Telefônica Brasil envolve fornecedores para atingir metas de emissão líquida zero

Como parte da meta global do grupo, a Telefónica no Brasil começou a mobilizar fornecedores que estão engajados em atividades intensivas em dióxido de carbono para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE).

A Telefônica Brasil disse em comunicado que quase recentemente se reuniu no Brasil com cerca de 115 fornecedores de diversos setores, como manutenção, construção, call center, equipamentos e tecnologia, para propor iniciativas de medição, gestão e redução de gases de efeito estufa.

A telco quer que essas empresas trabalhem em inventários de emissões de gases de efeito estufa e pesquisem alternativas para energia renovável, entre outras medidas para melhorar os processos de produção de emissões.

O objetivo global do Grupo Telefónica é reduzir as emissões em sua cadeia de valor em 39% até 2025 em relação aos níveis de 2016 e atingir as emissões líquidas zero até 2040, o mais tardar.

No final de 2020, a redução da Telefónica era de 27%. As emissões da cadeia de abastecimento foram as mais pesadas, com 56%.

“Nesta última área, estamos trabalhando com os fornecedores mais relevantes no Programa de Participação de Fornecedores para ajudá-los a definir metas mais ambiciosas de redução de CO2”, disse Maya Ormazabal, Diretora de Meio Ambiente e Direitos Humanos da Telefónica, em um comunicado separado.

A meta de zero líquido da Telefónica está dividida em três bandas: Banda 1 indica consumo de combustível fóssil e vazamento de refrigerante; O Escopo 2 refere-se às emissões da geração de energia elétrica; O escopo 3 inclui as emissões da cadeia de valor, que vão desde a compra de bens e serviços até o uso dos produtos pelos clientes e viagens de negócios.

O grupo pretende reduzir suas emissões em 90% nas Bandas 1 e 2 até 2025 nos principais mercados e em 70% na América Latina, exceto o Brasil.

No Brasil, a operadora afirma ter reduzido suas emissões em 70% entre 2015 e 2020 e ser neutra em carbono desde 2019.

A Telefônica Brasil também disse que incluiu bônus ambientais na remuneração dos executivos. Neste ano, o peso do bônus no pagamento foi elevado de 1% para 5%, segundo a filial brasileira.

A meta de 2021 para bônus de executivos não deve ultrapassar 81,2 mil toneladas de emissões de dióxido de carbono, mesmo com a ampliação dos serviços.

A empresa disse que está compensando emissões que não pode evitar com a compra de créditos de carbono, em um investimento voltado principalmente para o projeto Vale do Jari REDD +, uma iniciativa na região amazônica.

A Telefônica Brasil também afirma ser a primeira empresa brasileira de telecomunicações e a primeira subsidiária da Telefónica fora da Europa a contar 100% com fontes renováveis.

No entanto, Ormazábal disse que a energia consumida já é 100% renovável também no Peru, além de Brasil, Espanha, Reino Unido e Alemanha.

O grupo pretende ser 100% renovável em todas as suas operações até 2030.

México

Em notícias relacionadas, a Telefónica México (Movistar) lançou uma iniciativa chamada Un celular, Un árbol (Um telefone celular, uma árvore).

A iniciativa visa coletar os telefones que não são mais usados ​​e descartá-los de forma adequada, evitando que componentes nocivos entrem no lixo doméstico.

A coleta é realizada através de parceiros locais de reciclagem diretamente nos endereços indicados pelos usuários no site da Movistar (www.movistar.com.mx/reciclaje).

Para cada telefone coletado, a Telefônica se compromete a plantar uma árvore na região de Nevado de Toluca.

READ  Lola brasileira contrata Amazon Defender, o novo aliado em uma tentativa de diversificar o gabinete

A campanha vai de 1º de julho a 31 de dezembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *