Tribunal da Relação de Lisboa anula restrições ao rabino de Portugal

O Tribunal da Relação de Lisboa anulou na terça-feira o “processo coercitivo” contra Daniel Litvak, o rabino da cidade portuguesa do Porto. As restrições faziam parte de uma campanha de assédio antissemita contra a comunidade, alegaram os líderes do grupo.

As medidas restritivas obrigavam Litvak a apresentar-se três vezes por semana à polícia judiciária e impediam-no de sair de Portugal. O rabino ainda não informou a polícia de sua residência em Portugal e no exterior.

“Em suma, o tribunal diz que o rabino foi preso e humilhado em todo o mundo sem qualquer prova”, disse Gabriel Senderovic, chefe da comunidade judaica no Porto, ao JNS. “E o mesmo aconteceu em relação à espantosa invasão do Templo do Porto, em que a comunidade documenta o roubo, as buscas nas casas dos principais e a completa humilhação da comunidade durante nove meses.”

Senderowicz referiu-se às ações das autoridades portuguesas contra a comunidade portuense, incluindo a invasão da Sinagoga Kadoorie Mekor Haim no Porto, a maior sinagoga da Península Ibérica “como se fosse um bordel”; Faça uma busca na casa da vice-presidente da Sinagoga, Isabel Ferreira Lopez, “em busca de malas cheias de dinheiro” e prenda e detenha Litvak por fraude.

Litvak foi maltratado na prisão, colocado em uma cela com um assassino e privado de comida kosher, obrigando-o a ficar mais de 24 horas sem comer, de acordo com uma queixa que a comunidade apresentou ao Ministério Público Europeu (EPPO) em 26 de agosto. . .

As ações policiais foram o culminar de uma campanha de difamação antissemita por figuras públicas e membros da imprensa contra a sociedade organizada por “agentes do Estado” que se opõem à lei de cidadania dos judeus sefarditas portugueses de 2015, segundo Sandrovich. A lei concede cidadania a descendentes de judeus expulsos do país no século XV.

READ  Irlanda está na grande lista do Nat Geo para 2024

Senderovic disse que a comunidade judaica do Porto é acusada de promover um motim ao carimbar certificados de cidadania. “Foi apresentado ao mundo como a venda de passaportes por um rabinato que trabalhava por dinheiro”, disse ele.

Senderowicz disse que a comunidade foi submetida a “condenações anônimas de agentes do Estado e insultos profissionais e individuais”, juntamente com uma “fatal campanha de mídia de meia dúzia de jornalistas e influenciadores para destruir a credibilidade da lei, líderes comunitários e pessoas de Origem sefardita de acordo com a lei.”

A sociedade nega qualquer acusação de irregularidade. Litvak recebeu algum apoio do Tribunal da Relação de Lisboa. E repreendeu em sua decisão o Ministério Público.

Os juízes disseram que a intenção criminosa atribuída ao comportamento do réu foi “com base em nada”. Ela questionou a acusação de que Litvak teria recebido propina para emitir certidões de origem sefardita, um passo necessário para obter a cidadania portuguesa por lei, e a acusação de que ele sustentava falsas alegações de origem sefardita em nome dos requerentes.

“Quais valores, quem pagou e quando, em relação a qualquer processo de naturalização?” perguntaram os juízes. “Em que processos de naturalização o recorrente testemunhou falsamente que o recorrente era descendente de judeus sefarditas portugueses?”

Eles se referiram à acusação como “uma generalização sem base factual”.

O Ministério Público também deixou de fornecer “referência a um caso concreto, documento falsificado, pagamento ou recebimento não merecido, [or] Indicativo de um esquema criminoso”, disseram os juízes.

“Como alguém pode se defender apenas de generalidades?” Livros de Juízes.

“Diante do exposto, fica claro que os fatos não podem ser alcançados nem mesmo por meio de provas. Concluíram que não se podia concluir… que o recorrente havia cometido algum dos atos que lhe são atribuídos.

READ  Parceria PFL, ELEVEN Parceria portuguesa anunciada antes do início da temporada 2021 do PFL - CONAN Daily

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *