Volta de Bolsonaro traz riscos para ex-presidente – e para o Brasil

Comente

RIO DE JANEIRO – Há semanas o Brasil vive uma relativa calma. Após a eleição mais polêmica de sua história, que culminou com milhares de desordeiros apreendendo e vandalizando os prédios federais mais importantes de D.C., o país comemorou com semanas de festividades carnavalescas e ciclos de notícias tranquilos.

novo O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem se preocupado com questões orçamentárias, do Banco Central e deslizes aqui e ali. E o perdedor da eleição Jair Bolsonaro, cujos apoiadores agrediram o palácio presidencial, a Suprema Corte e o Congresso após sua derrota, estava estranhamente quieto em sua reclusão a milhares de quilômetros de distância em Kissimmee, Flórida.

Mas agora Bolsonaro, que chegou ao poder explorando uma série de batalhas de guerra cultural e passou seus quatro anos como presidente aprofundando essas divisões, diz que em breve retornará a um país que se polarizou como poucos políticos antes. Seu ressurgimento traz sérios riscos não apenas para Bolsonaro, que enfrenta múltiplas investigações criminais e a possibilidade de prisão generalizada por supostos delitos, mas também para o Brasil, que pode reabrir a política inflamada de Bolsonaro.

“A volta de Bolsonaro vai ampliar a hostilidade e a polarização em uma sociedade que já está polarizada”, disse o cientista político. David Magalhães, Coordenador do Brazil Independent Monitor de Extrema Direita. Ele não vai voltar a falar em juros altos e banco central. Ele trilhará o caminho ideológico.

Injetar mais incerteza nos próximos meses será o resultado de uma série de investigações que colocaram pressão crescente sobre Bolsonaro e seus comparsas. Os investigadores investigam, entre outras coisas, se o ex-presidente espalhou notícias falsas sobre o sistema eleitoral do país ou se incitou a turba que atacou instituições do governo em 8 de janeiro.

READ  Catástrofes naturais em 2020 custaram a Portugal mais de 50 milhões de euros

Se Bolsonaro for pego eventualmente – isto é, até agora Parece improvável – ou inelegível para concorrer ao cargo, as consequências podem mais uma vez mergulhar o país em turbulência política.

“Haverá protestos”, disse Denner Souza, 49, um ativista convicto. “O povo vai se levantar. Vamos lutar contra a opressão de Bolsonaro.”

Milhares de apoiadores do ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro agrediram o Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal e a Presidência da República no dia 8 de janeiro (Vídeo: Joe Snell/The Washington Post, Foto: ANDRE BORGES/EPA-EFE/Shutterstock/The Washington Post)

Houve um tempo em que a política era mais tranquila aqui. Mas na última década, quando a economia estagnou e os principais políticos foram assolados por escândalos de corrupção, as primeiras escaramuças da nova guerra cultural estouraram – e seu maior guerreiro é Bolsonaro. Ele reformulou a política como um choque existencial entre a direita oprimida e a esquerda corrupta, entre o que chamou de “asidadão d Bim – O cidadão de bem – e criminosos e minorias atropelam seus direitos.

Ele disse que criminoso bom é criminoso morto. Ele disse que preferia ter um filho natimorto do que um filho gay. Ele definiu o Brasil simplesmente: “um país cristão conservador”.

“Bolsonaro foi capaz de americanizar a política brasileira”, disse Guilherme Casarões, professor de ciência política da Fundação Getúlio Vargas, uma universidade que concede diplomas. “Ele transformou toda a discussão no Brasil em algo sobre o qual os brasileiros não estavam acostumados a falar em nível político.”

Mas as posições que ele assumiu costumam ser tão extremas – e sua maneira de falar sem rodeios – que sua emergência como uma importante figura política nacional polarizou o país. Como presidente e candidato à reeleição, ele explorou essas divisões, demonizando adversários políticos, minando a confiança nos sistemas eleitorais do país e recusando-se a reconhecer Lula como líder político. o vencedor legítimo – e separar os dois lados.

READ  A seleção masculina de futebol de praia dos Estados Unidos enfrentará Espanha, Portugal e Japão na Copa do Mundo FIFA 2022 Gran Canaria

Agora Bolsonaro quer voltar à política brasileira. Ele costuma discutir seu retorno com conselheiros. Mas foi adiado repetidas vezes pelo perigo legal que ele enfrentou no Brasil – e seu desânimo.

“Ele se tornou retraído, triste e muito chateado”, disse um dos assessores próximos de Bolsonaro, que falou sob condição de anonimato para oferecer uma avaliação franca. “Ele é um homem forte, emocionalmente forte, mas foi profundamente afetado por tudo o que aconteceu.”

Ele sempre expressou preocupação sobre sua responsabilidade legal no Brasil. Assessores jurídicos lhe disseram desde janeiro que o risco de ele ser preso seria baixo. Autoridades judiciais brasileiras de alto escalão disseram ao The Washington Post em janeiro que não havia provas suficientes para ordenar sua prisão. Não está claro se há algo Um evento desde então mudou esse pensamento, mas Bolsonaro relutou em testá-lo.

“A ordem de prisão pode surgir do nada.” ele disse ao Wall Street Journal em fevereiro

Ele disse que planeja voltar ao Brasil no final de março. Mas os planos anteriores de retorno foram frustrados, e este também pode ser.

“Bolsonaro não é uma pessoa comum, como você e eu”, disse um aliado político com quem tem contato frequente, também falando sob condição de anonimato. Ele não é um político comum que segue palhaçadas comuns. Ele esconde seu jogo. Imprevisível”.

Alguns ex-apoiadores dizem que sim Eles perderam a fé em seu antigo líder. Eles acreditam que sua decisão de fugir da cidade dias antes do término de seu mandato e ignorar a posse de Lula para começar seu exílio auto-imposto na Flórida, onde é visto comendo junk food e fazendo compras no Publix, foi um erro.

READ  Notícia de transferência do Tottenham: Tottenham está de olho no meio-campista de Portugal

“Um líder não abandona seus aliados”, disse Claudini Jr., 36, policial do interior de São Paulo.

Mas o partido político de Bolsonaro, o Partido Liberal, está otimista com seu apelo. Ela anunciou planos de fazer uma turnê pelo Brasil O Nordeste, uma região amplamente empobrecida, o rejeitou nos dois turnos das eleições presidenciais. Ele deve liderar comícios de motocicletas em toda a região enquanto tenta assumir a liderança da oposição antes das eleições municipais de 2024.

Líderes partidários apontam para bolsonaristas leais como Esmeralda Silvera Soares como prova de que o povo vai se alegrar com seu retorno. A salvadorenha de 75 anos diz que Lula roubou a eleição. Ela disse que aguardava ansiosamente o retorno de Bolsonaro e esperava que ele retomasse sua busca política.

Soares disse: “Se não fosse um ladrão.” Ele conseguiu tudo com dinheiro roubado do nosso país. Vejo o comunismo no comportamento do governo, em que a verdade se tornou mentira e a mentira se tornou realidade. Eles estão preparando uma vacina para matar pessoas.”

Observadores políticos expressaram preocupação sobre como Bolsonaro poderia explorar essa animosidade política arraigada em grande escala.

“A presença de Bolsonaro é terrível para a nossa democracia”, disse Jairo Pimentel, professor de ciência política da empresa de consultoria Ponteo Politica, com sede em Brasília. “Ele trata seus oponentes como inimigos em vez de inimigos.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *