Tunísia e Marrocos estão entre as economias digitais mais proeminentes

Da redação
[email protected]

São Paulo – Reportagem divulgada nesta semana mostrou que Tunísia e Marrocos são os dois melhores países do Norte da África para utilizar ferramentas digitais para fins econômicos. Contém os resultados de um inquérito realizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), em conjunto com a Comissão da União Africana. O relatório foi divulgado no Brasil pela Embaixada da Tunísia em Brasília. Na foto acima, Tunísia.

De acordo com a pesquisa, 57% das empresas na Tunísia e no Marrocos possuem sites. As taxas são de 47% para pequenas empresas, 67% para médias empresas e 80% para grandes empresas. A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico observa que isso indica digitalização significativa, ao contrário de outros países.

O relatório, intitulado “Development Dynamics in Africa 2021: The Digital Transformation of Quality Jobs,” mostra que apesar do rápido crescimento do comércio eletrónico no norte da África nos últimos anos, os métodos de pagamento online e o transporte eficiente de mercadorias continuam indisponíveis no região.

De acordo com a OCDE, é imperativo que os bancos forneçam métodos de pagamento digital para aproveitar as vantagens do comércio eletrônico e impulsionar a criação de empregos. O relatório observa que investimentos adicionais também são necessários em infraestrutura para permitir o transporte de mercadorias.

Os baixos níveis de e-commerce e a disponibilidade de serviços de entrega em toda a região, devido à falta de startups, significam que os benefícios da digitalização não foram explorados para aproveitar a geração de empregos. O Norte da África ainda é caracterizado por startups insuficientes, distribuídos de forma desigual dentro e entre os países.

O relatório argumenta que Egito, Marrocos e, em menor grau, Tunísia são os países da região com o maior número de tecnologia financeira, devido a um ecossistema facilitador apoiado por forte apoio governamental, boa participação do setor privado e níveis educacionais satisfatórios.

READ  Partes pedem ao STF que envie Flávio Bolsonaro para entregar supostos relatórios da Abin Política

Para aumentar o número de empresas fintech na região, o relatório convida os tomadores de decisão a apoiarem os esforços de investimento em tecnologia da informação e comunicação, por meio de mecanismos para acelerar o start-up, bem como por meio de incentivos para fabricantes e importadores de alta tecnologia. equipamento de tecnologia.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico também apela aos governos para fazer parceria com o setor privado para apoiar a demanda potencial por empresas fintech e dar maior importância às parcerias entre provedores de microfinanças e operadoras de telefonia móvel, especialmente entre esses provedores e provedores de serviços financeiros digitais .

Traduzido por Gabriel Pomeran Blume

Banco Mundial

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *