Um pequeno clube de fotografia brasileiro está no horizonte

A Europa estava exausta após a Segunda Guerra Mundial e o Brasil estava pronto para enfrentar uma recessão. Dezenas de artistas deixaram a Europa fugindo do fascismo, e o governo do Brasil se dispôs a apoiar projetos culturais ambiciosos, que se refletiram em museus dedicados à arte moderna e na abertura da Bienal de São Paulo em 1951. Esse entusiasmo pela arte moderna e novas formas tecnológicas como a fotografia pode ser encontrada até em clubes amadores como o Foto-Cine Clube Bandeirante (FCCB), fundado em 1939 em São Paulo. Pioneiro no cenário da arte de vanguarda, mas pouco conhecido fora do país, o grupo ganha destaque no espetáculo ”Fotoclubismo: fotografia modernista brasileira, 1946-1964“No Museu de Arte Moderna.

Esta exposição com mais de 60 fotografias, pinturas e coisas efêmeras é a primeira apresentação de museu americano no FCCB, que consistia principalmente de aficionados: jornalistas, cientistas, homens e mulheres que viajavam juntos nos fins de semana, tirando fotos e criando workshops, exposições e publicações com o objetivo de promover a Para a fotografia como forma de arte. O clube incluía muitos artistas profissionais – ou mais tarde se tornaram fotógrafos profissionais – em suas fileiras, bem como uma variedade de imagens de suas crescentes comunidades de imigrantes. É bastante claro que esses fotógrafos eram ambiciosos em sua abordagem. Usando novas técnicas e motivos abstratos, indicaram estar atentos aos desenvolvimentos da arte não só em São Paulo e no Rio de Janeiro, mas também em Paris, Moscou e Nova York.

A fotografia “Ministério da Educação” (cerca de 1945) do húngaro Tomaz Varkas é uma imagem quase abstrata e escultural do que é considerado o primeiro edifício modernista do país. Chamado de Palácio Gustavo Cabanema, no Rio de Janeiro (também conhecido como Edifício do Ministério da Educação e Saúde), sua equipe de projeto incluiu os arquitetos Lucio Costa, Roberto Berle Marx e Oscar Niemeyer, e o arquiteto francês Le Corbusier atuou como consultor. (Niemeyer iria projetar Brasília, a nova capital modernista do país, no final dos anos 1950.) As imagens da viagem de campo do clube ao recém-construído condomínio Várzea do Carmo são um pouco mais modestas, mas mostram os fotógrafos apontando suas câmeras para o mesmo assunto, alimentando o espírito de amizade e competição.

As rupturas psicológicas de uma sociedade que tenta alcançar a evolução da velocidade de dobra também podem ser vistas em imagens como “Luz e Força” de Marcel Giroud, por volta de 1950. A imagem é como uma ilustração abstrata e detalhe da evolução, com linhas de energia talvez servindo como metáforas para pessoas e política.

Muitas das obras aqui refletem experiências fotográficas modernistas da América do Norte e da Europa, como as atividades na Bauhaus na Alemanha ou as práticas de vanguarda russa da década de 1920, representadas por artistas como Laszlo Moholy-Nagy ou Alexander Rodchenko.

Outro foco é a fotografia surreal da década de 1930, que visa efeitos psicodélicos mais sonhadores. “Sunny Portrait” de Kerman Lorca De cerca de 1953 nos lembra dessa prática. Lorca pertenceu ao clube por quatro anos, de 1948 a 1952, e saiu para abrir um estúdio comercial profissional. “Solarized Portrait” usa uma técnica experimental que era popular entre os surrealistas: acender as luzes na câmara escura durante o processo de desenvolvimento para obter o reflexo dos tons adicionando uma aura etérea ao perfil do modelo.

READ  Media Consulting - Sindicatos canadenses para responder à decisão da Suprema Corte sobre o imposto de carbono

As pinturas abstratas no Fotoclubismo formam o elo entre fotógrafos que o fazem por diversão ou diversão e aqueles que procuram criar uma nova e moderna expressão artística. A adesão de Geraldo de Barros à FCCB precedeu a sua fama como pintor e co-fundador em 1952 do Grupo Ruptura, que foi marcado pela abstração geométrica e pela arte concreta. Sua pintura rigorosa, Country Function (1952), uma composição de figuras geométricas em preto e branco, ecoa a obra de Piet Mondrian, uma grande influência em artistas latino-americanos que queriam mostrar seu rigor e sofisticação cultural ao invés de gestos mais fluidos. Pintando expressionistas abstratos na América do Norte.

Outra pintura geométrica abstrata aqui, Sem título (1954) da artista uruguaia Maria Freire, apresenta listras pretas e amarelas entrelaçadas com um triângulo vermelho sobre um fundo cinza-esverdeado. Freire analisou uma exposição de fotos da FCCB na publicação do influente grupo, Boletim Foto Cine, argumentando que os organizadores poderiam ter avançado para se gabar de “uma obra mais abstrata, muito menos figurativa”.

Você pode ver que essa abordagem de arte concreta se estende ao trabalho fotográfico de De Barros. “Fotoforma” (1952-1953) é uma impressão em prata gelatina em preto e branco que usa a mesma precisão geométrica de suas pinturas. Seu emprego diurno no Banco do Brasil informa imagens como “Fotoforma”, onde ele usa um cartão perfurado que trouxe para a câmara escura, iluminando através de furos no papel fotográfico para criar sua imagem abstrata.

Notável aqui inclui Gertrude Altschul, uma artista nascida na Alemanha que escapou da perseguição nazista e se estabeleceu em São Paulo. No Brasil, Alchul reviveu seu trabalho – fazer flores artificiais para chapéus femininos – e muitas de suas fotografias se alinham com esse interesse botânico (ou inspirado em plantas). No entanto, muitos de seus trabalhos também enfocam as características arquitetônicas, enquadrando-as como elementos de uma pintura geométrica, ou seja, objetos sem rosto, que, para o bem da fotografia, tornam-se uma bela composição abstrata.

READ  The Vagina Dialogues: Uma obra de 33 metros que irrita a extrema direita brasileira | Brasil

Mas onde estão os fotógrafos amadores e seu trabalho mais? Ao ver as vitrines com o flyer do clube, você pode ver fotos mais casuais – e francamente menos habilidosas – de pessoas, lugares e coisas. Isso não tem chute, zing ou demonstração das imagens montadas na parede. (É o MoMA, afinal.) Mas o trabalho no Boletim do clube revela o entusiasmo e entusiasmo de seus sócios. Alguns eram mais talentosos e comprometidos do que outros, mas a FCCB também era um prenúncio do papel da fotografia, um meio artístico valioso e uma forma de qualquer outra pessoa capturar – e momentaneamente – o mundo fugaz e em rápida mudança. Com eles.

Fotoclubismo: fotografia modernista brasileira, 1946-1964

até 26 de setembro no Museu de Arte Moderna; (212) 708-9400, moma.org.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *