China, se o momento da ligação de Xi-Zelinsky tinha algo a ver com a reação. “A China emitiu uma resposta oficial às observações do embaixador chinês na França”, disse ele. “Fui muito claro sobre a posição da China (sobre a questão da Ucrânia)”, acrescentou.

O último contato divulgado publicamente entre Xi e Zelensky foi em 4 de janeiro de 2022, semanas antes da invasão, com os dois líderes trocando mensagens de felicitações pelo 30º aniversário das relações diplomáticas bilaterais.

potencial pacificador

A China começou a intensificar os esforços para se posicionar como um potencial pacificador no conflito no início deste ano, emitindo uma proposta de solução política para a crise no aniversário de um ano da invasão russa.

READ  O aumento das temperaturas noturnas devido às mudanças climáticas pode perturbar os padrões de sono e aumentar a mortalidade em seis vezes até 2100

Mas a proposta vagamente formulada é vista como infundada no Ocidente e na Ucrânia, porque não incluía nenhuma disposição para que Moscou retirasse suas forças do território ucraniano. O status da China como mediadora também foi visto de forma crítica, com Xi visitando Moscou, mas ainda sem falar com Zelensky.

O momento da ligação de quarta-feira entre os dois líderes pode indicar que Xi acredita que há potencial para progresso, de acordo com Rajan Menon, diretor do Grande Programa de Estratégia do think tank Defense Priorities, com sede em Washington.

“Xi Jinping não quer colocar capital político por trás de um esforço que explode na cara dele. (O lado chinês) quer ter sucesso como teve na mediação entre Teerã e Riad”, disse ele, referindo-se ao papel de Pequim na intermediação da restauração. das relações diplomáticas entre a Arábia Saudita e o Irã no início deste ano. Nesse caso, acrescentou Menon, isso pode significar que Putin sinalizou a Xi que estava pronto para conversar com Kiev.

No entanto, ainda existe uma distância política significativa entre os dois lados quando se trata de termos de paz aceitáveis, além da crença persistente de que cada um pode prevalecer sobre o outro no campo de batalha e durante a Ofensiva da Primavera, disse Menon.

“Portanto, não devemos esperar que nada aconteça (imediatamente), mas o que está claro é que os chineses já indicaram que darão passos concretos na direção da mediação e isso não é pouca coisa”, acrescentou, acrescentando que ainda não está claro se a China ajustará sua proposta de solução política no processo.

Ulyana Pavlova, da CNN, contribuiu para este relatório.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *