Suspeito de homicídio do Primeiro-Ministro em Mesquita admite ter disparado contra ele; Três suspeitos presos | Rio de Janeiro

Um dos Suspeitos presos por matar um cabo da Polícia Militar Derinaldo Cardoso dos Santos, nesta sexta-feira (4), em um atentado na cidade de Mesquita, na Baixada Fluminense, admitiu que havia atirado no policial. Segundo os investigadores, Jonathan Targinho e seu companheiro foram encontrados escondidos em uma propriedade em Villa Kennedy, região oeste do Rio, no último domingo (6).

Até este segundo (7), três suspeitos em conexão com o caso haviam sido presos. No mesmo dia do crime, Johnny Silva Quirino da Cruz foi preso como um dos suspeitos. Homem livre.

O corpo do policial foi enterrado neste sábado (5) no cemitério Jardim da Sudady, em Solacap, Zona Oeste carioca.

Policial Militar Derinaldo Cardoso dos Santos foi assassinado enquanto tentava impedir um atentado em Mesquita – Foto: Reprodução

Derinaldo, de 34 anos, era integrante do 20º Batalhão e foi transferido para o Hospital Geral de Nova Iguaçu (HGNI) em estado gravíssimo e foi submetido a uma cirurgia de urgência. Ele foi internado na unidade de terapia intensiva da unidade e não resistiu aos ferimentos.

O cabo Cardoso, que completa 10 anos na empresa no mês que vem, deixa mulher e dois filhos.

Outra pessoa que estava na loja levou um tiro na coxa, mas foi tratado e dispensado e, segundo a Polícia Militar, os bandidos fugiram e até roubaram um carro municipal, e levaram seus ocupantes como reféns. Posteriormente, foram soltos e os criminosos abandonaram o carro na Avenida Brasil, próximo a Relengo.

Na noite de sexta-feira, a Polícia Militar recebeu denúncia de que a arma utilizada no crime estava escondida em uma localidade do Padre Miguel, na Região Oeste do Rio, e no endereço indicado os agentes encontraram uma pistola calibre 38 com número raspado e cinco munições. .

O cabo Douglas Constantino Barbosa também foi assassinado no sábado (5). Estava de folga em um bar em Nova Iguaçu quando mascarados desceram de um carro que já havia atirado nele.

Desde o início do ano, 44 ​​policiais militares foram mortos no Rio de Janeiro.

O cabo Douglas foi morto a tiros na tarde deste sábado (5) em Nova Iguaçu. Foto: Divulgação

READ  Sampaoli vê os benefícios da vitória do Atlético MG, mas admite: "Temos que melhorar muito" | Atleta- MG

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *